Posts em destaque

As músicas mais tocadas em 2017

Olá, pessoal! Entramos em dezembro e agora não tem jeito: é hora de começar a nos despedir de 2017. Quem me acompanha aqui no blog desde o início (dá para acreditar que este humilde cantinho já tem três anos e meio?), sabe que eu gosto sempre de aproveitar o último mês do ano para fazer alguns posts temáticos de retrospectiva.

Ao longo dos próximos dias, vamos falar sobre beleza, cinema e muitos outros assuntos, mas hoje é dia de falar sobre música. Isso mesmo, é o momento de relembrar as canções que tocaram tanto, mas tanto, que você não aguenta mais. Olha só as que eu selecionei:

Shape of You – Ed Sheeran

Vamos começar logo de cara com um dos principais destaques do ano na música: Ed Sheeran. Até então, nós conhecíamos o ruivinho por suas canções melosas. Ano passado a gente escutou Photograph até cansar e eu tinha uma birra desse moço. Pois bem, eis que ele lançou logo no começo do ano o álbum Divide e, minha gente, que CD bom hein! É presença obrigatória no meu Spotify e Shape of You virou um hit, servindo até como propaganda do Google tamanho o sucesso. Ouço sempre e ó, não consegui enjoar!

I Feel It Coming – The Weeknd

No fim do ano passado, a gente se viciou em Starboy, do álbum mais recente do cantor The Weeknd. A música era tão boa que eu pensei que não tinha como ele lançar algo melhor. Mas aí logo no começo do ano chegou por aqui I Feel It Coming, o segundo single deste trabalho em parceria com o Daft Punk. Que batida deliciosa! A letra e o ritmo me fazem viajar no tempo e ir lá para os anos 70/80. Uma das minhas favoritas do ano e da vida!

Hear Me Now – Alok

A cada cinco minutos a gente escuta esta música no rádio, não é mesmo? A letra e o ritmo todo mundo conhece, mas o que nem todo mundo sabe é que o Alok, DJ por trás deste sucesso, é brasileiro. Pois é, Hear Me Now tem origem nacional e viralizou no mundo inteiro, mas posso ser sincera? Acho TÃO chatinha! Aqueles assovios me irritam demais. Vocês gostam?

Something Just Like This – The Chainsmokers feat. Coldplay

A dupla The Chainsmokers foi um dos maiores sucessos do ano passado, mas aproveitou 2017 para continuar a lançar músicas que grudam na nossa cabeça. Um exemplo é Something Just Like This, uma parceria com a banda Coldplay. Sabe aquela receita que não tinha como dar errado? A letra é linda, a batida é bem legal e pronto, mais uma que eu não consigo enjoar de jeito nenhum. Para mim, é uma das melhores dos DJs. Concordam?

Despacito – Luis Fonsi e Daddy Yankee feat. Justin Bieber

Temos um vencedor na categoria Música do Ano? Temos! Assim que foi lançada, a versão do hit Despacito com o cantor Justin Bieber virou o maior sucesso dos últimos tempos, tanto que ocupou a primeira posição do ranking da Billboard por vários meses seguidos. Ah, além disso, foi responsável pelo boom de músicas latinas que estouraram ao redor do mundo. Teve uma época que era só ligar o rádio que você já escutava um “des-pa-ci-to”. Concorda que esta é a música de 2017?  

Chained To The Rhythm – Katy Perry

2017 também foi o ano que marcou o retorno da Katy Perry. E que loucura que foi tudo isso, né? Primeiro ela surgiu loira, depois cortou o cabelo bem curtinho, lançou este clipe aqui todo psicodélico e cheio de mensagens subliminares, convidou ninguém mais, ninguém menos que a Gretchen (rainha!) para estrelar o clipe de Swish Swish e ainda revelou que, por ela, a briga com a Taylor Swift está superada. Ok, convenhamos que este não é nem de longe o melhor trabalho dela, mas ficou entre as músicas mais tocadas do ano.

Bad Liar – Selena Gomez

Quem também marcou presença em 2017 foi nossa miga Selena, que lançou mais uma música chiclete para grudar na nossa cabeça. Bad Liar provavelmente foi a canção mais sexy que nós ouvimos em 2017 e era só entrar o refrão pra gente ter vontade de sair dançando por aí. Fora que o clipe é muito divertido e mostra a cantora vivendo várias personagens enquanto se apaixona por uma delas. Bem legal!

