Posts em destaque

Diário de Viagem: Disneyland Califórnia e Las Vegas – Dia 3

Olá, pessoal! Se você chegou neste post por acaso, convido a conferir aqui os outros posts em que eu conto mais sobre a minha viagem para a Disneyland da Califórnia e para Las Vegas. Para quem está acompanhando todos os posts, chegou a hora de falar sobre o dia 3, em que nós finalmente fomos para a Disneyland de fato. Gosto sempre de lembrar que a Disneyland da Califórnia é a primeira Disney de todas e foi construída e inaugurada quando Walt Disney ainda era vivo. Por isso, eu acho que o parque carrega muita magia.

Fomos em julho (época de férias no mundo inteiro e muito calor), então nos organizamos para chegar antes do parque abrir. Durante a semana, os parques do complexo Disneyland da Califórnia abrem às 8h e nós chegamos uns 15 minutos antes disso. Ficamos um tempinho na fila e logo depois entramos. Corri para comprar o MaxPass (lembram que eu falei que tem que comprar todo dia, né?) e já reservar uma atração. Se não me engano, a primeira que eu peguei nesse dia foi a Space Mountain.

Eu já tinha ido antes para a Disneyland e queria MUITO ter ido no Matterhorn Bobsleds, uma montanha-russa que simula uma descida de bobsled (aquele carrinho que desce em uma espécie de escorregador de gelo). Na época, a atração estava em reforma e eu quase chorei para abrirem para mim. Mas não, ela voltou a funcionar no dia seguinte, quando eu já estava em outra cidade. Então, claro que o primeiro brinquedo que a gente foi desta vez foi esse. Teve um pequeno momento de nervoso, em que a atração ficou parada, mas logo fomos e eu achei uma delícia, apesar dos trancos.

Na Disneyland, o castelo é da Aurora (Bela Adormecida) e não da Cinderela

Disneyland da Califórnia conta com as seguintes lands (áreas temáticas):

  • Main Street: rua principal do parque, com algumas lojinhas e onde também acontece o show noturno Together Forever;
  • Adventureland: mesmo esquema de Orlando, uma área mais ligada à selva, que abriga atrações como Jungle Cruise Indiana Jones Adventure (a melhor do parque, na minha opinião);
  • New Orleans Square: é como se fosse a Liberty Square do parque de Orlando, mas inspirada na arquitetura de New Orleans. É lá que ficam as atrações Haunted Mansion e Piratas do Caribe;
  • Frontierland: uma land com uma pegada mais country, que também tem em Orlando. Aqui, fica a montanha-russa Big Thunder Mountain (estava em reforma quando fomos);
  • Critter Country: área originalmente inspirada em uma vila indígena que passou a abrigar a atração Splash Mountain (AMO, apesar de ter saído ensopada desta última vez);
  • Fantasyland: área dos pequenos, com muitos brinquedos que contam a história dos desenhos mais famosos, como Alice in Wonderland Peter Pan’s Flight;
  • Tomorrowland: a área do futuro é praticamente idêntica à de Orlando, com exceção para a atração de Procurando Nemo, que acontece dentro de um submarino;
  • Mickey’s Toon Town: uma área bem infantil, com as casas do Mickey e da Minnie, o barco do Pato Donald, uma montanha-russa do Pateta e uns brinquedões do Tico e Teco (existia antigamente em Orlando).

Como vocês podem ver, são mais lands do que o Magic Kingdom de Orlando, por isso, minha dica é sempre dividir o parque em áreas para aproveitar o máximo possível.

Como dividimos nosso dia?

Depois de irmos no Matterhorn Bobsleds, seguimos para a Tomorrowland e lá fizemos Space Mountain (muuuuito melhor que a de Orlando), a atração do Buzz Lightyear e o simulador de Star Wars. De lá, fomos para a Adventureland e fizemos tudo na sequência: Indiana Jones Adventure (com MaxPass), Haunted MansionPiratas do Caribe (com MaxPass) e Splash Mountain. Não sei bem o que aconteceu, mas nessa manhã o parque estava muito vazio e nós pegamos filas de 5 ou 10 minutos. Juro!

