Search Results for: diário de viagem

Diário de viagem: Disneyland Califórnia e Las Vegas – dia 1

Olá, pessoal! Quem me acompanha no Instagram e no canal já sabe que recentemente eu fiz uma viagem muito legal para a Disney da Califórnia e também para Las Vegas. Muita gente sempre me pede para compartilhar os roteiros que eu faço quando viajo. No ano passado, fui para a África do Sul e fiz um post com o roteiro completo (clique aqui para conferir). Pensei em fazer o mesmo desta vez, mas andei lendo muitos blogs de viagem antes de embarcar e achei mais legal fazer um diário mesmo, contando todos os detalhes de cada dia da viagem. O que acham?

Bom, neste primeiro post, preciso contar os motivos que fizeram a gente escolher esses destinos. Normalmente eu viajo com a minha mãe, mas ela não ia poder tirar férias neste ano e eu já sabia que teria que viajar sem ela. Tenho uma meta pessoal de conhecer todos os estados dos Estados Unidos e eu queria ir para lá. Nunca tinha ido para Las Vegas e aí comentei com uma amiga, assim como quem não quer nada, que eu gostaria de conhecer Las Vegas. Ela disse que também queria. Era um dia normal, mas a ideia vingou e eu achei o máximo poder viajar sozinha (sem um familiar) pela primeira vez em 30 anos de vida. Estava na hora, né gente?

Essa é a Tânia, minha amiga da faculdade, que embarcou nessa aventura comigo

Eu sou completamente apaixonada pela Disney e realmente gosto mais da Disney da Califórnia do que da de Orlando (mais pra frente explico os motivos). Como a gente não ficaria muito tempo em Las Vegas, pensei de juntarmos com a Disney também que é pertinho, assim minha amiga conheceria a Disney pela primeira vez na vida dela. Ela topou e lá fomos nós!

Confira neste post algumas vantagens da Disney da Califórnia!

Quando a gente foi?

Cresci ouvindo que jamais deveria ir à Disney em julho porque é verão nos Estados Unidos, muito calor e férias no mundo tudo. Resultado: parques lotados. Tem mais: Las Vegas foi construída no deserto e as temperaturas são altíssimas em julho. Acontece que a Tânia, minha amiga, só pode tirar férias em janeiro e julho e eu não podia tirar em janeiro, ou seja, só sobrou julho mesmo. Nós duas não curtimos muito calor em excesso e até pesquisamos outros destinos, mas a gente queria conhecer Las Vegas, então resolvemos encarar. E olha, não foi tão ruim assim, mas conto mais pra frente.

Julho é alta temporada e os preços são mais altos, mas a gente contou com a ajuda da Bruna, da Viagens Abreu, que já tinha feito uma viagem com a Tani antes. E aí entra a velha história de expectativa x realidade. Eu queria um voo direto de São Paulo para Los Angeles (detesto voo com conexão porque morro de medo de perderem minha mala), queria um hotel bem próximo dos parques da Disney e queria um hotel na Strip, a rua mais famosa de Las Vegas. Não deu né, o primeiro orçamento nessas condições era surreal de caro.

Na Disneyland da Califórnia, o castelo é da Aurora (Bela Adormecida) e não da Cinderela

Bom, o que conseguimos pagar foi um voo da Copa Airlines para Los Angeles com escala no Panamá, um hotel localizado a uns 20 minutos da Disney e outro hotel atrás da Strip em Las Vegas. Nos próximos posts, vou contar mais sobre cada hotel, mas acabou que nós pagamos metade do valor do primeiro orçamento e valeu muito a pena.

Ah, detalhe importante: começamos pela Disney pelo simples fato de que chegamos durante a semana e imaginamos que os parques estariam mais cheios no fim de semana. Foi uma decisão acertada porque em Las Vegas a gente anda MUITO e eu nem imagino como seria fazer os parques cansada do jeito que estávamos.

