Posts em destaque

Top 5 – Filmes para comemorar o Dia do Amigo

Ter um amigo (ou muitos) é uma das melhores coisas da vida! Não importa se você conheceu na escola, na faculdade ou recentemente, essa pessoa será um grande companheiro, que dará os conselhos que você precisa a qualquer hora do dia! Isso sem falar nos programas que ficam mais divertidos quando vocês estão juntos.

E tem mais: a amizade é tão especial que faz um bem danado para a saúde – especialistas já concluíram que ela é capaz de prolongar a expectativa de vida. Bom, né?

Não por acaso, foi criado o Dia do Amigo, comemorado em 20 de julho aqui no Brasil e em outros países da América do Sul (em outras localidades, a data é 30 de julho) em homenagem à chegada do homem na lua, que simbolizou a união das pessoas em torno de um objetivo que parecia impossível.

Nada melhor, então, do que aproveitar este dia tão especial para fazer um Top 5 com amigos inseparáveis. Vamos conferir?

 

Woody e Buzz (Toy Story)

toy-thumb-600x338-136310

Quando o primeiro filme da franquia Toy Story foi lançado, eu era bem criança e achei chato. Aí cresci, vi de novo e amei. Estou para dizer, aliás, que é uma das minhas animações favoritas, muito em razão dos personagens. E por falar nisso, quer dupla que mais simboliza a amizade do que o caubói Woody e o astronauta Buzz Lightyear? Eles começaram se odiando, muito em razão de ciúme, e, aos poucos, tornaram-se inseparáveis. Apesar de amar o Slinky, o cachorro de mola, eu tenho um carinho enorme por essa duplinha aqui – e não sei dizer qual deles gosto mais!

 

Harry, Rony e Herminone (Harry Potter – a série toda)

141159108

Estou longe de ser maníaca por Harry Potter, mas sei que esses três aqui se conheceram no primeiro livro e, desde então, viraram melhores amigos. Grande parte das aventuras de todos os filmes, baseados nos livros homônimos, é realizada quando eles estão juntos e a amizade é tão grande que um faz de tudo para proteger os demais. Enquanto Harry descobre-se bruxo pouco antes de entrar para Hogwarts, a escola de bruxaria, Rony é de uma família tradicional de bruxos e Hermione é uma trouxa (palavra usada para caracterizar quem não é bruxo) que é nerd e sabe tudo.

 

Marty e Doc (De Volta Para O Futuro)

4fe818f5caac65cefafa698b2076f605

Ô delícia de filme, né gente? O filme já tem mais de 30 anos e o tal do futuro da segunda parte da história já chegou – bem diferente do que foi retratado, por sinal –, mas eu posso ver e rever várias vezes sem enjoar. Nessa primeira sequência, o garoto Marty se encontra com um cientista que ele carinhosamente chama de Doc, só que, ao fugir de um grupo de terroristas, ela acaba voltando no tempo e indo parar em 1955. Ele agora conta com a ajuda do amigo, em versão mais jovem, para fazer com que seus pais se apaixonem e ele possa voltar para a sua realidade. Juro, amo todos os filmes da trilogia e recomendo ver em sequência!

 

Mike, Sully e Boo (Monstros S.A.)

3110a513b08bb0fe0268ef8b51b113e7

Moradores de Monstrópolis, uma cidade habitada apenas por monstros, Mike e Sully são melhores amigos e trabalham assustando crianças pequenas todas as noites por meio da porta do armário delas, que faz a conexão entre os dois mundos. Tudo caminha bem até que Boo, uma garotinha muito fofa decide abrir a tal da porta e acaba invadindo a terra dos monstros. Depois de acolhê-la, Sully passa a nutrir um carinho enorme pela menina, mas tem que lidar com o ciúme de Mike, que não gosta nada da presença dela. Ah, vale a pena também assistir Universidade Monstros, que não é tão legal quanto o primeiro, mas mostra o início da amizade entre Mike e Sully. Fofo, fofo, fofo!

 

Carter e Edward (Antes de Partir)

f85feafe9b19097f431cfaad7b63fd24

Sabe quando duas pessoas que não têm nada a ver se encontram por acaso e viram amigos? É o que acontece neste filme. Internado em um hospital para combater o câncer, Carter acaba tendo que dividir o quarto com o dono do hospital, Edward, que também está com câncer. Com poucos meses de vida, eles decidem escrever uma “lista da bota”, com tudo o que desejam fazer antes de morrer. Depois disso, partem juntos, então, para realizar todos os itens e acabam virando amigos. É lindo demais e superinspirador. Eu tenho a minha listinha também e comecei a escrever depois de ver o filme!