There’s Nothing Holding Me Back – Shawn Mendes

Menino Shawn explodiu no ano passado com Stitches e, lá no fundo, eu achava que ele seria um daqueles casos de músicos de apenas uma canção. Só que ele mostrou que eu estava completamente enganada porque este ano ele veio com There’s Nothing Holding Me Back, que é toda animada e também deixa a gente doida de vontade de dançar e cantar junto. Mais uma com refrão-delícia que a gente decora rapidinho. Adoro!

Malibu – Miley Cyrus

Sim, amigas, vivemos em 2017 para ver o retorno da Miley como Miley. Foi-se o tempo do cabelo curtinho, de ficar peladex em cima de uma bola de demolição, das roupas rasgadas, do twerking. Voltamos na era da Hannah Montana crescidinha com uma música bem fofinha, toda para cima, com uma mensagem bem linda. O clipe também é muito bonito, com flores, balões, praia, trancinhas. Nossa amiga está romântica e até chorou apresentando essa música no Billborad Music Awards. Fofa, né?

Paradinha – Anitta

Neste ano, também vimos Anitta subir ao posto de estrela internacional. Pois é, minha gente, ela gravou uma música com a Iggy Azalea, se apresentou no programa do Jimmy Fallon e logo depois lançou Paradinha em espanhol. No começo eu achei bem chata e duvidei que fizesse sucesso. Mas ah, como eu estava enganada! Aqui virou uma febre, todo mundo decorou a coreografia e não é que lá fora a música também estourou? E aparentemente foi só o começo porque a Anitta promete lançar um número cada vez maior de músicas em inglês e em espanhol.

Rockabye – Clean Bandit feat. Sean Paul e Anne-Marie

Você pode até não saber pelo nome, mas conhece o Clean Bandit do sucesso Rather Be, que explodiu lá em 2014. Desde então, eles sempre lançam músicas com algumas parcerias, mas nenhuma tinha alcançado o mesmo sucesso. Até que veio Rockabye e, quando percebemos, já estávamos baixando a música no Spotify. É daquelas que você escuta da primeira vez e já gosta, sabe? Só tem um probleminha: ela enjoa se você escutar muito. Vou dar o meu exemplo: estava na lista das que eu mais escutava, até que começou a tocar no rádio e eu cansei. Mas, mesmo assim, vale o registro por aqui.

Sua Cara – Major Lazer feat. Anitta e Pabllo Vittar

Viu só como a Anitta realmente não veio para brincadeira em 2017? Além de Paradinha, ela também lançou uma parceria pra lá de impactante com o grupo de música eletrônica Major Lazer e com a nossa diva Pabllo Vittar. Esta aqui é mais uma que eu coloco como candidata ao posto de música do ano. Motivos? Bom, a estreia do clipe deu o que falar, quebrando vários recordes de acessos logo nas primeiras 24 horas e gerou vááárias paródias. Tá bom ou quer mais?

Wild Thoughts – DJ Khaled feat. Rihanna e Bryson Tiller

Temos um importante representante do R&B em 2017 também. Difícil alguma coisa não dar certo com a RiRi (essa aí faz sucesso em tudo que põe o dedo) e não foi diferente com Wild Thoughts. O mais incrível de tudo é que, para quem é dos anos 90 como eu, certamente escutou o refrão e logo percebeu que era Maria Maria, do Santana. Não está entre as minhas favoritas, mas eu sempre deixo tocando e tem muita gente por aí que viciou. E você, o que acha?

Stay – Zedd feat. Alessia Cara

Alessia Cara é outro nome que fez bonito neste ano. Além da versão da fofa How Far I’ll Go, tema do filme Moana, ela também marcou presença nas nossas playlists favoritas com Scars To Your Beautiful. Mas a que mais fez sucesso foi Stay, parceria com o dj Zedd. Foi a “música de baladinha” que a gente mais ouviu, cantou junto e dançou muito. Para vocês terem ideia, até a minha irmã de 10 anos gosta.

