Posts em destaque

Testei: CC Cream – Océane

Olá, pessoal! Assim como acontece na moda, o mundo da maquiagem também vive cheio de tendências, que vão e voltam. Há uns 8 anos, só falava no tal do BB Cream, que oferece uma cobertura bem levinha. Tempos depois, veio o CC Cream, com cobertura média e capacidade de cobrir algumas imperfeições. Eu cheguei até a ter um DD Cream e gostava tanto (era bem rebocão) que usava no lugar da base. Só que o tempo foi passando e eu nunca mais usei esses produtos.

No início do ano, estive na Bijoias e a Océane era uma das marcas expositoras. Ganhei um kit babadeiro com vários produtos, entre eles, o CC Cream. Na hora que vi, me deu uma sensação gostosa de nostalgia. Mas, ao mesmo tempo, pensei: “Ué, mas eu não uso mais produtos assim”. É bem verdade que eu gosto mesmo de produtos que cobrem TUDO, mas resolvi testar para poder contar tudo para vocês! 🙂

Como funciona? 

Na tradução, o CC do CC Cream quer dizer Complete Correction. Ou seja, é um produto que promete corrigir as imperfeições do rosto, como se fosse realmente uma base. Além disso, a marca também conta que ele pode atuar como corretivo e hidratante. Sem falar no fato de vir com protetor solar com FPS 40, um fator alto e maravilhoso para nós, branquinhas!

Com fórmula multifuncional, o produto tem ativos que uniformizam qualquer tom e tipo de pele, minimizam os poros e disfarçam as linhas de expressão. É muita praticidade, não é mesmo?

Minha opinião

Como falei lá no começo do post, eu sou do tipo que “quanto mais cobertura, melhor”. Por isso, tinha certeza de que não ia gostar tanto assim do produto. Que nada, gente! Fui surpreendida logo na primeira aplicação. A fórmula tem coloração branca e dá até um medinho quando a gente aplica, mas em questão de segundos ele se adapta ao tom da minha pele.

A cobertura realmente não é rebocão, mas também não é leve. Fica no médio e deixa um efeito iluminado muito bonito. Não tenho muitos poros e rugas, mas percebi que ele suavizou as linhas finas que tenho abaixo dos olhos. A textura é levemente grossa e por mais que seque rápido, não é matte. Você sempre vai sentir que ela está ali, como se tivesse aplicado um hidratante, sabem? Minha pele é muito seca, então, isso não foi um problema. Mas acredito que pode incomodar para quem tem pele oleosa.

No geral, eu gostei bastante. É o tipo de produto ideal para o dia a dia e até para usar em uma viagem, eliminando a necessidade de levar outros itens na necessárie. No meu caso, não cobriu totalmente as olheiras e é preciso selar com , mas eu gostei do resultado. O preço varia bastante e fica entre R$ 35 e R$ 80. Minha dica é pesquisar onde está mais em conta na hora de comprar o seu, ok?

 

Você já testou o CC Cream da Océane? Conta aqui nos comentários o que achou!

Um beijo e até o próximo post!

Eu li: Um Bestseller Pra Chamar de Meu – Marian Keyes

Olá, pessoal! Já contei em outros posts sobre a minha paixão pelos livros da Marian Keyes. Até hoje, Casório é um dos meus livros favoritos da vida! Estou muito feliz em saber que finalmente terminei de ler todas as obras dela que foram lançadas aqui no Brasil. Isso porque recentemente eu li Um Bestseller Pra Chamar de Meu (o único que faltava na minha lista).

Antes de começar a resenha, é importante destacar que eu demorei MUITO para ler este livro. Ele foi lançado em 2010 e eu comprei na mesma época, mas desde então ele ficou parado na minha estante. O motivo? Bom, ele tem 742 páginas! Sempre imaginava que eu demoraria séculos para terminar de ler e…bom, a história foi bem diferente!