E, afinal, como foi nosso primeiro dia?

Saímos daqui de São Paulo em voo que saiu à 1:22 da manhã com destino à Cidade do Panamá. O voo durou seis horas e meia e eu assisti ao filme Com Amor, Simon (muito fofo, por sinal). Descemos do avião e logo descobrimos que viajaríamos para Los Angeles no mesmo avião (sem risco de perderem as malas, ufa!). O voo seguinte saiu uma hora depois, durou mais seis horas e chegamos em Los Angeles no começo da tarde do horário local (quatro horas a menos do que o Brasil).

Sonho realizado: tirar foto segurando os balões da Disney (consegui no Downtown Disney)

Contratamos um serviço de transfer com a Limosque inclusive foi ótimo e eu super recomendo, e chegamos em Anaheim, cidade da Califórnia onde ficam os parques da Disney, em 40 minutos. Deu tempo de deixar as malas no quarto, colocar uma roupa mais fresquinha para encarar o calor e passear em Downtown Disney. Sim, lá o centrinho de compras ainda se chama Downtown Disney e o mais bacana é que ele fica no meio dos dois parques, então você faz tudo junto e não precisa pegar carro ou ônibus, como acontece em Orlando. Compramos as orelhas rose gold do Mickey e jantamos no Bubba Gump, que fica bem pertinho.

Depois disso, encaramos uma caminhada beeeeeeem complicada porque eu tentei fazer um caminho diferente. Descobrimos que o nosso hotel não era tão perto assim da Disney e isso foi meio que uma cilada porque a gente acabou indo de Uber nos outros dias. Em tempo: ficamos no Best Western Courtesy Inn. Ele é simples, mas é limpo e tem café da manhã incluso. Só essa questão da distância que atrapalhou mesmo.

 

E é isso, gente! No próximo post, conto como foi nosso primeiro dia de parque

Um beijo e até lá!

Testei: Base Fenty Beauty – A famosa base da Rihanna

Olá, pessoal! Vocês já sabem que eu sou apaixonada por maquiagem e adoro testar coisas novas, mas 2018 foi definitivamente o ano em que eu fiquei viciada em bases. Antes, eu não ligava tanto e só tinha duas. Agora, eu gosto de ir variando e escolher conforme a ocasião. E nesse meio tempo, eu também passei a acompanhar mais as novidades de beleza e fazer uma wishlist com todos os produtos que eu gostaria de testar.

Quem é ligada em beleza como eu sabe que um dos lançamentos mais bombados dos últimos tempos foi a base da Fenty Beauty, a marca de make da cantora Rihanna. O produto chegou no mercado no ano passado e rapidinho virou uma febre. Eu sempre tive vontade de testar, mas vi um monte de resenha e tinha gente amando e outras pessoas odiando. Fiquei na dúvida: será que vale a pena comprar?

Coloquei a base na minha lista de comprinhas da viagem que fiz para a Disney da Califórnia e para Las Vegas, mas não tinha certeza se ia ou comprar ou não. Deixei para ir na Sephora no penúltimo dia da viagem e resolvi levar a base, afinal, ela não é vendida oficialmente aqui no Brasil e seria a oportunidade de testar e contar tudo para vocês. Bora começar essa resenha!  

Como funciona?

Não sei se vocês sabem, mas a Fenty Beauty foi criada porque a Rihanna queria uma marca de maquiagem que atendesse mulheres do mundo inteiro (fofa essa RiRi, né?). Por isso, a base conta com 40 tonalidades e é uma coisa de doido encontrar o seu tom. Juro, eu fiquei uns 10 segundos só olhando e pensando: “E agora?”.

Normalmente, eu fico sempre com a segunda ou terceira opção mais clara. Com isso em mente, fui no olho mesmo e peguei a cor 190. Como já estava de maquiagem no rosto, acabei fazendo o teste na linha abaixo na mandíbula e escolhi um tom acima e outro abaixo da 190 para ter certeza. No fim, achei que era a 190 mesmo, mas acabou que foi de olho mesmo. (E olha só que legal: pesquisei aqui e vi que a 190 é para peles claras com fundo neutro, exatamente o meu caso. Mandei bem, né?)