Crying In The Club – Camila Cabello

Quem é ligada em música pop sabe que no fim do ano passado presenciamos um barraco causado pela saída da Camila Cabello da girlband Fifth Harmony. Houve quem jurasse que ela jamais conseguiria o mesmo sucesso em carreira solo. Eis que ela lançou esta primeira música de seu trabalho sozinha e no começo até eu achei fraquinha, mas é tão maravilhosa. Eu amo que ela tem uma vibe bem finalzinho dos anos 90, com uma homenagem ao hit Genie In A Bottle da Christina Aguilera. Quem mais curte?

Look What You Made Me Do – Taylor Swift

Ela andava sumida né, dona Taylor? Mas, quando voltou…voltou com tudo! No segundo semestre do ano, a cantora resolveu apagar todas as fotos do seu Instagram e a postar alguns spoilers com uma cobra. Logo depois, divulgou apenas o áudio da sua música nova e não agradou muito. Até que veio o clipe e, para mim, é o melhor do ano, com várias indiretas, piadinhas consigo mesma e makes que dar inveja. Acabei gostando da música.

Havana – Camila Cabello

Olha minha xará aí de novo! Se alguém tinha dúvidas de que ela se daria bem na carreira solo, essas dúvidas foram solucionadas quando a Camila lançou Havana. A música pegou na hora e é daquelas que grudam na cabeça (quando você percebe, já está com o refrão “Havana oh na na” no seu repeat mental). O clipe também é todo produzido, tem uma história fofa por trás, e rendeu diversos prêmios para a cantora. Sinto que ela vai longe, alguém mais está comigo nessa?

 

E aí, gostou da minha seleção?

Um beijo e até o próximo post!

6 dicas para arrasar na ceia de Natal

Olá, pessoal! Nesta época de fim de ano é quase impossível não pensar no Natal. Eu sempre fico empolgada quando começo as ver as primeiras decorações natalinas e não vejo a hora de montar minha árvore de Natal em casa. Minha família é pequena e normalmente fazemos a ceia na casa da minha avó, que curte bastante a festa e faz questão de decorar cada cantinho com muito carinho.

Se você já recebeu (ou vai receber) convidados para o Natal, sabe que é comum ter várias dúvidas. Pode até parecer uma ocasião simples, mas algumas coisas são básicas para qualquer ceia natalina, independentemente do estilo. Por isso, reciclei um post que eu fiz lá no comecinho do blog e acrescentei outras dicas para arrasar na ceia natalina.

Planeje tudo com antecedência

d3a3291561cc74fb2aefa7bd186043ae

Eu sou ansiosa e gosto de fazer qualquer coisa com antecedência. Mas, quando o assunto é ceia de Natal, calma e planejamento são duas palavrinhas que realmente fazem a diferença. Já parou para pensar no tanto de coisa que envolve esse evento? A decoração, o que servir, o número de convidados, a troca de presentes e por aí vai. Ou seja, se você ainda não fez nada disso, aproveite que dezembro ainda está começando e corra para deixar tudo certo.

Pense no estilo da decoração

Pois é, amiga, foi-se o tempo em que as decorações natalinas eram restritas às cores verde e vermelho. Dá para aproveitar a onda do cobre e dos metálicos, por exemplo, e fazer uma decoração com prata, dourado, cinza e rosê. Ou então criar algo mais lúdico inspirado em cores pastel (o bom e velho candy color). Aí vai muito do seu estilo e das preferências dos convidados. Aqui vai uma seleção de fotos para te inspirar:

bfdaff1dcc12638a1bdb2cc0b80e903c 1676302915cf766bf626bccdaa52331d

22b4c0cd5054bc6a3f0011dcb9ee77db  f1bdb1b916ade53521925bdbcc08e041

Faça um cardápio democrático

d89bd4f3a187402d6826c1c369d5162b

Ceia de Natal que se preze tem que ter peru, chester, salpicão de frango, panetone e frutas típicas. Esses pratos não podem ficar de fora da ceia, até porque são o que as pessoas esperam comer mesmo. Claro que dá para acrescentar algumas opções para deixar a ceia mais personalizada. Aqui em casa a gente sempre pede o bolo de sorvete da minha avó, já virou tradição. Fale com os contatos e procure saber se tem algo que eles gostam muito – ou, melhor ainda, se um deles pode trazer um prato que faz muito sucesso entre vocês.