Eu reservei aqui do Brasil mesmo um almoço nesse dia no Café Orleans. Como o próprio nome diz, as comidas são típicas de New Orleans e pode não agradar todo mundo, mas eu dei uma olhada antes no cardápio e já sabia que eu ia pedir o sanduíche de queijos estilo Monte Cristo, que vem em um pão que lembra um beignet, um doce bem típico da cidade (e maravilhoso, por sinal).

Outra grande vantagem de comprar o MaxPass é poder ter as fotos tiradas pelos fotógrafos oficiais da Disney. Nessa aqui, tentamos (sem sorte) tirar a famosa espada do Rei Arthur

Depois do almoço, fizemos o brinquedo do Ursinho Pooh, voltamos para o Indiana Jones (mais uma vez, com MaxPass) e estávamos dando um tempo em frente ao castelo quando começou a parada Pixar Play. Assistimos, é claro, e amamos porque é só com os personagens da Pixar. Tem até a Ross de Monstros S.A. e todos os personagens de Up, Altas Aventuras.

Quando a parada acabou, fomos para o It’s a Small World. Preciso fazer um parênteses aqui porque não tem nem comparação desse brinquedo com o de Orlando. Sério, a atração na Disneyland ocupa um espaço enorme e tem uma construção linda de verdade (em Orlando é praticamente uma portinha. Fora que lá na Califórnia eles colocam bonequinhos dos personagens de acordo com o país, é muito lindo (não me lembro de ter isso em Orlando, pelo menos não tinha na última vez em que fui para lá).

Depois disso, seguimos para Mickey’s Toon Town e demos uma voltinha, mas encontramos um lugar estratégico para sentar, tirar o tênis e fazer uma massagem nos pés (eles sofrem, né). Estava quente, o parque tinha lotado de repente e nós resolvemos pegar o trem estilo Maria Fumaça que dá volta no parque. Era puramente para descansar, então, demos uma volta completa e mais meia volta para descermos perto de onde jantaríamos.

Eu também fiz uma reserva para o jantar desse dia, daqui do Brasil. Escolhi o combo mais barato que dava direito a um lugar separado do show Fantasmic. Fomos em um restaurante chamado Hungry Bear, que fica ao lado do Splash Mountain, e tinham algumas opções próprias para esse combo, mas podíamos escolher outra coisa do cardápio normal, então pegamos um cheeseburger mesmo, com batata e um refri bem gostosinho de uma marca chamada Blue Sky (pedi o cream soda e amei, parecia um sorvete de creme geladinho, uma delícia mesmo). Terminamos, seguimos para a área reservada e tivemos uma visão bem legal do show, que é um pouco mais sombrio do que o de Orlando.

Dicas sobre os shows Fantasmic e Together Forever 

Como falei antes, nós pegamos um combo para jantar e poder ver o show Fantasmic em um lugar reservado. Se você gosta desse tipo de show e pretende assistir, eu acho fundamental fazer essa opção de jantar combinado. No site da Disneyland, você encontra todas as opções disponíveis. Eu peguei a mais barata, que dá direito a uma refeição para viagem e um tíquete para ficar nessa área bem na frente. Sei que existem também algumas mais refinadas, em que você assiste sentadinho em uma mesa, mas o valor é bem mais caro.

Não tenho maturidade quando vejo um personagem da Disney e corro mesmo pra tirar foto

Ao contrário do que acontece em Orlando, o Fantasmic é apresentado no meio do parque, em uma área chamada Rivers of America. Como não é uma arena ou algo semelhante, a galera assiste sentada no chão mesmo e quem fica lá para atrás pode não ter uma visão muito boa, por isso eu super recomendo essa opção do jantar combinado. Ah, dica importante: no dia em que nós fomos, tiveram duas apresentações do show. Eu optei pela segunda apresentação do dia, mas no tíquete que me entregaram estava marcado que seria para a primeira apresentação, então, fique de olho nisso, ok?