A base da Fenty Beauty promete uma cobertura média, com acabamento matte e é líquida. Como a proposta é de justamente fazer com que várias mulheres possam usar, ela é indicada para todos os tipos de pele. É importante destacar que a fórmula é livre de parabenos e ftalatos. E tem mais: a marca é cruelty free! 🙂

Minha opinião

A base vem em pump e eu sempre gosto de agitar um pouco o frasco para ativar todos os componentes. A embalagem vem com 32 ml e rende MUITO: normalmente, eu aplico três pumps no dorso da minha mão antes de passar no rosto (você também pode usar aquelas plaquinhas de metal próprias para maquiagem).

Sobre a forma de aplicar, já passei com pincel flat e esponja. Sinceramente, não vejo diferença no resultado quando uso pincel e quando uso esponja, mas eu estou na fase de usar a esponjinha para tudo e acho que é mais fácil de espalhar com ela.

Como falei antes, eles garantem uma cobertura média, mas, no meu caso, é uma cobertura alta estilo rebocão. Eu AMO cobertura alta assim, então foi um ponto muito positivo porque ela ficou exatamente do jeito que eu gosto. Acho que algumas pessoas não se deram tão bem com essa base justamente por preferirem uma make mais natural e ela cobre tudo, minhas manchinhas e minhas olheiras sumiram!

Muitas bases que oferecem esse estilo de cobertura acabam pesando no rosto e a da Fenty Beauty seca bem rapidinho e você nem sente que está com ela. Por ter acabamento matte, ela fica bem sequinha, mas não deixa aquele aspecto ressecado. Também gostei que ela deixa um aspecto uniforme e não fica marcada. Fora que ela dura muito. Se eu passo de manhã, por exemplo, fico com a mesma cobertura na pele até o fim da tarde. Estou completamente apaixonada!

Bom, agora vamos à parte ruim: o preço. Eu comprei a minha na Sephora do hotel The Venetian, em Las Vegas, por U$ 34 (o que equivale a cerca de R$140). Como falei no começo do post, a base da Fenty Beauty não é vendida oficialmente no Brasil, mas encontrei alguns lugares revendendo por valores que vão de R$ 80 a R$ 320. Não sei dizer se eles lugares são seguros e se a base é original, por isso, minha dica é comprar lá fora (nem que você encomende para alguém que vai viajar) ou ter certeza absoluta de que está comprando em um site seguro ou com um revendedor qualificado.

Não sei mesmo porque coloquei a base da Fenty Beauty como dúvida na minha lista. Ainda bem que decidi comprar porque estou apaixonada e virou a minha base preferida da vida. Quero fazer estoque aqui em casa!

 

E vocês, já testaram? O que acharam?

Um beijo e até o próximo post!

Tudo sobre o meu mega hair | Técnica, manutenção, cuidados e muito mais

Olá, pessoal! Já contei para vocês algumas vezes que uma das maiores frustações da minha vida é ter cabelo fino e ralinho. Passei a infância toda com o cabelo curtinho estilo Chanel, depois deixei crescer na adolescência, mas o máximo que consegui foi fazer com que ele chegasse perto do peito. Logo eu, que SEMPRE amei cabelo comprido.

Comecei a pintar meu cabelo com 14 anos e, na época, eram só algumas mechinhas. Nunca mais parei. Nesse mesmo período, também comecei a fazer chapinha e, já na faculdade, aderi à progressiva.

Bom, quem tem cabelo loiro sabe que ele fica mais ressecado e é quase impossível viver longe das pontas duplas. Meus fios sempre foram finos, mas foram ficando mais e mais fracos e o resultado é que eu nunca conseguia deixar crescer, mesmo querendo muito. Daí, foi plantando uma vontade doida de colocar mega hair.