História do livro

Um Bestseller Pra Chamar de Meu acompanha a história de três mulheres diferentes. Gemma é uma organizadora de eventos que se vê diante de uma crise quando seu pai abandona sua mãe. Jojo é uma mulher linda e uma ótima agente literária, mas tem um caso com o chefe, que é casado. Por fim, Lily está colhendo o sucesso de seu primeiro livro, que está fazendo muito sucesso, só que não consegue escrever o segundo e acumula dívidas.

Lily e Gemma eram muito amigas no passado, até Lily roubar o namorado de Gemma e se casar com ele. A vida de Gemma vira tão de cabeça para baixo que ela resolve contar tudo, de um jeito bem divertido, por e-mails para uma amiga que mora longe. Essa amiga envia esses e-mails para Jojo, a agente literária de Lily. Vocês já imaginam o caos em que tudo isso se transforma, né?

Com todo o bom-humor dos livros da Marian Keyes, a obra mostra como encarar a vida diante das dificuldades. Elas sempre vão existir, mas cabe a você olhar as adversidades por outro ângulo ou desistir. Existem momentos engraçados e, para minha surpresa, não tem tanto dramalhão como nos outros títulos dela.

O que eu achei?

Lembram que eu achava que ia demorar para ler as mais de 700 páginas? Quando percebi, já tinha lido mais da metade. Juro, é tão intenso que você nem sente a quantidade de páginas. Na primeira parte, cada protagonista tem cerca de 50 páginas para que a gente possa se afeiçoar. Depois, as histórias se misturam e o livro fica ainda melhor!

Fiquei o tempo todo pensando qual das mulheres era a minha preferida. Achei a Lily muito chata e um pouco paranóica, mas a Gemma é divertidíssima e a Jojo também é engraçada, só que tem o problema do boy lixo ao lado. Amei o dia a dia no escritório da Jojo e na casa da mãe da Gemma. A descrição é tão perfeita que a gente consegue imaginar tudo facilmente!

No geral, eu gostei MUITO do livro. Não é o meu favorito da Marian Keyes, mas é leve, gostoso e prende muito bem! Tenho certeza de que vocês também vão gostar!

 

Alguém aí já leu? O que achou?

Um beijo e até o próximo post!

3 dicas para arrumar a necessaire

Olá, pessoal! Todo mundo sabe que eu amo maquiagem, mas preciso confessar uma coisa: morro de preguiça de arrumar a necessaire na hora de viajar. Deixa eu explicar: tenho muito produto de make aqui em casa e demoro na hora de me maquiar. Aí dá vontade de levar tudo e começa a dúvida. Você é assim também?

De uns tempos para cá, tenho procurado levar o mínimo possível na minha necessaire e percebo que isso me ajudou muito. Tanto que resolvi dividir essas dicas com vocês, bora conferir?

Leve uma necessaire de material maleável

Parece óbvio, mas fuja de modelos muito rígidos. O ideal é que ela seja bem maleável mesmo, quanto mais “molinha”, melhor. Lembre que você vai colocá-la na mala e vai precisar dividir espaço com roupas e outros objetos, então precisa ser uma necessaire prática. Ah, importante que ela proteja bem seus produtos de maquiagem, ok? Viagem e dor de cabeça definitivamente não combinam!

Leve somente o necessário

Acho que essa é a dica mais difícil. Como falei antes, eu sempre tenho vontade de levar muitos produtos. No fim, acaba que eu uso pouca coisa quando estou viajando. Por isso, a dica é pensar no que você REALMENTE precisa usar quando está viajando. Para mim, uma maquiagem bem básica se resume em: corretivo, base, máscara de cílios, blush, iluminador e batom. Coloco apenas esses itens e pronto. Eu prefiro ter espaço na mala para trazer comprinhas rsrs…

Opte por miniaturas

Outra dica bem óbvia, mas que vale sempre lembrar. Existem vários produtos de maquiagem em versão miniatura e são ótimos para levar em viagens. Mesmo menores, eles rendem muito bem e dão conta do recado. O resultado você já sabe: mala mais leve e com mais espaço. Ah, e você não vai ter o problema de não saber o que usar. Bom, né?