 

Gostaram das sugestões? Aproveite para assistir ao lado dos seus amigos!

 

Um beijo e até o próximo post!

Top 5 – Filmes sobre aniversários

Normalmente, os Top 5 aqui do blog entram às sextas-feiras, justamente para entrar no clima do fim de semana. Só que este aqui foi postado em um dia diferente por um motivo muito especial: o meu aniversário. Pois é, gente, completei 28 anos ontem (31) e, em mais dois anos de blog, só percebi agora que nunca falei sobre filmes que retratam o tema. Nada melhor do que aproveitar a data mais linda do ano (sou suspeita, né?) para criar uma seleção de longas com aniversariantes. Vamos conferir?

 

Enrolados

Enrolados (1)

A versão Disney para o clássico conto da Rapunzel é uma das animações de maior sucesso da companhia na última década. A história é praticamente a mesma: uma garota (aqui ela é uma princesa) é sequestrada ainda bebê e passa a morar trancafiada em uma torre com uma velha bruxa. Até que um dia um ladrão – ninguém mais ninguém menos que Flynn Rider, um dos galãs mais amados pelas meninas – descobre o local e promete levar Rapunzel para ver as luzes flutuantes que o reino envia todos os anos no aniversário da princesa desaparecida na tentativa de encontrar a garota. Se você ainda não viu, a hora é essa. Se já viu, esta é a oportunidade perfeita para rever.

 

De Repente 30

de-repente-30-1

Tento não repetir os filmes dos Top 5 aqui no blog, mas realmente não me lembro se coloquei este aqui em outra lista. Mas é um clássico para quem, assim como eu, viveu a adolescência nos anos 2000. Durante seu aniversário de 13 anos, uma garota faz um pedido de chegar aos 30 anos com tudo aquilo que sempre sonhou. Logo depois, acorda e percebe que sua vontade foi atendida: ela mora em um apê luxuoso em Nova York e trabalha em uma revista feminina. Tudo parece maravilhoso, só que seus planos começam a dar errado e ela sente muita falta da infância. Será que ela vai ter uma nova chance? É superfofinho, uma delícia de ver e rever quantas vezes quiser.

 

Malévola

Este aqui eu sei que já entrou em outro Top 5, mas como deixar de fora um dos presentes de aniversário mais inusitados dos contos de fada? A maldição jogada pela vilã diz que a princesa Aurora vai tocar em uma roca no dia que completar 16 anos e (leia com voz dramática) dormirá profundamente. Na versão live action estrelada pela Angelina Jolie, ela meio que cria a menina e se arrepende do feitiço. A história deixa de ser pautada no romance da garota com um príncipe que ela conhece por acaso e fica muito mais entre a relação dela com a bruxa. É todo bonitinho, gente! Vale super!

 

Harry Potter e a Pedra Filosofal

Harry-Potter-e-a-pedra-filosofal

Sim, eu li todos os livros do Harry Potter. Não, não sou fanática. Na verdade, não me lembro de várias coisas (não me matem). Gostei mesmo do primeiro volume, lido quando eu tinha 12 anos. Naquela época, registrei uma mensagem: não tem presente mais legal de aniversário do que você descobrir que, na verdade, é um bruxo e que foi convidado a entrar em Hogwarts. A partir daí, a vida dele muda completamente, já que agora descobre um novo mundo. Nesta parte, sua maior aventura é destruir a tal da pedra filosofal, que tem o poder da imortalidade. Se você não manja nada de Harry Potter, não sei se o filme agradará. Mas as pré-adolescentes amam, então, taí uma prova de que é um clássico da literatura.

 

Hotel Transilvânia

47531

Sabe aquele desenho que, à primeira vista, não parece ter nada de especial? Pois é. Assisti em uma dia de puro tédio e, adivinhem só, descobri que ele é superdivertido. Resort cinco estrelas, o hotel do título é um refúgio exclusivo para monstros comandado pelo Conde Drácula. Ele decide convidar todos os seus amigos (que incluem figuras como Frankstein, Múmia, Lobisomens e enfim) para celebrar o 118º aniversário de sua filha. A menina, que na verdade é uma adolescente, vive toda aquela fase de rebeldia e aproveita a visita inesperada de um humano para tentar fugir daquele local. Claro que, nesse meio tempo, eles acabam se apaixonado. Vai por mim, é uma graça!

 

A dica é escolher o filme e caprichar na pipoca. Por aqui vai ter muito bolo, brigadeiro, parabéns e diversão!

 

Um beijo e até o próximo post!