Eu SEMPRE tive vontade de colocar. Juro, não sei dizer para vocês quando surgiu essa ideia na minha cabeça, só lembro de sempre falar que eu gostaria muito de colocar. O problema é que viviam me falando que fazia mal e eu morria de medo de piorar ainda mais a situação.

Quando tudo mudou?

Falei que eu sempre tive vontade de colocar mega hair, mas nunca tinha ido muito atrás para saber como era aplicado. Sabia que existia uma técnica de costurar o aplique no seu cabelo natural e, com isso, você acaba tendo que cortar os fios verdadeiros durante a manutenção.

Não sei se vocês se lembram, mas no ano passado a Juliana Paes alongou os cabelos para viver a Bibi na novela A Força do Querer e foi muito rápido. Em um dia, ela estava com o cabelo acima dos ombros. No dia seguinte, apareceu com os fios bem compridos. Foi aí que ela revelou o segredo: usou a técnica de fita adesiva – e muitos especialistas falaram que era o método menos agressivo. Fiquei com um pensamento na cabeça: “se eu colocar mega hair um dia, vai ser o de fita”.

Calhou de uma amiga minha, que tem o cabelo bem parecido com o meu (fino, ralinho e descolorido) colocar o mega hair de fita e a vontade só crescendo. Aí veio a minha festa de aniversário de 30 anos, quando eu coloquei um aplique de tic tac e o Willian, meu cabelereiro, me disse: “você deveria colocar um mega hair de fita, assim ia parar de fazer tantas coisas no seu cabelo e ele ia crescer”. Óbvio que eu fiquei com isso na cabeça e a vontade só cresceu.

Meu cabelo estava assim antes do mega hair

Nesse meio tempo, eu fui viajar de férias para a Disney da Califórnia e Las Vegas (aliás, estou fazendo um diário da viagem bem legal aqui no blog) e fiquei babando nos cabelos das norte-americanas – grande parte delas usa mega hair e eu só descobri porque estava com os olhos mais atentos para isso.

Voltei querendo colocar no mesmo dia. Falei com o Willian, que entrou em contato com um profissional que vende cabelos e que tem uma loja aqui no centro de São Paulo. Fui buscar o cabelo dias depois (meu cabeleireiro falou para eu ir pessoalmente para poder escolher um aplique da cor do meu cabelo) e deu certo no mesmo instante. Foi só colocar o primeiro aplique que o moço logo disse: “pronto, esse aqui já está na cor do seu cabelo”.

Pedi para ele colocar na fita e fui no salão alguns dias depois (com o cabelo na bolsa) para, enfim, fazer a aplicação. É tudo realmente muito rápido: primeiro, ele lavou meu cabelo natural, fez chapinha e em seguida aplicou o mega hair.

Como funciona?

O Willian me recomendou comprar 100g de cabelo, que foram divididos em quatro mechas de 25g cada. Ele cortou essas mechas em pedaços menores e distribuiu pela minha cabeça, para ficar mais naturais (eu tenho fitas por toda a cabeça: na nuca, bem no meio, nas laterais…).

Para fixar, ele fez um sanduíche: colocou uma mecha de aplique por baixo do meu cabelo natural e outra por cima, fixando as duas com a fita – vale lembrar que é utilizada a fita cirúrgica, conhecida por ser bem resistente. Como falei, foi rápido: a aplicação demorou menos de uma hora.

O Willian arrasa demais, né gente?

