Posts em destaque

5 shows do Rock in Rio que você não pode perder

Olá, pessoal! Quem aí curte festivais de música? Tem gente que gosta tanto que planeja os looks com antecedência, já que esses locais também viraram uma espécie de ponto da moda. Eu vou ser sincera: gosto porque adoro shows e a possibilidade de ver vários dos artistas que eu gosto de uma só vez. Tenho sorte de morar em São Paulo, parada obrigatória de qualquer músico que vem ao Brasil, mas mesmo assim eu sou doida pelo Rock in Rio.

Na minha humilde opinião, o Rock in Rio tem o melhor line-up de festivais de música do Brasil e consegue a façanha de trazer algumas atrações exclusivamente para o festival, ou seja, não tem nem chance delas tocarem em outra cidade que não seja o Rio de Janeiro. E pra quem gosta de música pop, é um prato cheio. Fui pela primeira vez em 2001 (tinha 12 anos rs) e fui de novo em 2013. Todo ano eu reclamo que é muito cheio e muito caro, mas fico morrendo de vontade de estar lá.

Se você pensa como eu, preparei um guia de shows que você não pode perder, mesmo que seja pela TV. A edição de 2017 começa nesta sexta-feira (15) e vai até o dia 24. Olha só o que eu separei de legal:

Lady Gaga

SATURDAY NIGHT LIVE -- "Tom Hanks" Episode 1708 -- Pictured: Musical guest Lady Gaga performs on October 22, 2016 -- (Photo by: Will Heath/NBC/NBCU Photo Bank via Getty Images)

Já faz um tempo que uma das maiores vozes do pop não passava por aqui né? A mother monster, como é conhecida pelos fãs, é a atração principal da primeira noite do Rock in Rio e chega com a turnê do álbum Joanne, lançado em 2016. Este trabalho é mais introspectivo e, segundo a própria cantora, bem diferente do que ela fazia quando surgiu, há oito anos. Mesmo assim, teremos espaço na apresentação para alguns hits que se tornaram clássicos, como Poker Face, Born This Way, The Edge Of Glory e Bad Romance.

Quando: 15 de setembro

Maroon 5

Maroon5_EventImage

Ao contrário da Lady Gaga, faz pouquíssimo tempo que o Maroon 5 passou por aqui. O último show da banda foi em março de 2016, ou seja, há pouco mais de 1 ano. Eles também já passaram pelo Rock in Rio em 2011 e eu lembro que foi um dos melhores shows daquela noite. É aquela coisa: quem já viu, não se cansa de ver novo. A gente pula e canta junto todos os refrões que já estão na ponta da língua e suspira sem parar pelo Adam Levine, que além de lindo, tem muita presença de palco.

Quando: 16 de setembro

Shawn Mendes

 

Este é o show que eu mais quero ver (sim, me julguem). Tenho um carinho especial pelo menino Shawn desde que ele lançou a música Stitches, que encaixou perfeitamente com a minha vida na época. Desde então, sou viciada em praticamente todas as músicas dele que tocam na rádio, mais recentemente There’s Nothing Holding Me Back, que eu já consigo ver como um dos pontos altos do show. Fora que ele é uma gracinha, né?

Quando: 16 de setembro

Justin Timberlake

gettyimages-531284120-3e092dc7-973f-4288-8c71-3b634be12f8f

Lembram quando eu disse que fui no Rock in Rio duas vezes? Bom, nas duas vezes eu vi o Justin Timberlake: em 2001, com o ‘NSync (boyband sucesso total dos anos 90/2000), e em 2013, no auge do CD The 20/20 Experience. Confesso que eu acabei indo desta segunda vez porque era um dos poucos dias que ainda tinha ingresso, mas acabei surpreendida com o show. É tão maravilhoso, gente! As músicas são animadas, a banda de apoio é SENSACIONAL e ele interage o tempo todo. Espero que o deste ano seja tão legal como o que eu fui!

The Who

the-who-founding-members-roger-daltrey-and-pete-townshend-825x524

É a atração mais aguardada deste ano no Rock in Rio e com razão porque The Who é uma das maiores bandas de todos os tempos. Eu não gosto e não tenho muito costume de ouvir, mas não dá para negar a influência que eles deixaram para a música desde então. Sabe aqueles shows que fazem história? Este aqui vai ser assim. Mesmo que você também não curta, senta no sofá e deixa a TV ligada porque promete.

 

E você, qual show do Rock in Rio quer assistir?

Um beijo e até o próximo post!

As músicas de 2016

Olá, pessoal! Já é tradição aqui no blog aproveitar esta época de fim de ano para fazer uma retrospectiva sobre vários assuntos e um dos posts que eu mais gosto de escrever é sobre as músicas que fizeram sucesso ao longo do ano. Amo música desde que me entendo por gente e escuto o tempo todo, principalmente quando estou dirigindo.

Em 2016, tivemos alguns artistas que lançaram CDs novos e se consagraram, outros que apostaram em novos projetos e uma leva de gente que estreou no mundo da música com pé direito. Vamos conhecer quem fez bonito neste ano?

Aviso: o post está enorme, então, se não quiser ler tudo, é só clicar aqui para conferir a playlist com todas as músicas no Spotify!