Além do Fantasmic, a Disneyland também apresenta o show Together Forever, com projeção dos personagens dos filmes da Pixar e fogos. Essa projeção acontece em vários lugares, inclusive no castelo da Aurora. Acompanho muito o blog Disneyland Daily e lá falava que era impossível sair do Fantasmic e assistir ao Together Forever na sequência. Como eu já sabia disso, falei para a Tâni para ficarmos por ali mesmo e a própria equipe do parque avisa para ninguém sair do lugar (para evitar tumulto mesmo).

Eu achava que a gente apenas veria os fogos do castelo de longe, mas eles projetam as mesmas imagens do castelo no Rivers of America, então acabou que foi ótimo ver a projeção de perto, sem praticamente ninguém na frente (mais uma vantagem do jantar combinado). Vou falar mais sobre o Together Forever no post do dia 5, mas realmente foi uma grande surpresa e ajudou muito poder ver tudo nesse local do parque.

 

Depois disso, ainda tentamos comer uma porção de beignet, mas realmente fica uma confusão de gente indo e vindo e já estava tarde, então chamamos um Uber e voltamos para o hotel (pagávamos cerca de 5 dólares pelo trajeto entre o parque e o hotel e vice-versa, valeu muito a pena).

No próximo post, conto o que acontece quando dá pau no aplicativo da Disneyland.

Um beijo e até lá! 

Testei: Linha de cronograma capilar #ficaadica – Amend

Olá, pessoal! Vocês já sabem o que é o cronograma capilar, né? Esse tratamento, que virou febre nos últimos anos, nada mais é do que uma rotina intensiva de cuidados com os fios, em que a cada lavagem você usa uma máscara diferente, voltada para hidratação, reconstrução e nutrição. O objetivo é fazer um tratamento completo nos cabelos.

Eu sempre achei essa ideia do cronograma capilar muito legal, mas confesso que eu morria de preguiça e achava que era difícil se organizar para seguir todas as etapas e não se perder no meio do caminho. Como eu pinto meu cabelo há muitos anos, acostumei a usar máscaras de reconstrução e de hidratação a cada quinze dias.

Acontece que meu cabelo está passando por uma fase complicada. Eu ando muito estressada e tenho sentido que isso está se refletindo nos meus fios. Sempre tive pouco cabelo, mas nunca tinha passado por problemas de queda e agora ele está mais fraquinho e quebradiço. Resolvi que era hora de deixar a preguiça de lado e fazer um cronograma capilar em casa mesmo. Mal não poderia fazer né?

Comecei a pesquisar algumas opções, mas tinha a questão do preço. Não podia gastar muito, mas queria uma linha de uma marca conhecida e que tivesse boas resenhas. Gostei de cara da linha #ficaadica porque a Amend é uma marca que meu cabelo adora e o preço estava super em conta. Ah, nem preciso dizer que eu também amei o nome da linha, né? Por que será rsrs..

Como funciona?

Como toda boa linha de cronograma capilar, a #ficaadica é composta por três máscaras: uma de hidratação, outra de reconstrução e mais uma de nutrição. O kit vem com essas três máscaras em uma latinha muito fofa e um folheto com sugestões de uso de acordo com o grau de dano do seu cabelo (eu fui no mais prejudicado porque meus fios realmente estavam com uma aparência péssima).

A máscara de hidratação é um pouquinho maior e vem com 120g, com formulação composta por manteiga de coco, bio-silicio, pantenol e ativo protetor de atrito. Como o próprio nome indica, o objetivo é repor os elementos vitais dos cabelos, oferecendo maciez, maleabilidade e brilho. Senti os efeitos na hora e o cheiro é maravilhoso, até porque eu AMO coco, então sou bem suspeita rs…

Já a máscara de nutrição é supercompleta, afinal, a proposta é devolver todas substâncias perdidas em processos químicos ou danos como poluição, sol, secadores e chapinhas. Ao todo, são 12 óleos essenciais, como argan, oliva, macadâmia, noz de karité, semente de algodão, aloe vera, canela e ativo protetor de atrito. Confesso que eu nunca dei muita bola para essa etapa de nutrição, mas foi só passar que eu senti meus fios mais macios, saudáveis e brilhantes.