E aí, gostou das dicas?

Um beijo e até o próximo post!

As 5 mães mais incríveis do cinema (escolhidas pela minha mãe)

Olá, pessoal! O Dia das Mães está chegando e, neste ano, será comemorado em 12 de maio. Elas merecem, né? Nos amam de um jeito único, fazem tudo por nós e sempre oferecem o colo quando precisamos. Já fiz aqui no blog um Top 5 de filmes para assistir no Dia das Mães, então agora resolvi fazer diferente: convidei minha mãe para participar deste post, escolhendo as mães do cinema que ela mais gosta, bora conferir?

Mulher-Elástica (Os Incríveis)

Minha mãe ficou meio na dúvida de escolher a Mulher-Elástica porque disse que “ela não é de verdade”. Mas a heroína dos filmes Os Incríveis mostra muito bem a realidade das mães atuais, então achamos justo colocar. Helena é do tipo que se desdobra para cuidar do marido, dos três filhos e ainda arrasa no trabalho. Tudo bem que o fato de ter o poder de se esticar elasticamente ajuda muito, mas isso é um mero detalhe né rs… Quem aí gostaria de ter esse superpoder também?

Val (Que Horas Ela Volta?)

Estava pesquisando algumas mães do cinema com a minha mamis e logo falei: “E a Regina Casé no filme Que Horas Ela Volta?”. Minha mãe respondeu “SIIIIIM” na mesma hora. No longa, Regine vive Val, uma mulher que trabalha como empregada doméstica de uma família de classe alta e é praticamente a mãe de Fabinho, que não recebe a mesma atenção dos pais. O problema é quando ela precisa confrontar a própria filha biológica, que foi deixada por ela no Nordeste e agora vem para São Paulo para prestar o vestibular. Também é uma realidade muitas mães brasileiras.

Donna (Mamma Mia)

Quando falei da Donna para a minha mãe, ela disse: “Nossa, TOTAL”. Baseado nas músicas do grupo ABBA, Mamma Mia conta a história de uma mulher que mora em uma ilha na Grécia e está se preparando para o casamento da filha, Sophie. Tudo bem vai, até que a garota resolve convidar seus três possíveis pais. Já na sequência do filme, lançada no ano passado, conhecemos Donna em sua juventude e seus relacionamentos com esses homens. Lembro que assisti ao segundo filme com a mamis no cinema e a gente se divertiu muito!

Philomena

Com certeza, a mãe mais fofinha desta lista. Minha mãe assistiu primeiro a esse filme, gostou tanto que falava o tempo todo que eu precisava ver também. Assisti um tempinho depois, junto com ela, e realmente achei uma graça. Baseado em uma história real, Philomena é uma senhora que foi enviada para um convento quando engravidou e acabou tendo seu filho enviado para adoção. Agora, quando o menino está prestes a completar 50 anos, ela decide encontrá-lo com a ajuda de um jornalista. Não vou contar aqui o que acontece, mas vale muito a pena ver. Ela também é como muitas mães que estão por aí.

Maria (O Impossível)

Maria estava curtindo uma viagem de férias na Tailândia com o marido e os três filhos, quando foi surpreendida por um dos piores tsunamis da história. O grupo acabou se dividindo em dois e ela ficou com o filho mais velho. Mesmo machucada e enfrentando diversos obstáculos, ela não desistiu e lutou incansavelmente para encontrar sua família. Naomi Watts, que interpreta a protagonista, foi indicada ao Oscar pelo papel. Quando lembrou do filme, minha mamis falou: “Ela não desiste por nada!”. E alguém aí já viu uma mãe desistir de seus filhos?

 

E aí, quais mães você escolheria para entrar nesta lista?

Um beijo e até o próximo post!