Quanto ao tamanho, conversei com o Willian e ele recomendou o aplique de 50 cm, mas quando fui comprar, o moço só tinha o de 65 cm. Nossa ideia era não deixar muito comprido, mas ficou tão lindo e natural que ele ficou com dó de cortar muito. Resultado: ficou enorme. Mas como foi bem caro (vou contar mais para frente quanto eu paguei), resolvi deixar assim por um tempo. Fora que eu nunca recebi tanta mensagem de seguidoras falando para não cortar. E o que eu não faço por vocês, né? 🙂

Primeiros dias

Olha, preciso dizer que os primeiros dias foram um pouco tensos. Primeiro, minha cabeça e o meu pescoço precisavam “entender” que agora seguravam um cabelo pesado e bem comprido. Tive dor de cabeça nos três primeiros dias, não chegou a ser enxaqueca, mas uma dorzinha constante que não me impediu de fazer outras coisas rotineiras – tomei remédio só no primeiro dia.

O que mais me incomodou é que as fitas puxavam demais, incomodava mesmo, sabe? Eu sabia que era normal ter essa dor no começo, então segui em frente, mas dá vontade de tirar para acabar com a dor. Fora que eu nunca tive tanto cabelo na vida, por isso, não sabia como prender o cabelo e me assustava quando acordava e via aquele tanto de fio rsrs…

Precisei esperar dois dias para poder lavar o cabelo e tudo mudou quando eu, enfim, pude molhar. Lavei com os produtos que eu uso normalmente e me assustei com o peso dele molhado (só pensava: “imagina cuidar de um cabelo desse tamanho na praia”), mas foi mágico por outro motivo: as dores passaram na mesma hora e as fitas não puxaram mais.

 

Eu tinha pânico só de pensar no tempo que eu gastaria secando o cabelo, mas não foi nada traumatizante. Em média, gasto uns 25 minutos para secar e uso sempre dois produtos como protetores térmicos: o spray Liso Leve and Solto, da Lola, e o Sérum Caviar, da Nexxus.

Brinco que eu nasci para ter cabelão. No geral, tenho achado muito mais fácil de cuidar do que o meu cabelo natural, que demorava muito mais para ser “domado”. O mega hair pega facilmente o formato que eu quero deixar (se ficar de trança por algumas horas, ele fica com um ondulado lindo. Se passar só um pouco de chapinha, ele já fica liso). Não sinto mais dor nenhuma e posso usar os mesmos produtos que usava com o cabelo natural.

Manutenção e cuidados

Claro que, como tudo na vida, é preciso ter alguns cuidados com o mega hair. Não posso passar condicionador e máscara na fita (que fica próxima da raiz), senão corre o risco de apodrecer o meu cabelo natural que ficou entre as fitas. Shampoo está liberado – graças a Deus, porque eu tenho a raiz beeem oleosa. Aliás, vocês sabem que a gente não deve passar condicionador e máscara na raiz né, só do comprimento para as pontas?

Não dá para dormir de cabelo molhado, em hipótese nenhuma, porque também pode apodrecer seu cabelo natural. Acaba que a parte mais chata é chegar em casa tarde, lavar o cabelo e ficar lá, meia hora secando para ter certeza de que não tem nenhum fio molhado.

A única coisa negativa do mega hair de fita adesiva é que a manutenção é mais rápida do que os outros procedimentos. A cada dois meses, você precisa tirar os apliques para colocar uma fita nova no lugar, já que elas vão perdendo a aderência. Esse tempo também é importante para o cabeleireiro higienizar o seu cabelo natural e o cabelo do aplique.

Duas semanas depois de colocar o mega hair, no evento da Aussie

Falei lá em cima que o mega hair foi caro e é mais um ponto que merece atenção: dizem que a técnica de fita é a mais cara de todas. Eu paguei R$ 1 mil no aplique e mais R$ 200 para colocar na fita. Ainda não fiz troca de fita, mas antes de colocar você precisa saber que vai precisar pôr a mão no bolso a cada dois meses para fazer a manutenção, ok? (Importante destacar aqui que muitas amigas e seguidoras me falaram que receberam orçamentos bem mais caros, então acho que no fim saiu barato)

O melhor de tudo é que a minha raiz natural não fica tão gritante com o cabelo mais comprido, tanto que eu vou deixar mais um tempo sem retocar. Fora que agora a ideia é fazer só o contorno, ou seja, vamos pintar só a parte de cima mesmo, sem necessidade de retocar todas as partes da cabeça. Também vou tentar dar um tempo na progressiva, vamos ver como vai ser!