Por fim, a máscara de reconstrução foi feita para quem precisa recuperar a massa capilar e reparar fios danificados, não à toa é a etapa mais importante para o meu tipo de cabelo. Conta com mix de aminoácidos e ativo protetor de atrito para fortalecer a estrutura interna, proteger a cor e aumentar a resistência dos fios.

Como vocês podem perceber, a linha de cronograma capilar #ficaadica é um tratamento completo e indicado para todos os tipos de fios. Dependendo do grau de danos do seu cabelo, você monta o seu calendário priorizando uma ou outra etapa, ok?

Minha opinião

Falei lá no começo do post que eu morria de preguiça de fazer cronograma capilar, mas a gente se empolga quando sente o resultado logo de cara, né? Meus fios realmente estavam pedindo socorro, então eu apliquei a primeira máscara logo que a linha chegou em casa e segui a recomendação do folheto, na seguinte ordem: hidratação, nutrição e reconstrução.

Usei a linha durante um mês e foi incrível como eu sentia os efeitos no mesmo instante, quando ainda estava aplicando os produtos nos fios. Até mesmo a etapa de nutrição foi uma surpresa, nunca imaginei que ela faria tanta diferença, mas foi fundamental para deixar meus fios mais brilhantes e saudáveis.

Sem dúvida, o que mais gostei foi que cada máscara precisa de apenas três minutos para agir. Um dos motivos que sempre me deixou com preguiça de fazer cronograma capilar em casa é que eu nunca tenho muito tempo sobrando, então achei muito prático. Sem falar no cheiro, todas as máscaras são muuuito cheirosas, amei demais!

Adorei também o folheto explicativo, que ajuda a dar um norte para quem não faz ideia de qual ordem de cuidados seguir, e o preço é mais um atrativo que ganhou meu coração. Paguei R$ 44,99 no site da própria Amend e chegou em casa em apenas três dias. Considerando que são três produtos, achei o valor super em conta, concordam?

A linha de cronograma capilar #ficaadica da Amend está mais do que aprovada e eu já sei que vou montar um estoque aqui em casa porque virou vício total. Não sei mais viver sem de tanto amor que foi. Salvou e muito meus fios!

 

E vocês, já conheciam essa linha? Me contem nos comentários!

Um beijo e até o próximo post! 

Eu li: Se Nada Der Certo Até os 30, Você Se Casa Comigo? – Karina Halle

Olá, pessoal! É só comigo ou vocês também compram alguns livros porque gostam do título? Foi exatamente o que aconteceu quando eu vi pela primeira vez o livro Se Nada Der Certo Até os 30, Você Se Casa Comigo?, da escritora Karina Halle. Vejam bem, isso rolou no ano passado, quando eu estava com 29 anos e não sabia muito bem o que esperar dali uns meses, quando eu completaria 30 anos.

Comprei o livro meses depois, durante uma promoção de uma livraria, e resolvi que só leria quando estivesse bem perto do meu aniversário de 30 anos. E foi o que eu fiz: comecei a ler no finzinho de abril e terminei no dia 19 de maio, 12 dias antes do meu aniversário. Não sei muito bem porque fiz esse ritual (foi frescurinha mesmo), mas me ajudou a entender que a vida só está começando aos 30.

O livro

A história fala sobre Stephanie e Linden, dois melhores amigos que se conhecem aos 21 anos e se tornam inseparáveis. Começamos a saber sobre eles quando eles estão com quase 25 anos e fazem o pacto do título do livro. Isso mesmo, eles prometem que se estiverem solteiros aos 30 anos, se casarão. Acontece que nem mesmo eles botam muita fé, mas fica sempre aquela pulguinha atrás da orelha né?

Confira uma lista de livros fofinhos que fazem bem ao coração!

