Posts em destaque

Eu li: A Assombração da Casa da Colina – Shirley Jackson

Olá, pessoal! No último post aqui do blog, contei que amei a série A Maldição da Residência Hill (em cartaz na Netflix). Eu também contei que a série foi baseada em um livro e que fiquei doida quando soube. O livro em questão é A Assombração da Casa da Colina, escrito por Shirley Jackson. Ganhei a obra de Natal e li rapidinho para poder contar tudo para vocês! 🙂

Para quem não sabe, a Shirley Jackson é uma das maiores autoras de livros de terror e mistério do mundo. E A Assombração da Casa da Colina é considerado por muita gente como a melhor história de casa mal-assombrada da história. Lógico que eu estava com a expectativa lá em cima quando comecei a ler, né?

Antes de começar a falar sobre o livro, preciso contar sobre a série. Lá, a trama gira em torno de uma família composta por um casal e cinco filhos. Eles se mudam para uma casa durante um verão e logo começam a ver coisas muito estranhas acontecendo. As experiências da casa mexeram para sempre com eles, que agora são adultos e precisam lidar com todos esses traumas.

A história do livro

Bom, a história do livro é COMPLETAMENTE diferente. Tudo acontece quando Dr. Montague, especialista em fenômenos sobrenaturais, convida duas pessoas para passarem uma temporada em uma casa misteriosa. O objetivo é que ele possa registrar tudo que acontece de estranho para apresentar uma tese a outros especialistas. Além deles, está também o herdeiro da casa (a presença dele é exigida pela atual proprietária da mansão).

Algumas coincidências do livro com a série:

  • Os nomes: no livro, também temos uma Eleanor (a protagonista), uma Theodora e um Luke. Mas eles não são irmãos e têm personalidades bem diferentes nas duas histórias.
  • Os Dudley: os funcionários da casa existem. Na série, eles têm uma filha e são legais. No livro, não se sabe nada sobre isso e a Sra. Dudley é bem perturbada.
  • Hugh Crain: o pai da família da série existe no livro. Mas lá ele é quem projetou e construiu a Casa da Colina, tendo falecido décadas antes.

Na primeira metade do livro, acompanhamos a chegada de Eleanor à casa e sua convivência estranha e obsessiva com Theodora (que também foi convidada para o experimento). No início, ela não liga muito para a fama da casa, mas logo começa a presenciar coisas muito estranhas. E assim segue: os acontecimentos vão piorando e a gente fica naquela ansiedade para saber quem vai sair vivo da casa.

O que eu achei

O livro não tem nada a ver com a série, então é preciso separar as duas histórias. Para ser bem sincera, me lembrou muito mais o filme A Casa da Colinade 1999. Lá, um milionário resolve dar uma festa em uma casa mal-assombrada e convida várias pessoas que não se conhecem. Quem passar a noite toda na casa será premiado com 10 mil dólares. Eu AMAVA esse filme quando era adolescente (MORRIA de medo), então, li o livro com uma clima de nostalgia bem legal.

Se você gosta de filmes de terror (daqueles com vários clichês), recomendo MUITO assistir a este aqui!

A Assombração da Casa da Colina foi escrito em 1959, portanto, há 60 anos. Achei bacana que muitas palavras da época foram mantidas, mas ao mesmo tempo, a narrativa é um pouco cansativa e às vezes é difícil prestar atenção. Mesmo assim, é incrível pensar como a história ainda prende e funciona. Eu costumo ler à noite, antes de dormir, e sempre rolava um medo quando precisava apagar a luz do quarto. Vejam bem: eu tenho 30 anos, não tenho medo de histórias de terror, mas tive medo com este livro. Sinal de que é realmente bom!

A única coisa que eu não gostei é que o livro termina muito de repente. Achei que os acontecimentos de terror não são tão pesados assim (acaba que é uma coisa mais psicológica) e quando parece que vai ficar tenso de verdade, pah, o livro termina. Também achei que a conclusão dos outros personagens é rápida demais. Sei lá, fiquei com a sensação de que faltou alguma coisa. Mas, se a gente lembrar que o livro é dos anos 1950, é incrível pensar como ainda dá medo.

 

Eu gostei muito e indico para todo mundo que também curte histórias de terror. Só vale lembrar mais uma vez que o livro não tem nada a ver com a série, por isso, esqueça comparações, ok?