Lembre-se das crianças

9492af325955cd50145c9d9b67d9f75d

As crianças não têm paciência para esperar até a meia-noite para então ganhar os presentes. Elas também sentem fome mais cedo e precisam de alguma coisa para se entreter. A solução? Entregar os presentes delas primeiro e preparar uma porção da ceia para servir exclusivamente para os pequenos. E que tal propor alguma brincadeira? A saída mais comum é escolher alguém para se fantasiar de Papai Noel. Pelo menos é divertido, vai?

Prepare a trilha sonora

e5650067298c5de31a01d487ff39e2f9

Escolher as músicas que farão parte da ceia é muito importante, afinal, ajuda a dar aquele clima aconchegante e faz com que os convidados se sintam à vontade. Uma dica que eu gosto muito é fazer uma seleção de músicas de Natal regravadas por cantores famosos. É muito comum, principalmente nos Estados Unidos, os artistas lançarem álbuns natalinos, por isso, a lista é grande. Dê uma olhada nas listas criadas no Spotify só com canções natalinas e escolha a que mais combina com você e com os seus convidados.

Divida as tarefas

34b27066dd3ea259929ef40d7b4c9f36

Lembram quando eu disse que era bastante coisa? Pois então nada melhor do que dividir as tarefas. Organize um grupo no WhatsApp, assim cada um pode escolher as tarefas que mais gosta. Uma pessoa pode cuidar da trilha sonora, outra da decoração da mesa, outra pode ajudar a preparar a ceia e outra ainda pode ficar responsável por organizar o amigo secreto da família. É uma ajuda e tanto!

 

Por fim, outra dica valiosa: pode ser que apareça alguém em cima da hora. Então, faça o cálculo da comida já pensando nisso e tenha um presentinho a mais para não deixar ninguém de mãos abanando, ok?

 

E aí, gostaram das dicas? O que mais acham essencial na ceia de Natal?

Um beijo e até o próximo post!

Fotos: Pinterest

O dia em que eu conheci o Nick Carter

Olá! Se você, assim como eu, viveu a sua infância e a sua adolescência entre o final dos anos 90 e o começo dos anos 2000, com certeza já ouviu muito Backstreet Boys. Eu não sei muito bem quando começou, mas me lembro de dançar loucamente As Long As You Love Me na minha festa de 10 anos, em 1998. A gente não tinha iPhone, muito menos Spotify, então a diversão era ouvir os CDs dos nossos artistas favoritos. E eu ouvia, gente! Todo santo dia tinha CD dos Backstreet Boys tocando aqui em casa – ou melhor, no meu quarto!

Naquela época, criança de tudo, os cinco integrantes da banda eram meus heróis e foi assim, meio sem perceber, que eu me apaixonei pelo Nick Carter, que você talvez conheça como o loirinho com cabelo tigelinha. Eu já era pré-adolescente quando aguardava ansiosamente a estreia de um clipe deles na MTV (não tinha Yotube, gente) só pra poder suspirar pelo Nick. Ele foi meu primeiro amor e, por causa dele, eu fiz as loucuras típicas dessa fase da vida: tinha milhões de pôsteres em casa, pegava qualquer coisa dele e colocava nas minhas pastas e assinava Carter como sobrenome (minhas primas juravam que meu sobrenome era mesmo Carter de tanto que eu falava. Até no colégio fiquei conhecida como Cacá Carter – quem nunca?).

Daí veio 2002, os Backstreet Boys se separaram e o Nick lançou carreira solo. O CD Now or Never me marcou de diversas formas. Ouvia umas 10 vezes por dia, levava pra escola (já tinha Discman, viva!) e me apaixonei perdidamente. Entrei na minha festa de 15 anos com a música I Got You e descobri que ela sempre foi minha. Jurei aos céus que meu filho ia se chamar Nickolas. Briguei com a minha melhor amiga porque ela riu quando eu disse, aos prantos, que ele tinha sido preso. Algumas pessoas tentavam me lembrar que ele nem fazia ideia de quem eu era, mas eu nunca deixei de acreditar que um dia a gente iria se encontrar.