Então, nos primeiros capítulos do livro, a gente acompanha um pouco da vida deles conforme os anos se passam. Chegam os 26, 27, 28, 29 e a história começa mesmo no aniversário de 30 anos do Linden, que é alguns meses mais velho do que a Stephanie. Importante dizer que cada capítulo é narrado por um deles e eu AMO livros assim porque faz com que a gente veja os dois lados da história e conheça bem os dois personagens.

Quando chega o aniversário de 30 anos da Stephanie, ela e Linden estão namorando outras pessoas. O problema é que é justamente aí que eles não conseguem mais esconder o que sentem um pelo outro. Bom, não vou contar exatamente como acontece, mas é meio óbvio né? A Karina Halle não fez a gente ficar com a expectativa lá em cima para não acontecer nada, não é mesmo?

Daí vira outra coisa

Pois é, gente, eu esperei páginas e páginas para finalmente ver o romance da Stephanie e do Linden. Só que aí, quando finalmente aconteceu, foi para uma linha meio Cinquenta Tons de Cinza. Foi só dar certo que eles não faziam outra coisa a não ser…sim, isso mesmo que vocês estão imaginando. São vários capítulos em que nada acontece, só a narração deles se pegando de todos os jeitos que vocês podem pensar.

Eu detesto Cinquenta Tons de Cinza mais pela história mesmo, acho que algumas coisas ali são surreais e não condizem com a realidade. No caso da Stephanie e do Linden, são coisas “normais”, mas me senti um pouco desconfortável de ler tanta pegação em sequência, sabem? Eu queria saber como seria, mas não curti muito esse lado que o livro tomou. Mas, se você gosta desse tipo de leitura, vai AMAR essa história.

De modo geral, eu gostei bastante de Se Nada Der Certo Até os 30, Você Se Casa Comigo? e achei bem real, apesar da pegação frequente (quem nunca sentiu vontade de se declarar para um amigo e teve medo de ferrar com tudo?). Gostei muito da forma como a Karina Halle descreveu cada personagem e conseguiu construir duas personalidades muito diferentes. O mais legal de tudo é que a leitura flui e você acaba se envolvendo rapidinho com a história.

 

E você, já leu esse livro? O que achou?

Um beijo e até o próximo post!

Diário de Viagem: Disneyland Califórnia e Las Vegas – Dia 2

Olá, pessoal! Quem me acompanha aqui no blog já sabe que eu decidi fazer um diário contando como foi a minha viagem para a Disneyland da Califórnia e Las Vegas. Se você chegou aqui direto por este post, clica aqui para conferir os outros posts. Bom, como nós chegamos na Califórnia em uma segunda-feira à tarde, deixamos para ir no parque na terça-feira, assim poderíamos aproveitar melhor.

Caso você não saiba, a Califórnia tem dois parques da Disney: a Disneyland, o primeiro parque da Disney (sim, aquele original que foi idealizado pelo Walt Disney quando ele ainda era vivo) e o Disney California Adventure, conhecido por ter a roda-gigante do Mickey. Os dois parques ficam em Anaheim (a cerca de 40 minutos de carro de Los Angeles) e estão frente a frente, no mesmo espaço. Ou seja, você não precisa pegar carro ou ônibus, como acontece em Orlando.

Olha a coincidência: estávamos na Disney no dia do aniversário de 63 anos da inauguração do parque

Nós fomos em julho, então, já sabíamos que enfrentaríamos dois grandes obstáculos: calor e filas gigantes. Em relação ao calor, não tinha muito o que fazer. Mas, para driblar as filas gigantes, eu entrei no site da Disneyland e olhei quando tem Magic Hour em cada parque. O que é isso, Camilla? Magic Hour é um benefício exclusivo para hóspedes dos hotéis da Disney, que podem entrar no parque uma hora mais cedo. Nesses dias, os parques costumam ficar ainda mais cheios.

No nosso primeiro dia de parque, a Disneyland teria Magic Hour, por isso, optamos por começar de fato a nossa viagem no Disney California Adventure.

Antes de continuar, aproveita e vem conferir aqui todos os vlogs da viagem que estão rolando lá no canal! 

Como é o Disney California Adventure?