Um beijo e até o próximo post!

Séries da Netflix para maratonar neste Carnaval

Olá, pessoal! Estamos em ritmo de Carnaval e muita gente aproveita a folga para curtir bastante nos bloquinhos e nos bailes. Também tem a turma que prefere viajar e descansar e ainda aqueles que ficam em casa. Se você, assim como eu, é do tipo que não curte muito a muvuca das ruas nesta época, tenho uma super dica no post de hoje! 🙂

Contei neste vídeo aqui do canal que uma das minhas metas para 2019 é ver mais séries. Eu sempre gostei de séries, mas estava complicado arrumar tempo para assistir. Agora que estou trabalhando só como influenciadora, coloquei isso como uma das minhas prioridades. Se você também tem dificuldade para encontrar um espaço na agenda para ligar a TV e ver uma série, a pedida é aproveitar o Carnaval para fazer aquela maratona delícia em uma nova história televisiva.

Como agora estou mais por dentro das últimas séries, separei algumas novidades e outras que já são clássicas da Netflix. Vamos conferir quais eu escolhi?

You (Você)

You estreou no dia 26 de dezembro do ano passado e rapidinho se tornou uma das séries da Netflix mais assistidas dos últimos tempos. Estava viajando e minha timeline inteirinha (tanto do Facebook quanto do Instagram) estavam falando sobre o assunto. Lógico que eu voltei e comecei a ver, né? Baseada no livro homônimo, a série conta a história de Joe, gerente de uma livraria em Nova York que se apaixona à primeira vista por Beck e passa a agir como um verdadeiro stalker da garota.

A série gerou uma série de polêmicas, já que mostra como todos nós estamos expostos na era das redes sociais e ainda porque muitas mulheres postaram que estavam torcendo para o Joe, que é o verdadeiro vilão da história. Algumas coisas são BEEEEM infantis nesta série e eu achei um pouquinho clichê. Mesmo assim, gostei muito e já quero assistir a segunda temporada (ainda não foi lançada).

Safe

Ok, Safe não é uma série, mas uma minissérie. Sinceramente, eu até prefiro, já que são menos episódios e apenas uma temporada (ótimo para quem tem pouco tempo para assistir). Quis ver porque ela é estrelada pelo Michael C. Hall, o Dexter (para quem não sabe, Dexter é a minha série preferida da vida). Mesmo assim, vi o primeiro episódio e achei ok, o segundo não me convenceu muito e eu fui adiando. Só quando realmente parei pra ver com atenção é que ela ficou boa de verdade!

Não é fácil de assistir. Os episódios são longos e com muitos diálogos, então você tem que prestar atenção e se concentrar. Achei que ficou boa na metade, quando eu comecei a ter vontade real de continuar vendo. A história gira em torno de Tom, um médico que investiga o desaparecimento de sua filha, Jenny, dentro do condomínio de luxo onde mora. É uma série perfeita para quem gosta de ação e mistério!

A Maldição da Residência Hill

Vi A Maldição da Residência Hill no finzinho do ano passado e curti DEMAIS. Quando vi as primeiras notícias da série, não fiquei muito convencida. Vamos combinar que é bem difícil uma história de terror não cair nos clichês e nas cafonices, né? Mas ok, resolvi assistir e amei tanto que recomendei para todo mundo. A trama gira em torno de uma família (um casal e seus cinco filhos) que se muda para uma casa mal-assombrada durante um verão e começa a observar coisas muito estranhas naquele lugar.

Pela sinopse, não parece tão legal quanto é. Juro, muitos episódios dão medo DE VERDADE. Até tem um clichê ou outro, mas é tudo muito bem feito e a gente só quer saber como eles vão se livrar desse grande trauma. Eu só não gostei do final, mas a maioria das pessoas gostou, então sei que é uma coisa minha. Ah, a série foi baseada em um livro e eu fiquei tão enlouquecida que pedi o livro de presente (conto mais sobre ele em outro post).

Black Mirror

Black Mirror é um clássico da Netflix. São quatro temporadas, mas cada episódio tem uma história diferente, então você pode assistir da forma que quiser e apenas os episódios que tiver mais vontade. Eu adoro a série e já vi vários episódios, mas ainda não consegui parar e ver todos. O mais bacana é que todos os assuntos são ligados à tecnologia. Eles podem parecer que fazem parte do futuro, mas estão tão dentro do nosso dia a dia que deixam a gente pensando por dias e dias.