É isso, gente! O texto ficou enorme, mas eu quis contar TUDO sobre essa transformação, um sonho que virou realidade para mim. Se tiver alguma dúvida sobre mega hair, deixa aqui nos comentários que vou amar conversar com você! 🙂

 

Contato do Willian Tavares, meu cabeleireiro

http://www.instagram.com/willianntavares

willianntavares@outlook.com

Lorenzo’s Hair: Av. Água Fria, 321, São Paulo (SP) – (11) 3360-8543

http://www.instagram.com/lorenzos.hair

 

Um beijo e até o próximo post!

Inverno 2018 | As 5 tendências que você mais usou nesta temporada

Olá, pessoal! Já estamos em setembro e entramos na reta final do inverno. A primavera começa oficialmente no dia 22 e chegou a hora de fazer uma retrospectiva para lembrar tudo que foi tendência de moda nesta temporada. Aliás, eu adiantei em março quais seriam as peças que fariam sucesso neste inverno, quem lembra? Bom, agora chega de falar e vamos direto aos fatos:

Óculos de sol pequeno e retrô

Famosos entre os hippies entre os anos 60 e 70, os óculos de sol pequenos já vinham fazendo a cabeça das fashionistas, mas viraram uma febre neste inverno, né? O acessório chegou com armações e lentes coloridas e foi bastante usado, especialmente em festivais de música. No começo, eu achava bem estranho. Agora, gosto e acho que realmente combina muito com quem tem estilo. Não comprei um porque tenho o rosto quadrado e não fico bem com óculos pequenos. De qualquer forma, acho que ele tem tudo para continuar em alta na primavera-verão.

Bota meia (ou sock boots)

Olha eu trabalhada na tendência com a minha sock boots querida (primeira vez que eu usei, mal sabia eu que viraria um vício)

Quase não houve espaço para outro modelo de bota neste inverno. Quem deu o que falar foi a bota meia, também conhecida como sock boots. É aquele modelo bem justinho e sem costura, que acaba “grudando” na perna e fica parecendo uma meia. A gente viu opções de tudo quanto é jeito: colorida, canelada com listras (bem na pegada de uma meia esportiva), curtinha, com salto fino, com salto quadrado…até eu me rendi, comprei uma e usei muito. Aliás, é tão quentinha e confortável que eu pretendo continuar usando.

Mostarda

Confesso que eu não botava muita fé que a cor mostarda faria sucesso. Mas adivinhem? Fez e muito! Muita gente apostou no tom e usou em apenas um detalhe ou para montar looks monocromáticos, outra grande tendência deste inverno. Por ter essa aparência mais “fria”, a cor combinou bem com outros tons terrosos e serviu até para alegrar produções mais básicas. Não sou muito fã de tons amarelados, mas olha só que curioso: “ressuscitei” um shortinho mostarda que eu tinha e levei na mala para a viagem que eu fiz para a viagem que fiz para a Disney da Califórnia e para Las Vegas. Acabou que eu usei MUITO (só que eu fui no auge do verão norte-americano).

Vinil

Quem é ligada em moda sabe que nós tivemos uma forte influência dos anos 80 neste inverno, né? Nos últimos meses, vimos muitas peças em lurex, muito brilho, brincos exagerados, laços e, principalmente, vinil. O material foi bastante usado em saias e acessórios, como sapatos e bolsas. Muita gente, inclusive, levou o vinil para looks de festas e eventos, deixando a produção mais estilosa e moderna. Tenho alguns sapatos em vinil e adoro. Em roupa, acho um pouquinho mais complicado porque marca muito rsrs… quem sabe ainda não me rendo.