O parque Disney California Adventure foi inaugurado em fevereiro de 2001 e, no início, não foi bem aceito por não ter tantos brinquedos para crianças. Aos poucos, foi mudando, mas ainda assim eu acho que é um parque bem diferentão da Disney e mais indicado para adolescentes e adultos. A área infantil, inspirada no filme Vida de Inseto, vai deixar de existir para dar lugar a um espaço temático da Marvel, então, acho mesmo que as crianças podem torcer a cara para este parque. Mas eu AMO e é o meu parque favorito de todos! 🙂

A Disneyland da Califórnia conta com um recurso muito legal que se chama MaxPass. Trata-se de um sistema dentro do aplicativo da Disneyland que permite agendar FastPass para os brinquedos. Ou seja, você pode pegar um “passe” para entrar nas atrações mais concorridas sem fila, em um determinado horário. Você pode fazer isso indo diretamente em cada atração, mas a vantagem do MaxPass é fazer no próprio aplicativo, sem perder tempo. Tem um custo de 10 dólares por pessoa e por dia, mas dá direito a TODAS as fotos feitas por fotógrafos oficiais da Disney e eu juro que VALE CADA CENTAVO, especialmente para quem vai em alta temporada.

A primeira coisa que eu fiz foi comprar o MaxPass e de cara peguei um FastPass para o Soarin’, uma atração que simula um voo de asa delta que também tem em Orlando. Fomos no brinquedo do Monstros S.A. (bobinho, mas bonitinho), seguimos para o Guardiões da Galáxia, que ocupa o prédio que antes era a Torre do Terror e eu achei que ficou BEM MELHOR. Ainda é o lance do elevador que despenca, mas eu AMEI!

Que Castelo da Cinderela, que nada! Minha vista favorita da Disney é esta aqui!

Recentemente, o Disney California Adventure reformou a área em que fica a roda-gigante do Mickey, que antigamente se chamava Paradise Pier e que agora recebeu o nome de Pixar Pier. O espaço agora é totalmente dedicado aos filmes da Pixar e eu achei que ficou tudo muito fofo, com direito a barraquinhas de comidas temáticas de acordo com os personagens, como as bebidas geladas do Homem das Neves e os churros do Buzz Lightyear.

A clássica montanha-russa de looping agora virou a Incredicoaster, inspirada em Os Incríveis e eu gostei muito. Ainda estão em construção o carrossel da Jessie de Toy Story e uma atração de Divertida Mente, mas lá também fica o Toy Story Mania, que é bem parecido com o que também tem em Orlando.

Ah, importante destacar que o Disneyland California Adventure tem uma área inspirada no filme Carros e uma atração chamada Radiator Springs Racers, que simula uma corrida de carros e é simplesmente IMPERDÍVEL!

Novidades para mim

Eu já tinha ido antes para a Disneyland da Califórnia, mas da outra vez estava frio e chovendo, então, não consegui ir em um brinquedo de água chamado Grizzly River Run. Óbvio que eu fui desta vez (calor de mais de 30 graus, né mores) e eu simplesmente AMEI. Demos risada porque ele tem uma mega descida em que o bote gira (e eu tomei um susto porque não sabia), mas é muito refrescante no verão. Vai por mim, é tão quente que você seca em cinco minutos.

À noite, o parque recebe uma parada noturna chamada Paint the Night. Fizemos um combo em que você almoça no restaurante Wine Country Trattoria e recebe um voucher que dá direito a assistir à parada em um lugar reservado. Como nós pegamos o combo mais barato de todos, sentamos no chão mesmo, mas existem alguns combos bem vip mesmo, só que é muito mais caro. O bom é que nós comemos muito bem e não tínhamos ninguém na nossa frente.

O brinquedo do Carros só tem na Disney da Califórnia e é um dos melhores de todos

Eu AMEI AMEI AMEI essa parada, primeiro porque a música que toca é uma versão diferente da música do filme Detona Ralph, do Owl City, que eu amo. É muito legal porque ela é toda com luzes, então as crianças piram e quem tem coração mole, como eu, se emociona (sério, chorei muito rsrs).