Entre os meus episódios favoritos, destaco San Junipero, em que pessoas podem transferir suas consciências para um local paradisíaco virtual. Playtest, com uma experiência aterrorizante de realidade aumentada, também é sensacional. Ah, e eu também AMEI Bandersnatch, o filme produzido pela série recentemente. Nele, o conteúdo é interativo e você escolhe o que o personagem principal deve fazer. É MUITO bom!

Stranger Things

Stranger Things é uma febre no mundo todo. É até difícil encontrar alguém que ainda não tenha visto, mas, se você ainda não assistiu, aqui está sua chance. A Netflix divulgou que a terceira temporada estreia em julho deste ano, então dá tempo de ver. Para quem não sabe, a trama é ambientada nos anos 80, com várias referências à década e gira em torno de um grupo de crianças que descobre uma realidade paralela em uma cidade pequena.

É bem legal e dá medo em alguns momentos (mas nada desesperador). Todo mundo se apaixonada pelos personagens, que são muito carismáticos. Sério, não conheço ninguém que não ame a Eleven e o Dustin, o mais fofo de todos. Deu até vontade de ver de novo de tão boa que é!

 

Você já viu estas séries? Tem outra para indicar? Me conta aqui nos comentários!

Um beijo e até o próximo post!

Feliz ano novo | Minhas 6 metas para 2019

Olá, pessoal! Estamos em dezembro e agora não tem jeito: 2018 está mesmo acabando e a gente começa a pensar no próximo ano. Eu sou muito supersticiosa e sempre fui de fazer pedidos na noite de ano-novo. Mas, na maioria das vezes, eram aqueles pedidos que não dependem só da gente, sabem? Se você está pensando em “arrumar um namorado”, você acertou. Cansei de pedir isso quando era mais nova e nunca dava certo – por que será né?

Já faz um tempo que eu aprendi que funciono com metas. Eu preciso anotar tudo no papel, fazer listas e encarar essas metas como desafios que precisam ser cumpridos. Sei que não é todo mundo que gosta disso, mas eu me sinto MUITO bem quando cumpro uma meta. Então, resolvi adotar a prática de listar algumas metas de ano-novo.

Agora, chegou a hora de contar quais são minhas metas para 2019. Vocês vão perceber que são coisas possíveis de serem alcançadas, muitas que só dependem de mim, sabem? Então chega de falar e vamos lá!

Continuar ganhando dinheiro como influenciadora

Eu AMO ser influenciadora e realmente encaro tudo isso como uma profissão, um trabalho sério. Minhas amigas que também são influenciadoras sempre me pedem dicas de organização porque eu faço tudo com antecedência: tenho um planejamento mensal de todas as minhas redes (incluindo o blog aqui), trabalho muito nos fins de semana gravando e editando vídeos e subo conteúdo novo no canal três vezes por semana, faça chuva ou faça sol.

2018 foi muito bom neste sentido porque foi o ano em que eu realmente foquei em ser influenciadora. Tinha a meta de ganhar mais com isso do que o que eu ganhei no ano passado e eu bati antes do fim do ano. Não, eu ainda não vivo só disso, mas vou dar duro para alcançar esse objetivo. Mas, como o importante é ter os pés no chão, não vou fazer nenhuma meta específica. Eu só quero continuar ganhando dinheiro com o meu trabalho e crescer cada vez mais. Vocês entenderam, né?

Ser mais econômica

  1. Nada como a sensação de sonho realizado, né?

Neste ano, eu tive uma das melhores experiências da minha vida: viajar para o exterior sem ninguém da família, só com uma amiga. Foi incrível de diversas maneiras, mas principalmente porque pela primeira vez eu precisava saber como gastar direito o dinheiro que eu tinha levado, contando com alimentação, transporte, compras, enfim…voltei não só com dinheiro sobrando na carteira, mas com uma outra visão em relação a tudo isso.

Eu sempre fui muito consumista e parar de gastar é um baita de um desafio para mim. A parte boa é que agora eu penso umas mil vezes antes de comprar alguma coisa e tenho achado tudo muito caro. Eu até tinha colocado como meta deste ano economizar uma quantia X por mês, mas na real eu não vou ser tão específica também. Quero aprender a ter uma vida econômica melhor. É isso.