Os livros da minha vida

Pouco tempo atrás rolou uma brincadeira bem legal no Facebook, em que a pessoa precisava listar os dez (ou mais) livros e filmes que marcaram sua vida. Resolvi trazer essa lista para o blog e decidi começar pelos livros. O que me espantou é que, apesar de gostar muito de ler e de ter uma pilha enorme de obras lidas em casa, eu não tenho muitas opções para colocar entre os melhores – sinal de que ainda tenho muita coisa para ler. Outro item que me chamou atenção é que a maioria dos livros que eu pensei é de mulherzinha, o que é bem óbvio porque quase não leio outro gênero. Mesmo assim, vale a pena dar uma nos que foram selecionados:

Casório (Marian Keyes)

image6

Foi o primeiro livro da Marian Keyes que eu li e, mesmo depois de anos, continua sendo o meu favorito dela. Tudo porque rolou uma super identificação com a Lucy, protagonista da história. Até hoje, não encontrei nenhuma personagem que fosse tão parecida comigo quanto ela. Lembro que minha mãe foi a primeira a ler Casório e disse que só pensou em mim enquanto descobria as aventuras de Lucy. Ela começa o livro indo a uma cartomante com as amigas do trabalho (coisa que eu faria), que lhe diz que ela vai se casar em breve. Esse fato é suficiente para fazer com que toda sua família ligue para saber da suposta novidade, já que ela é solteiríssima e não tem a menor chance de se casar (isso também aconteceria fácil fácil comigo). No meio do livro, ela conhece um cara legal por quem ela se apaixona, mas que não vale muito a pena (quem nunca passou por uma situação dessas, não é?). Com direito a algumas frases que eu poderia dizer a qualquer momento, como o “não, não tenho” quando perguntam a Lucy se ela não tem amor próprio, o livro foi uma verdadeira delicinha para mim. Espero terminar linda e feliz como a Lucy. Quem sabe?

Menina de Vinte (Sophie Kinsella)

image7

Descobri esse livro há uns quatro anos, em um período de crise. Estava em um daqueles momentos em que você não encontra felicidade em nada e decidi comprar esse livro para conhecer a autora. Não só conheci como amei. Lembro de passar a tarde toda lendo a história de Lara, que é assombrada pelo fantasma de Sadie, sua tia avó de 75 anos. É uma trama bem gostosinha e ideal para quem tem esse espírito de menininha, porque fala de assuntos que todas nós gostamos (relacionamentos, amizades, trabalhos e até mesmo moda). E foi graças a ele que eu comecei a me animar e ver minha vida de outro modo. Em uma parte do livro, Lara está tão desesperada para voltar com o ex-namorado que pede para sua tia convencê-lo da ideia. De certa forma, é cômico porque ele não vê o fantasma, mas começa a pensar na ex de uma hora para outra. Eles até retomam o namoro, mas ela percebe que aquilo não é natural e que ele não gosta dela de verdade (um mega ensinamento pra todo mundo, vai?). Hoje não sei se é o meu favorito, mas é guardado com muito carinho por ter sido muito especial. Daqueles que dá um ciuminho só de pensar em emprestar para alguém.

Toda a série da Becky Bloom (Sophie Kinsella)

image5

Depois de ler Menina de Vinte, resolvi ler todos os livros da Sophie. Não sei bem o porquê, mas acabei deixando a série da Becky Bloom para o final da lista. Li o primeiro e achei ok, mas aí li o segundo (Delírios de Consumo na 5ª Avenida) e percebi que eu estava completamente encantada pela personagem-título. A Becky é tão verdadeira que mais parece nossa melhor amiga. E digo mais, toda menina se acha parecida com ela. Eu tenho a mesma vontade de entrar na loja “só para dar uma olhadinha” e sair com mil sacolas “porque poxa, estava na promoção e não dava para ignorar um preço tão bom”. Tenho também a mania de saber de alguma coisa e já criar uma história mirabolante em cima do fato. Basta a Becky descobrir que vai conhecer uma personalidade para imaginar que será melhor amiga da fulana e que as duas farão compras juntas. No fim, dá tudo errado e ela nem chega a ver a pessoa. Ela é engraçada e até um pouco louquinha, mas me faz feliz de uma forma tão linda. O mais bacana de tudo é saber que a série não acabou. Já contei que o novo livro vai chegar no Brasil logo logo. Mal posso esperar!