Lado ruim: quando a parada acaba, o parque meio que fecha também. Rodamos para procurar um lugar para jantar, mas já estava tudo fechado e nós acabamos a noite com um pacote de mini hot dogs. Voltamos a pé para o hotel, mas estávamos tão cansadas que decidimos ir e voltar de Uber nos dias seguintes.

 

E foi isso. No próximo post, conto como foi nosso primeiro dia na Disneyland.

Um beijo e até lá!

Testei: Base Ultracobertura – Dailus

Olá, pessoal! Quem acompanha as novidades de beleza e de maquiagem já deve ter percebido que a tendência é deixar sempre um visual natural. Quando o assunto é base, no entanto, o movimento é inverso, ou seja, as marcas estão investindo cada vez mais em bases com alta cobertura e efeito sequinho tipo matte.

Já contei aqui sobre os benefícios dessas bases e sou bem suspeita porque amo alta cobertura, então estou bem feliz com essa tendência. Sabe quem também apostou nessa onda? A Dailus. A marca lançou recentemente a Base Ultracobertura e eu recebi um kit bem lindo para poder testar e contar tudinho para vocês.

Como funciona?

Como o próprio nome diz, a nova base da Dailus tem altíssima cobertura e se destaca por ter fórmula concentrada com ácido hialurônico, garantindo até oito horas de hidratação (bom demais, né?). Tem mais: a composição é oil free (livre de óleo), então, quem tem pele oleosa também pode usar.

Por ter essa alta cobertura, a base fica com textura matte e efeito porcelana. Além disso, deixa os poros invisíveis e é à prova d’água. O produto foi dermatologicamente testado, então, a gente sabe que todos esses efeitos foram comprovados.

Confira aqui como usar os corretivos coloridos e deixar sua maquiagem mais bonita!

Ao todo, são sete cores de base:

  • 02 – Nude
  • 04 – Bege Claro
  • 06 – Bege Médio
  • 08 – Bege Escuro
  • 10 – Marrom Claro
  • 12 – Marrom Médio
  • 14 – Marrom Escuro

Gostei muito da variedade de cores da base e acho que dá para se adaptar bem em praticamente todos os tons de pele das mulheres brasileiras.

Minha opinião

Como falei lá no começo do post, eu AMO bases com alta cobertura, então testei a Base Ultracobertura da Dailus no mesmo dia que chegou aqui em casa. Eu tenho a pele bem clarinha, então escolhi os dois tons mais claros (Nude e Bege Claro). No início, achei que o Nude ficou melhor, mas esperei algumas horas e percebi que o Bege Claro deu um efeito mais natural.

Conheça os principais erros de maquiagem que você precisa abandonar agora mesmo!

De cara, notei que o produto rende MUITO. Coloquei um pouquinho (pouquinho mesmo) no rosto para ver melhor o tom e acabou que cobriu praticamente toda a área da bochecha. A embalagem vem com 30g, então deu para perceber que é uma base que dura bastante.

Achei bem fácil de aplicar, até mesmo para quem gosta de usar os dedos. A secagem é bem rápida, em questão de segundos, e o resultado ficou bem uniforme. Realmente achei que cobriu muito bem minhas olheiras, pintas e algumas manchinhas em apenas uma aplicação, mas também dá para ir construindo camadas, caso você goste desse efeito.

Minha pele ficou bem sequinha e com uma textura leve, às vezes eu até me esquecia de que estava com uma base de alta cobertura. Não tenho poros abertos, mas gostei bastante do resultado e ela realmente durou por muitas horas. Passei de manhã e à noite ainda estava com produto no rosto. Tudo de bom, né?

Como falei antes, eu recebi um kit da Dailus com esse lançamento, mas pesquisei em alguns sites e vi que o valor da base fica em torno de R$ 26. Achei o valor ótimo para um produto que pode ser usado para qualquer ocasião. Estou viciada de verdade nessa maravilha!

 

E vocês, já testaram?

Um beijo e até o próximo post!