Bater a meta da nutricionista

Em 2018, aos trancos e barrancos, eu consegui emagrecer (uma meta que foi cumprida)! Claro que contou muito o fato de eu ter me apaixonado por tratamentos estéticos e pegar mais pesado na academia, mas eu também tentei comer melhor. O resultado foi 6 kg a menos na balança e muitas medidas reduzidas.

Agora, eu quero bater a meta da minha nutricionista. Ainda tenho mais alguns quilos para perder e, quando chegar lá, preciso fazer o mais difícil: manter. Mas essa é a segunda parte, eu quero ver o ponteiro da balança diminuindo e voltar a gostar do meu corpo. Estamos quase lá!

Ler mais

 

Bom, vocês sabem que amo ler e vira e mexe trago resenhas de livros aqui no blog. Acontece que neste ano eu acabei lendo menos. Não sei bem o motivo, mas acho que eu foquei tanto em aproveitar meu tempo livre para produzir conteúdo para o canal que os livros ficaram de lado. Mesmo assim, até que consegui ler um número bom de livros em 2018.

Esta meta na verdade é mais um puxão de orelha em mim mesma por ter lido menos neste ano (vocês perceberam que eu me cobro muito né? Pois é!). Também não vou colocar nenhum número específico em relação ao número de livros, mas quero me envolver em várias histórias e trazer boas resenhas para vocês no ano que vem.

Ver mais séries

Está aí algo que eu realmente gostaria de fazer: assistir mais séries. Eu vivo correndo né, então, eu não tenho muito tempo para isso. Acaba que eu escolho uma série que está em alta no momento e demoro muuuuito para terminar. Ou deixo para fazer uma maratona em feriados ou fica só na promessa (a última opção é a que mais acontece).

Olhem, parece muito fácil, mas acho que vai ser a meta mais difícil porque realmente é um costume que eu vou ter que criar, tornar um hábito e acostumar o cérebro a ter vontade de ver séries. A parte boa é que eu vou poder dar váárias dicas para vocês sobre séries. Aliás, aproveitem para deixar algumas sugestões de séries nos comentários – quem sabe não começo por elas, hein!

Cozinhar 

  

Vejam bem: eu tenho 30 anos e não sei nem fazer o básico quando o assunto é cozinha. Mas, como sou a típica geminiana contraditória, eu adoro ver livros de receita e programas culinários e sempre digo coisas como “nossa, como essa receita é fácil”, sendo que eu nunca tentei fazer nada. Bom, ainda bem que sempre dá tempo de mudar, né?

Há alguns meses, resolvi fazer uma receita de um doce que eu vi no programa Fazendo a Festa (meu programa de TV favorito do momento) e fiquei chocada que 1) deu muito certo e 2) é realmente muito fácil de fazer. Claro que eu me empolguei, né? Resolvi começar fazendo doces mesmo e depois vou partir para os salgados. Ah, vou compartilhar essas minhas novas experiências culinárias com vocês. Acho que vai ser bem legal!

 

E vocês, quais são suas metas para 2019?

Um beijo e até o próximo post!

Retrospectiva | As músicas que mais tocaram em 2018

Olá, pessoal! Nossa retrospectiva de 2018 segue firme e forte e agora é hora de fazer mais um post bem tradicional por aqui: as músicas do ano. Quem me acompanha há bastante tempo sabe que eu adoro música e ouço para tudo, até para trabalhar. Por isso, nada mais justo do que falar sobre essa categoria também, né?

Como critério, eu escolho apenas músicas que foram lançadas neste ano ou que viraram singles ao longo dos últimos 12 meses. Algumas são do ano passado, mas estouraram mesmo em 2018, então vale o destaque. Bora conferir quem se deu bem?

The Middle – Zedd (com Maren Morris e Grey)

Já faz um tempo que o produtor e DJ Zedd lança sucesso atrás de sucesso. Depois de músicas como Clarity, Stay e Get Low, ele lançou The Middle no comecinho do ano e logo foi aquele boom. Eu gosto muito desta música porque ela é bem animadinha e a gente pode ouvir várias vezes sem cansar, sabem?