Toda a série O Diário da Princesa (Meg Cabot)

image4

Já contei em pelo menos dois posts da minha paixonite por essa série. Assim como a Becky Bloom, a Mia é outra personagem que eu queria que fosse real. Assisti primeiro ao filme e comprei o livro meses depois para então descobrir que a saga escrita é mil vezes melhor do que a cinematográfica. E o mais engraçado é que a própria Mia tira sarro do filme no quarto volume (se não me engano) com direito a frases do tipo: “eu jamais moraria em São Francisco. Nova York é muito mais legal”. Quando o primeiro livro chegou, em 2002, eu tinha 14 anos e a Mia também. Nós praticamente crescemos juntas e passamos pelas mesmas coisas. Ficava enlouquecida quando ia à livraria por acaso e descobria que tinha uma nova parte da história para ler. Até que cheguei ao décimo volume e, logo de cara, li que seria o último. Bateu uma tristeza tão grande que eu li o livro todo com clima de nostalgia. Era 2009 e eu estava a poucos meses de me formar na faculdade, assim como a Mia estava prestes a se formar no colégio. Fora que nós duas amamos escrever, fazemos listas do que devemos ou poderíamos fazer e temos outras manias em comum. Talvez um dia a Meg Cabot resolva continuar a saga. Eu ficaria muito feliz!

Como Eu Era Antes de Você (Jojo Moyes)

image3

Também já falei sobre ele. Conheci a Jojo no ano passado, quando ganhei um vale-presente da Livraria Cultura de aniversário e troquei pelo livro A Última Carta de Amor. Uma amiga estava lendo Como Eu Era Antes de Você na mesma época. Lembro de terminarmos nossas leituras praticamente ao mesmo tempo. Ela me perguntou se eu tinha chorado e eu disse que sim, mas de emoção. Ela me respondeu que, no caso dela, tinha sido de tristeza. Pronto, queria ler o livro dela também. Comecei achando bom, mas aí acabei me viciando tanto que não conseguia mais largar. Matei o final na metade do livro e só por isso tinha certeza de que não iria chorar. De fato, aguentei firme até a última palavra escrita. Mas aí fechei o exemplar, comecei a pensar em tudo que tinha lido e chorei feito doida. Não me identifico com a Lou, nem com o Will, mas digo com toda a certeza que foi o livro mais lindo que eu já li na vida. Desde então, tenho um carinho gigante pela Jojo. Ela tem a capacidade de pegar uma história simples e transformar em algo que nos ensina de várias formas. Quero ver como vai ser no próximo livro dela, que será lançado em breve por aqui.

Querido John (Nicholas Sparks)

image2

Esse não é nem de longe o meu livro favorito, mas veio em um momento de crise na minha vida. Não tinha nada para ler, mas sabia que muita gente tinha gostado de Querido John. Isso tudo aconteceu na mesma época em que o filme baseado na obra estreou, então não se falava sobre outra coisa. Li o resumo, pensei “ih, será que eu vou gostar?” e comprei mesmo assim porque queria ter a minha opinião. Comecei e me vi tão encantada pela história que passava o dia todo contando sobre os capítulos para minha mãe. Depois dele comprei todos os livros do Nicholas Sparks. Hoje, eu estou um pouco enjoada dele. É sempre a mesma história, os mesmos acontecimentos, o mesmo final e eu já nem choro mais. Mas Querido John foi o primeiro dele que eu li e também é guardado com muito carinho por ter me ensinado muita coisa. O engraçado é que eu só percebi isso anos mais tarde.

Toda a série Harry Potter (J.K. Rowling)

image1

Ok, vai ser polêmico: não sou fã. Não tenho todos os filmes. Não lembro o nome de muitos personagens. Já esqueci de muita coisa que aconteceu ao longo da série. Não pirei nem quis comprar varinhas, cachecol e outros acessórios (com exceção das corujas) quando fui no brinquedo dele em Orlando. Mesmo assim, não dá para deixar de incluir a saga nesta lista. Acontece que Harry Potter representou muito para a minha geração (a dos nascidos no final dos anos 80 e começo dos anos 90). Nós estávamos começando a ficar conhecidos como crianças que não liam e preferiam ver televisão quando o primeiro volume lançou. Era 2000, eu tinha 12 anos e minha mãe me deu de presente porque tinha visto em algum lugar que era muito bacana. Li as 50 páginas iniciais e desisti. Até que saiu a segunda parte e eu fiquei muito curiosa para saber o que iria acontecer, então fiz uma segunda tentativa e acabei ficando viciada. Foi uma verdadeira revolução. Todo mundo contava nos dedos a data do próximo lançamento. Essa febre toda, para mim, durou até o quinto volume. Já tinha 15 anos e comecei a pegar um certo bode da história. Li as duas últimas partes com muita preguiça e até hoje achei aquele final bem mequetrefe. Mas foi – e ainda é – muito importante para todos nós.