Xadrez Príncipe de Gales

Já faz um tempo que o xadrez deixou de estampar apenas as camisas e as roupas típicas das festas juninas. A cada inverno, ele conquista mais pessoas e é usado em todas as peças, desde casacos até calças. Mas, neste ano, quem fez sucesso foi o xadrez Príncipe de Gales, que tem fundo cinza e listras bem pequenas e finas. É chique e tem tudo para continuar em alta no próximo inverno. Eu amei essa tendência logo de cara e fiquei doida para comprar um blazer com essa padronagem. Ganhei um de presente da minha mãe e usei MUITO.

 

E você, lembra de outra tendência que deu o que falar neste inverno?

Um beijo e até o próximo post!

Livros incríveis para você se apaixonar e rir muito

Olá, pessoal! Vocês já me seguem lá no YouTube? Estou toda feliz por aqui porque meu canal completou recentemente 1 ano. Pode parecer pouco, mas pra quem morria de vergonha de câmera e da própria voz, foi um grande avanço. Gravar vídeos, aliás, se tornou uma grande paixão, tanto que estou aprendendo a fazer isso sem deixar o blog muito de lado, o que é bem difícil.

Tudo isso para dizer que meus vídeos de resenhas de livros estão fazendo sucesso. Muita gente tem me procurado para pedir dicas de livros e eu fico contente em ver que, de certo modo, sirvo de inspiração para fazer com que outras pessoas voltem a ler.

Pensando nisso, preparei uma listinha com algumas sugestões de livros para deixar seu ano mais leve e divertido. Como sempre digo para todo mundo que me pede indicações, eu tenho o costume de ler apenas romances com uma pontinha de comédia, então não sou referência para livros mais “sérios” ou autoajuda e por aí vai. Se você também faz parte desse time, vem comigo:

Os Delírios de Consumo de Becky Bloom (Sophie Kinsella)

DELIRIOS_DE_CONSUMO_DE_BECKY_BLOOM_1230591305P

Essa é uma das séries mais famosas do universo da leitura feminina e eu sou suspeita porque considero a Becky praticamente a minha melhor amiga. Ela é tão gente como a gente: não resiste quando vê uma liquidação ou um preço bom, compra algo mesmo sabendo que não tem necessidade e foge do gerente do banco. Mas, ao mesmo tempo, ela é amiga, luta para defender sua família, faz várias trapalhadas, e, no fundo, só quer todo mundo feliz.

Este é o primeiro livro da saga, que chegou ao seu oitavo volume em 2016. Se você não leu nenhum dos livros, eu recomendo começar por este aqui e seguir a ordem de lançamento para não se perder. Em alguns momentos, a gente ri tanto com as confusões da Becky que precisa voltar na leitura para retomar a concentração. É maravilhoso!

Melancia (Marian Keyes)

MELANCIA_1331335571B

A Marian Keyes é outra autora que representa muito bem o gênero Chick Lit, ou seja, os livros de mulherzinha que a gente tanto ama. Neste livro, ela conta a história de uma mulher que é abandonada pelo marido logo depois do nascimento de sua primeira filha e que volta a morar na casa dos pais. Enquanto luta com a rejeição, ela também precisa superar os desafios da maternidade. O mais engraçado é que o livro foi escrito em 1995, há mais de 20 anos, mas ainda é muito atual.

Melancia não só é o primeiro livro da Marian, mas o primeiro que retrata a família Walsh, composta por cinco irmãs. Se você gostar (duvido muito que isso não aconteça), minha dica é seguir a leitura com Férias, Los Angeles, Tem Alguém Aí? e Chá de Sumiço, que retratam cada uma dessas mulheres e seus problemas, presentes em todas nós. Todos são do jeitinho que a gente gosta, com a mistura certa de romance, drama, comédia e muito palavrão rs…

Um Mais Um (Jojo Moyes)

CapaUmMaisUm_300dpi

Outra autora querida que mora no meu coração, a Jojo ficou famosa com Como Eu Era Antes de Você, que virou filme no ano passado. Esse é um dos meus livros favoritos da vida, mas acredito que Um Mais Um merece a sua atenção por ser extremamente próximo da nossa realidade. Tudo acontece quando uma moça pobre, mãe solteira de dois filhos, embarca com toda a família em uma viagem de carro com um cara rico e aparentemente arrogante para levar sua filha caçula até uma prova importante de matemática.