O Sol – Vitor Kley

Eu normalmente não coloco músicas nacionais aqui no blog porque eu mesma escuto muito pouco (sempre preferi pop internacional). Mas O Sol tocou tanto, mas tanto, que não tinha como deixar de fora. Na verdade, a música foi lançada no final do ano passado, mas pegou mesmo neste ano. Eu sei que o estouro foi tão grande que eu não aguento mais escutar. Alguém mais concorda?

IDGAF – Dua Lipa

Apesar de ter lançado suas primeiras músicas há alguns anos, a cantora Dua Lipa só estourou mesmo no mundo todo – inclusive aqui no Brasil – no ano passado, com New Rules. No começo deste ano, ela lançou outro sucesso: IDGAF. Eu não tenho nada contra a moça, só me irrita um pouco o jeito dela de falar (parece que tem uma batata na boca rs), mas eu gosto MUITO desta música. É aquela lição de moral bem dada no ex, sabem?

Perfect – Ed Sheeran

No ano passado, o cantor Ed Sheeran lançou o ótimo CD ÷ (Divide) e estourou com Shape of You. Nada mais justo do que continuar aproveitando as músicas do álbum para lançar singles, certo? Perfect foi a quarta música trabalhada do álbum e ganhou até uma versão com a diva Beyoncé. É fofinha, bem nos moldes das canções lentinhas do Ed Sheeran, mas sei lá, eu tenho um leve bode. Prefiro canções mais animadas.

This is America – Childish Gambino

Se é para indicar o melhor clipe do ano, o prêmio com certeza vai para This is America, uma baita reflexão sobre os preconceitos que os negros ainda sofrem (não só nos Estados Unidos, mas no mundo todo). O clipe fez tanto sucesso que a música bombou em todos os lugares. Confesso que eu escutei pouquíssimas vezes, mas que foi um sucesso, foi.

Meu Abrigo – Melin

Mais uma música nacional que não tinha como ficar de fora desta lista. O ano de 2018 também marcou a guinada na vida dos irmãos Gabriela, Diogo e Rodrigo Melin. Depois de aparecem no programa Superstar, eles lançaram o primeiro CD neste ano e explodiram com a música Meu Abrigo, que é tipo um reggae fofinho. A letra é bem bonitinha, mas também toca tanto que eu enjoei.

In My Feelings – Drake

Você deve ter visto um monte de gente postando vídeos no Instagram dançando perto de um carro em movimento, né? Foi um desafio que promoveu In My Feelings, música que o cantor Drake lançou no meio deste ano. Sei que não é uma música que agrada a todo mundo, mas eu adoro justamente por causa do meme.

Feel it Still – Portugal. The Man

Sim, esta música foi lançada no começo de 2017 e fez muito sucesso no ano passado, mas continuou ainda mais forte neste ano. Para vocês terem uma ideia, foi umas das músicas que mais tocou durante a viagem que eu fiz para os Estados Unidos. Desde então, escuto sem parar. É daquelas que você começa a escutar e já quer sair dançando.

Say Something – Justin Timberlake

Fazia um tempinho que o Justin Timberlake não lançava um CD, né? Pois ele fez isso bem no comecinho do ano e logo estourou com o primeiro single do álbum. Say Something tem a participação do cantor Chris Stapleton em uma pegada que mistura country com pop e tem aquele refrão chiclete que a gente ama. O problema é que ela também toca MUITO e eu acabei enjoando (mas acho muito boa).

Back to You – Selena Gomez

Em 2018, tivemos também a estreia da segunda temporada da série 13 Reasons Why na Netflix. Mais uma vez, a série dividiu opiniões e teve gente que realmente passou a boicotar depois de algumas cenas bem fortes. Eu gostei muito da primeira temporada, mas não consegui ir muito para frente com a segunda. O que eu amei mesmo foi a música-tema da segunda temporada, Back to You, da Selena Gomez (que também é produtora executiva da série). Embora ela diga que a música é sobre a série, muita gente associou ao Justin Bieber. Vai saber né…

E vocês, quais músicas mais gostaram de ouvir em 2018?

Um beijo e até o próximo post!

Retrospectiva | 5 fatos que marcaram 2018 para mim

Olá, pessoal! Os posts de retrospectiva continuam com tudo por aqui. Chegou a hora de fazer um balanço sobre o que eu fiz de legal em 2018. No geral, foi um ano muito bom! Eu tinha muitos planos e muitas expectativas para este ano. Acabou que deu praticamente tudo certo e eu realizei vários sonhos, além de entender que muitas coisas só dependem de mim. É aquele lance: quando você coloca foco, dedicação e força de vontade, a chance de dar certo é muito maior!