Olha o Nick no auge da beleza, com 22 anos, também conhecido como meu marido

Olha o Nick no auge da beleza, com 22 anos, também conhecido como meu marido

No meio dessa história toda, eu fui em todos os shows dos Backstreet Boys aqui no Brasil. No primeiro eu tinha só 12 anos e o último foi no ano passado, sendo que o meu ingresso foi resultado de um sorteio da firma. Por isso, quando soube que o Nick faria um show solo aqui, não me animei muito. Já tinha visto quatro shows dos meninos e achei que não teria companhia. Daí lembrei de toda a nossa ligação, da importância dele na minha vida e comprei. Mas não parou por aí. Comprei o Meet and Greet, um ingresso vip que dava o direito de tirar uma foto com ele. Qual outra possibilidade eu teria de chegar tão perto do meu grande ídolo, do meu eterno marido?

A saga no dia foi longa, viu gente? Graças à minha amiga Paula, conheci a fofa da Carla e lá fomos nós para a fila do vip. E que fila, Senhor! Ficamos lá por umas três horas debaixo de sol até que colocaram a gente pra dentro. Esperamos mais um pouco até que finalmente o Nick chegou. E olha que máximo, você podia escolher como queria a foto. Talvez esse fato de ficar pensando “quero abraço ou beijo na bochecha?” tenha me deixado mais calma do que eu pensava. Claro, tremi feito vara verde quando chegou minha vez, mas consegui falar algumas coisas e ele foi muito simpático. Milhões de vezes mais simpático do que eu pensava.

13775607_10153637252916434_2131009832656811023_n

Queria dizer que ele marcou a minha vida de diversas formas, que ele foi a razão por eu gostar tanto de música e de videoclipes, que eu nunca mais gostei de loiros porque ele talvez sempre tenha tido um lugar cativo no meu coração. Mas aí só agradeci por estar ali, por trabalhar duro todo dia e ter dinheiro na conta pra poder pagar pelo ingresso, disse que era uma honra finalmente conhecê-lo e parabenizei pelo filhinho dele (é gente, estamos velhas, o boy já tem até filho!). E olho para essa foto e penso que tudo valeu a pena. Queria dizer para a Camilla de 15 anos atrás que ela tinha razão em gostar tanto e em acreditar que um dia ia ser recompensada. 

É por isso que o que veio depois só somou. Nosso ingresso dava o direito de entrarmos antes e, por isso, ficamos bem na frente. Nunca vi um cantor tão de perto no palco (Obrigada ao Via Marquês por ser tão pequeno). O Nick chegava perto e parecia que cantava olhando pra mim, juro que rolou uma conexão em vários momentos. Agradeci por ter passado a última semana inteirinha antes do show ouvindo as músicas do CD novo dele porque soube cantar absolutamente todas.

Só que tava um sufoco. Imagina 2.500 meninas loucas e histéricas vendo o amor da vida bem de pertinho. Agora imaginem que eu fiquei SEIS HORAS EM PÉ, TRÊS DEBAIXO DO SOL e a única coisa que eu tinha comido eram alguns amendoins de uma menina que fiz amizade. Era quase impossível que, em um determinado momento, a minha pressão não caísse. Meio que senti na pele o que o povo sente quando passa mal e desmaia. Ainda bem que eu penso de vez em quando e tive a ideia de sair do auê e tomar uma coca-cola (açúcar em excesso nessas horas faz bem). Melhorei em segundos, vi o resto do show do cantinho e tive espaço pra dançar e cantar.

13686621_1362081123805242_886079682122954999_n

Essa era a minha distância do Nick

Ponto alto: me surpreendi com a simpatia das meninas. Achava que as fãs do Nick eram chatinhas, mas na real são todas muito acessíveis. Já fui a milhões de shows nessa vida e só neste aqui eu consegui fazer amizade em questão de segundos. Adriana, Andrea, Gabi e Carla, obrigada de novo pela companhia! Segundo highlight: o Nick não cantou I Got You, mas cantou I Need You Tonight, minha primeira música favorita da vida. Foi mais ou menos o mesmo!