Eu sempre descrevo este livro para as pessoas como “vida real”. Fala sobre tantas coisas do nosso cotidiano: jovens que largam tudo para cuidarem dos filhos, bullying, o amor dos animais, a diferença social e por aí vai. Tem tudo para ser triste, mas é um dos mais engraçados que eu já li. Às vezes ria tanto que algumas pessoas me olhavam. Sério, vale demais!

Corra, Abby, Corra (Jane Costello)

livro_Ho49iB

Foi uma grande surpresa que eu tive em 2016. Não conhecia a autora, achei o livro interessante e pedi de presente de amigo secreto. Comecei a ler e, quando vi, já estava totalmente apegada. Abby é dona de uma empresa de webdesign e não tem tempo para fazer nada, até que resolve participar de um grupo de corrida para conquistar um cara bonitão que conhece (como não se identificar?).

É engraçadíssimo! Tinham partes que eu até voltava para ler de novo e ver se era isso mesmo que estava acontecendo de tão surreal. Mas, como todo livro do gênero, tem algumas lições muito importantes, principalmente sobre as responsabilidades da vida adulta, os desafios de viver do próprio negócio e as frustrações amorosas. Vai por mim que você vai gostar!

Bolsas, Beijos e Brigadeiros (Fernanda França)

download

Muitas vezes eu me sinto mal por ler muitos livros de autores estrangeiros, mas a verdade é que eu não tenho a mesma ligação com os escritores daqui exceto com a Fernanda França, que eu também descobri por acaso. Este foi o primeiro livro dela que eu li e é uma delícia, daqueles que a gente lembra com carinho, sabem?

Ideal para quem gosta de viajar (tem alguém que não gosta?), fala sobre uma jornalista que está escrevendo um guia e parte em um mochilão pela Europa enquanto lida com um relacionamento bastante complicado. Cada capítulo é em um lugar diferente do mundo e ela aproveita para descrever as características de cada cidade. Parece que a gente vai viajando junto, é muito gostoso! (Aproveite para conferir a resenha que eu fiz sobre O Pulo da Gata, outro livro da Fernanda, clicando aqui)

O Diário da Princesa (Meg Cabot)

18b1c78a3c114c60563531dab1a50f575dfad054

Tem alguma adolescente por aqui ou alguém no início da vida adulta? Comecei a ler a série O Diário da Princesa em 2002, quando tinha 14 anos, pouco depois de ver o filme de mesmo nome, e foi amor à primeira página. São 11 volumes ao todo, sendo que o último livro foi lançado em 2015 com um “gap” de alguns anos para mostrar a Princesa Mia adulta e bem-sucedida.

A série acompanha Mia desde a descoberta de que ela é, na verdade, a princesa de um pequeno principado na Europa, quando ainda é adolescente. De um jeito muito bem-humorado, é narrado pela própria Mia, que usa o livro como se fosse seu próprio diário e traz várias listas engraçadas sobre qualquer assunto (entenderam porque eu amo listas, né?). Tenho um carinho ENORME por esta série e indico para todo mundo que gosta de algo leve, independentemente da idade.

Aliás, quero muito ler O Diário de Uma Princesa Improvável, narrado pela irmãzinha da Mia (Tô nem aí que o livro é para adolescente, quero ler e pronto rs).

 

Gostaram das ideias? Agora é só escolher o seu favorito e me contar depois o que achou!

Um beijo, boa leitura e até o próximo post!