Poderia fazer um post enorme contando em detalhes como foi meu ano. Mas, para vocês não pararem na metade dele, resolvi resumir em 5 tópicos. Bem melhor, né? Então bora conferir!

Emagreci

Bom, quem me acompanha sabe que eu falo de emagrecer há muitos anos. Além de ter uma certa dificuldade para comer de forma saudável (amo uma besteira), eu fiquei muito estressada por conta de estresse. Neste ano, investi em alguns tratamentos estéticos (que são MARAVILHOSOS) e comecei a fazer uma dieta com uma nutricionista. Ah, também peguei mais pesado nos treinos na academia.

Cheguei a perder 6kg, mas acabei ganhando 1,5 agora mais pro final do ano. Em compensação, perdi muita medida e minha relação com o meu corpo mudou muito. Se antes eu me olhava no espelho e não gostava do que via, hoje está bem melhor. Consigo entrar melhor nas minhas roupas e tenho muito mais vontade de escolher meus looks. Ainda quero perder uns 5kg, mas já está ótimo!

Fiz 30 anos

Quando eu era mais nova, morria de medo de fazer 30 anos. Achava que estaria velha demais e queria chegar nessa idade casada, mãe e bem-sucedida na carreira. Fiz 30 anos em maio e adivinhem? Não casei e não virei mãe (bem longe disso) e também não sou bem-sucedida. AINDA. Pois é, eu não tive a crise dos 30, entrei numa nova faixa etária muito bem e com muita sabedoria. Sei lá, aos 30 você entende que ainda é nova e que tem muitos anos para fazer tudo isso. Tô amando, sério!

No primeiro semestre, compartilhei com vocês os detalhes da minha festa de 30 anos. Decidi fazer pela primeira vez uma festa junto com uma amiga minha e nós fizemos uma festa à fantasia temática dos anos 90/2000. Eu fui de Cher Horowitz, protagonista do filme As Patricinhas de Beverly Hills, que eu amaaaava quando era criança. Posso falar? Foi bom demais. nós AMAMOS!

Viajei para o exterior pela primeira vez sem a família

Eu AMO viajar e sou apaixonada pelos Estados Unidos, mas nunca tinha tido a oportunidade de ir para lá sem alguém da família. Em julho, viajei só com um amiga para a Disney da Califórnia e para Las Vegas. Foi a melhor viagem da minha vida e me fez crescer de diversas formas, mas foi incrível ver como eu posso me virar e ser dona do meu próprio nariz. Tanto foi maravilhoso que eu e a Tâni, minha amiga que viajou comigo, queremos repetir a dose. Não sabemos quando nem pra onde, mas queremos!

Conhecer o Grand Canyon: sonho realizado

Coloquei mega hair

Eu sempre quis deixar meu cabelo crescer e nunca consegui, já que ele é muito fininho e tem pouco volume. Não sei bem o porquê, mas meus fios quebraram muito neste ano e ficaram ainda mais frágeis. O resultado é que ele ficou bem curtinho. Foi aí que meu cabeleireiro me deu a dica de colocar o mega hair de fita adesiva. Coloquei em agosto e, desde então, minha vida mudou. Eu super me identifiquei de cabelo comprido e esta sou eu, sabem? Juro, pretendo usar por toda a vida rsrs…

Ganhei dinheiro como influenciadora

Estava morrendo de medo de não conseguir ganhar mais dinheiro do que aquilo que eu ganhei no ano passado como influenciadora. Mas eu mergulhei nisso, investi MUITO e coloquei todo o meu foco em fazer a minha carreira como influenciadora dar certo. E bom, foi o ano em que eu mais ganhei com isso. Ainda não dá para viver só disso, mas foi maravilhoso ver como esse resultado todo é fruto da minha dedicação e do meu esforço (ah, e de vocês né, estamos juntos nessa :)). Quero continuar ganhando mais, mas até agora está tudo LINDO!

 

E foi isso, gente! 2018 vai deixar saudade! E para você? Me conta aqui nos comentários!

Um beijo e até o próximo post!