Ponto baixo: a pessoa aqui está com 28 anos e não tem mais estrutura física pra essas coisas. O show foi em um domingo e, na terça, minha garganta já começou a doer. Desde então, tive febre e uma faringite que me deixou zoada até hoje, no dia em que eu escrevo este post. Não tá fácil, mas digo sem medo: FOI O MELHOR SHOW DA MINHA VIDA!

Agora vamos à pergunta: o ingresso foi caro? Sinceramente, achei o preço ok. O maior problema é que foi em dólar e nossa moedinha não está valendo muito né? O que encareceu foi a conversão, mais as taxas de compras feitas com cartão de crédito. Mas se pensássemos no valor como se o dólar e o real valessem a mesma coisa, não é caro. E, de verdade, não vale tudo quando se trata de um sonho?

Desculpem pelo textão, mas não é todo dia que a gente conhece o Nick Carter!

Um beijo e até o próximo post!

Os looks do Billboard Music Awards 2016

Domingo (22) rolou mais uma edição do Billboard Music Awards. Não sei se era a variedade de programas passando ao mesmo tempo – entenda como: jogo de semifinal da NBA do meu time (contei que ando viciada em jogo de basquete, né?) e entrega do Troféu Imprensa (amo a cafonice do prêmio) – mas eu achei que esta edição foi tão fraquinha, gente! Até mesmo o tapete vermelho foi sem graça. Tanto que estou aqui vendo e revendo os looks e, sinceramente, não teve nenhum que mereceu a minha medalha de ouro. Parecia mais uma festa a fantasia. Vamos conferir quem passou por lá?

 

Demi Lovato (Chanel)

rs_634x1024-160522162445-634-demi-lovato-2016-billboard-music-awards

Um dos poucos momentos que eu assisti do prêmio foi justamente na apresentação da Demi. Pra que tanta gritaria, Senhor? Me dá um pouco de preguiça, sério! E aí vamos combinar que a moça aqui tá precisando urgente urgentíssimo de um stylist. Misturar luvinhas, casaquinho com textura, lingerie, renda, transparência e pantalona no mesmo look não dá.

 

Ariana Grande (Atelier Versace)

rs_634x1024-160522165546-634.Ariana-Grande-Billboard-Music-Awards.tt.052216

Vocês sabem minha opinião, né? Passou da hora da Ari tirar esse raio de aplique do cabelo e bolar penteados legais porque a gente não aguenta mais esse mesmo visual. Sobre o vestido, eu achei bem estranho porque também tem muita coisa junta, mas o modelo em si até que passa.

 

Lucy Hale

rs_634x1024-160522170948-634-lucy-hale-2016-billboard-music-awards

Tava simples, mas tava bom perto das aberrações que eu vi por lá. Eu gosto muito de renda, então sou suspeita. Mas gostei da combinação de cores, da manga comprida (sempre chique) e, principalmente, da gola alta, que é tendência total. Ah, e o coque foi supercerto porque valorizou o look.

 

Kelly Rowland (Labourjoisie)

rs_634x1024-160522170910-634.Kelly-Rowland-Billboard-Music-Awards.tt.052216

Kelly embalou muito minha pré-adolescência cantando com a Beyoncé no Destiny’s Child e veio com uma combinação que eu acho que já está meio saturada: vestido branco estilo sereia + cabelo com efeito molhado. Mesmo assim, tá com corpão e segurou bem o look!

 

Zendaya

rs_634x1024-160522170815-634-zendaya-2016-billboard-music-awards

Essa menina é estranha e até agora eu não sei muito bem o que ela faz, mas preciso admitir pra vocês que ela já usou tanta coisa feia nos últimos tempos que esse aqui talvez tenha sido o melhor look dela no tapete vermelho. Mesmo assim, está precisando comer uma carninha e dar uma treinada porque êta magreza hein!

 

Meghan Trainor (Michael Costello)

rs_634x1024-160522160948-634.Meghan-Trainor-Billboard-Music-Awards.tt.052216

Gosto muito da Meghan, mas esse look não caiu bem né? O tecido brilhante acabou engordando e o cabelo solto mais a pose deram uma achatada (parece até que ela não tem pescoço). Se ela jogasse para trás, já daria uma boa melhorada.