Testei: Paleta de Sombras Born to Run – Urban Decay

Olá, pessoal! Preciso confessar uma coisa: eu AMO dar dicas de produtos baratinhos. Mas, de vez em quando, gosto de falar sobre alguns mais caros. Eu sempre digo para vocês que maquiagem boa não precisa ser cara. Só que algumas marcas gringas (que lá fora são baratas) chegam aqui com os valores lá em cima e aí o bolso pesa, não tem jeito.

Uma dessas marcas é a Urban Decay. Aqui no Brasil, ela ficou muito conhecida por produzir as paletas de sombra Naked, que foram uma FEBRE. Digo por experiência própria: eu tenho a Naked 1, Naked 2, Naked 3 e Naked Smoky. Amo todas, então, claro que eu pirei quando vi que a marca tinha lançado uma paleta nova, a Born to Run!

Ela chegou em solo brasileiro no finzinho do ano passado. Quando vi o preço, caí pra trás (vou falar disso depois). A Born to Run estava na minha wishlist há tempos, até que eu ganhei um voucher da Sephora. Estava em dúvida entra e uma outra paleta, mas acabou que essa outra estava em falta e eu acabei levando a da Urban Decay mesmo. Bora saber tudo sobre ela?

Como funciona?

Em inglês, Born to Run significa “Nascida para correr”. A paleta leva isso a sério e traz na capa da embalagem várias fotos de pontos turísticos ao redor do mundo. A proposta é de oferecer infinitas fugas dentro de um pacote de viagens. Ao todo, são 21 tons que variam entre básicos e neutros, cintilantes e opacos. Resumindo: a ideia é levá-la para todos os lugares, já que é possível criar os mais variados estilos de make com ela.

O diferencial fica por conta do Pigment Infusion System™Esse sistema mistura ingredientes e confere uma textura aveludada, muita pigmentação e fixação por muito mais tempo. Os tons da paleta são:

  • Breakaway (marfim quente)
  • Stranded (rosa pálido que puxa para o ouro)
  • Blaze (pêssego metálico)
  • Weekender (bege matte)
  • Still Shot (Pêssego brilhante)
  • Riff (marrom fosco)
  • Good as Gone (marrom profundo)
  • Hell Ride (fúcsia fosco)
  • Baja (laranja queimado matte)
  • Accelerate (cobre avermelhado metálico)
  • Guilt Trip (roxo esfumaçado)
  • Ignite (rosa ouro metálico)
  • Smog (acobreado profundo)
  • Wanderlust (verde e dourado)
  • Wildheart (fúcsia brilhante) – MINHA FAVORITA!
  • Punk (avermelhado fosco)
  • Double Life (ferrugem)
  • Jet (preto com roxo cintilante profundo)
  • Drift (cetim de carvão)
  • Radio (cetim esmeralda profundo) – OUTRA FAVORITA!
  • Big Sky (verde fosco)

Minha opinião

Bom, as paletas da Urban Decay são um luxo só, né? Eu realmente AMEI as cores da Born to Run e acho que dá, sim, para fazer várias combinações. Toda vez que uso e posto no stories lá no Instagram chove elogio (sério!). Elas são fáceis de aplicar e esfumam muito bem, criando um efeito muito lindo e sofisticado.

Meu único ponto negativo é que as sombras acabam esfarelando na hora da aplicação e podem manchar a área abaixo dos olhos. Por isso, o ideal é começar a maquiagem pelos olhos para não ter que refazer a pele, ok? Quanto à pigmentação, acho que podia ser um pouquinho mais forte, mas nada muito preocupante.

O que assusta mesmo é o preço. Aqui, ela custa R$ 349. Sim, é MUITO caro e eu só consegui comprar porque tinha um voucher (mesmo assim, paguei a diferença chorando por dentro). Lá fora, ela é vendida por U$ 49 (cerca de R$ 200). Vale a pena se você REALMENTE vai usar e se puder comprar em uma viagem – ou encomendar para alguém que vai para fora. Apesar disso, eu AMEI e quero fazer várias combinações!

 

E você, já usou a Born to Run?

Um beijo e até o próximo post!