 

Rihanna (Thierry Mugler)

rs_634x1024-160522170430-634.Rihanna-Billboard-Music-Awards.tt.052216

RiRi, aquela que consegue ficar linda e rainha mesmo com uma peruquinha estranha e um camisetão do boy feito com tecido de cortina da casa da vó. Sem mais.

 

Kate Beckinsale (Hamel)

rs_634x1024-160522170412-634-kate-beckinsale-2016-billboard-music-awards

KATE, SUA LINDA! Exemplo de chiqueza, de postura, de beleza. Nunca me decepciona, mesmo usando branco há uns três anos. Mas ela pode! É muito poder para uma pessoa só!

 

Jessica Alba (Zuhair Murad)

rs_634x1024-160522165352-634.Jessica-Alba-Billboard-Music-Awards.tt.052216

Temos vários problemas nesse look: o vestido é imponente e deveria reinar sozinho, a bota over the knee também requer atenção. O coque estilo cocuruto está suuper em alta, mas também atrai olhares. E aí, como se não bastasse, a linda me joga uma sombra azul. Deu ruim, Jess!

 

Heidi Klum (Alfredo Villalba)

rs_634x1024-160522170134-634.Heidi-Klum-Billboard-Music-Awards.tt.052216

Heidi ouviu meus conselhos, trocou de stylist e, desde então, parou de passar vergonha em premiações. Isso aqui tá longe de ser um primor (aliás, beeeeem longe), mas ela já usou tanta coisa feia que passou na média.

 

Kesha

rs_634x1024-160522164719-634.Kesha-Billboard-Music-Awards.tt.052216

Não acho que o pior foi a roupa em estilo toureiro. Não mesmo. O problema foi a peruca. Imaginem se ela faz um coque bem sequinho e deixa o foco no rosto? Ia ficar lindo! Mas assim, desse jeito, não dá.

 

Fifth Harmony

rs_1024x759-160522162649-1024.Fifth-Harmony-Billboard-Music-Awards.tt.052216

Tenho amado as meninas desde que lançaram Work From Home, gente! Já assisti tutorial que ensina a coreografia e sempre fico tentando imitar quando escuto. Mas precisamos ser coerentes: a única que salva mesmo é a Camila Cabello (e não digo isso porque ela tem o nome mais lindo do mundo, tá?) porque o vestido tá correto, o cabelo também e eu amei a make. Mas uma usou um vestido gigante mesmo sendo baixinha, a outra tá com um decote minúsculo e incompatível com o corpo. Fica difícil, meninas!

 

Britney Spears

rs_634x1024-160522154135-634-britney-spears-2016-billboard-music-awards

A noite foi dela mesmo, que fez uma apresentação que está rendendo comentários até agora. Eu me lembro tão bem de quando ela surgiu, da carinha de menina e aí surge o sinal de que você está mesmo ficando velha: olha essa cara plastificada, Brasil! A doida não consegue nem sorrir! E o look está cafona que só, mas Britney é Britney, então passa. Podia só rolar uma tesourinha nessas pontas duplas né?

 

Qual look vocês mais gostaram?

Um beijo e até o próximo post!

 

Fotos: E! Entertainment

 

O que toca na minha playlist

Demorou, mas finalmente fiz um post com as músicas que mais tenho escutado no momento. Boa parte delas se deve a uma playlist mara do Spotify chamada 2016 Best of Pop Hits. O engraçado é que eu já tinha ouvido muitas delas, mas não sabia o nome nem o cantor. Ah, a maioria também tocou na minha viagem de férias para Nova York. Bora apertar o play?

 

Lay It All On Me – Rudimental feat. Ed Sheeran

Eu até gosto das músicas do Ed Sheeran. Logo que elas são lançadas. Porque depois, minha gente, vira um caos. Todo mundo começa a colocar trechos das canções nas redes sociais e elas passam a tocar um milhão de vezes por dia. Aí torci a cara quando apareceu esta aqui na playlist do Spotify. Dei uma chance e, gente, que coisa mais maravilhosa! É uma parceria do ruivinho com a banda de música eletrônica Rudimental. Gostosinha para ouvir na estrada, para treinar, para dançar na balada… Só espero não enjoar!

 

I Want You To Know – Zedd feat. Selena Gomez

Estava eu passando todas as horas possíveis dentro do avião e já não sabia mais o que fazer. Já tinha lido revista, já tinha lido livro, já tinha visto milhões de filmes, já tinha dormido. Só me restou ver clipes do serviço de bordo da Copa Airlines. Daí apareceu este aqui e eu ando numa vibe super Selena Gomez, então, decidi ouvir. Percebi que já tinha escutado várias vezes antes e gostei tanto que logo depois entrou de vez para a minha playlist.

 

Try me – Jason Derulo feat. Jennifer Lopez & Matoma

Mais uma que foi sugerida pela playlist maravilhosa do Spotify. Ela apareceu e eu pensei “Bom, eu gosto das músicas do Jason Derulo e a J. Lo costuma fazer um hit atrás do outro, esta aqui deve ser sucesso”. E como eu acertei, viu gente? Ô música boa! Ritmo gostosinho para dançar e começar um dia bem. Decorei a letra tão fácil que agora fico cantando sozinha. Ah, e tocou lá na viagem uma vez dentro de uma loja do outlet de Nova York e eu parecia uma doida dançando e cantando. Acho que é a minha preferida do momento!

 

The nights – Avicci

Já tinha escutado esta música algumas vezes e gostado muito, mas deixei passar. Aí ouvi outra vez enquanto estava correndo e não consegui parar para ver o nome do cantor e banda. Depois de um tempo, ela acabou sendo sugerida na playlist do Spotify (não falei que ela é incrível?) e eu descobri que é do DJ Avicci. É tão boa, gente! A mensagem que fica para aproveitarmos a vida enquanto podemos é demais. Fora que tem várias frases de efeito para colocar de no Instagram ou postar no Facebook.

 

Tulips – Christopher

Prefiro mil vezes uma música animada do que aquelas baladas tristes e melosas. E quando escutei esta aqui pela primeira vez, a vontade foi de sair na rua chamando todo mundo para dançar, sabem? Gostei tanto que fui fuçar o clipe no Youtube e soube que o cantor é dinamarquês, além do fato de que a música é cheia de duplos sentidos (prestem atenção na letra para verem o que estou falando). Maaas… quem disse que eu ligo? Continuo ouvindo e dançando mentalmente!

 

Love Myself – Hailee Steinfield

Vejam só como são as coisas. Em 2011, uma garotinha roubou a cena de Hollywood ao protagonizar o remake do filme Bravura Indômita. O tempo passou, ela cresceu e acrescentou a profissão de cantora no currículo. Escutei esta música por indicação do Spotify e gostei, mas não liguei o nome à pessoa. Aí assisti ao filme Pitch Perfect 2 (A Escolha Perfeita 2), vi a atriz lá e pensei “Conheço essa menina de algum lugar”. Fui fuçar e aí liguei todos os pontos. Não é que ela canta direitinho, gente? Mandou bem nesta!

 

We Don’t Talk Anymore – Charlie Puth

Escutei esta música duas vezes, achei bacaninha e parou por aí. Daí fui viajar e, minha gente, tocava em tudo que era lugar. Decidi prestar atenção e acabei gostando. O ritmo é bem gostosinho e a letra é meio fossa, mas a gente decora fácil e, quando vê, acorda com a música na cabeça. A parceria com a Selena Gomez (Não disse que estou viciada nela?) deu supercerto e o Charlie promete fazer muito sucesso ainda!

 

Eyes shut – Years and Years

Esta aqui foi a única que não foi sugerida pelo Spotify. Escutei na rádio algumas vezes, achei bonitinha e calminha, mas ficou por aí. Daí estava treinando outro dia e começou a tocar de novo, mas, dessa vez, descobri que era da banda Years and Years, que eu amo de paixão por causa da música King (escutem para ver a maravilha que é). Pronto, virou vício. É ótima para dar aquela relaxada e também é cheia de frases de efeito para deixar a gente inspirada ou para postar nas redes sociais.

 

Espero que tenham gostado da minha playlist!

 

Um beijo e até o próximo post!