Sorry – Justin Bieber

Menino Justino calou a boca de todo mundo (inclusive a minha) quando lançou o CD Purpose, no segundo semestre do ano passado. Eu baixei no Spotify e fiquei enlouquecida por todas as músicas, mas Sorry, sem dúvida, é a que fez maior sucesso. Foi lançada no fim do ano passado e explodiu nos primeiros meses deste ano. Era só tocar que a gente começava a dançar. Rolou um monte de meme por aí e até a Jout Jout gravou um vídeo dizendo que estava viciada na música. O clipe é maravilhoso e a gente fez de tudo para aprender a coreografia. Ainda toca bastante, mas acho que agora enjoou um pouco. Fora que o Justin continua babacão como sempre!

Stitches – Shawn Mendes

Sempre via gente (normalmente, as adolescentes) falando sobre o Shawn Mendes e eu sempre me perguntava: “quem é esse moço?”. Até que ouvi Stitches pela primeira vez, amei, mas só fui ligar o Shazam para descobrir quem cantava na segunda ou na terceira vez que escutei. Foi uma surpresa muito boa porque 1) descobri finalmente quem era o menino Shawn (gatinho ele, né?) e 2) eu super me identifiquei com a música, era totalmente a minha situação nos primeiros meses do ano. Toca bastante ainda, mas eu já enjoeei de tanto que ouvi. Agora ando viciada em I Know What You Did Last Summer, que ele canta em parceria com a Camila Cabello, do Fifth Harmony.

Work From Home – Fifth Harmony

E por falar em Fifth Harmony, olha elas aqui com um dos maiores hits de 2016. As meninas já tinham feito bastante sucesso no ano passado com Worth It (entraram até na lista aqui do blog), mas ganharam ainda mais fãs com Work From Home. Lembro que estava indo para o trabalho quando ouvi pela primeira vez e achei a batida tão gostosa que foi amor à primeira vista. Baixei no mesmo dia e já cansei de ouvir, mas ainda não consegui enjoar de tão boa que é. Elas bombaram neste ano e fizeram uma megaturnê aqui no Brasil. Foi, inclusive, o primeiro show internacional da minha irmã, de quase 10 anos. Ganharam super o meu respeito! Aproveite para ouvir outros sucessos que elas lançaram neste ano: Flex (All In My Head)Write On Me That’s My Girl.

I Took a Pill in Ibiza – Mike Posner

Normalmente, não sou muito de colocar músicas eletrônicas aqui no blog, mas não tinha como deixar esta de fora. Tocou tanto, mas tanto, que chegou a ser uma das músicas mais escutadas do Spotify. Confesso que cansa um pouco depois de ouvir muito, mas acho legal por causa da letra, que fala basicamente sobre pessoas que só querem saber de baladas e de gastar dinheiro com futilidades. E o mais estranho é que por mais enjoada que esteja dessa música, sempre acabo deixando tocar na rádio. Não conhecia o Mike Posner, mas não dá para negar que 2016 foi um ano extremamente especial para ele.

Cake By The Ocean – DNCE

Vi algumas vezes o grupo DNCE em premiações musicais lá de fora e sempre me perguntava que raios o Joe Jonas estava fazendo. Sei lá, me pareciam aqueles projetos meio doidos do Junior, irmão da Sandy. Daí começou a tocar esta música no rádio e eu ouvi por muitos e muitos meses. Só fui descobrir quem cantava porque um dia estava treinando na academia com as minhas playlists do Spotify e começou a tocar Cake By The Ocean. Corri para descobrir quem cantava e foi outra grande surpresa. É bem animadinha, com ritmo gostoso e letra fácil de decorar. Tomara que continue fazendo sucesso!

7 Years – Lukas Graham

Sempre tem aquela música que todo mundo ama, menos você. Olha aqui um exemplo. Ouvi 7 Years pela primeira vez e parecia legal, só que virou uma música eterna que me deu uma preguiiiça… O cara começa cantando com 7 anos e vai falando, falando, falando até chegar aos 70, haja paciência. Fora que no fim parece que ele canta se atropelando, meio sem fôlego. Mas foi um baita sucesso, lançou a banda ao estrelato e tocou em tudo que é lugar mundo afora. A letra, por mais demorada que seja, é linda e fala sobre as fases da vida. Eles até aproveitaram esse auê todo para lançar o segundo single, que é bem mais animadinho: Mama Said.

Pillowtalk – Zayn 

Foi um choque para muitas meninas quando o Zayn anunciou que ia sair do One Direction para seguir carreira solo. Eu já passei por isso com o Nick Carter e os Backstreet Boys e a gente fica meio com o pé atrás quando eles lançam um novo single. Tanto que eu demorei muito tempo para escutar Pillowtalk inteira porque peguei uma raivinha desse menino. Aí resolvi prestar atenção e vi que a música até que era boa. Foi muito bem aceita, o CD vendeu bem e parece que as fãs já começaram a superar a crise da separação da boyband. Vamos ver se ele consegue se manter no topo e lançar outras músicas boas.

Can’t Stop the Feeling – Justin Timberlake

Impressão minha ou o JT andava meio sumido? Eu sempre gostei das músicas dele, desde a época que ele fazia parte do ‘NSync, e até vi o show dele no Rock in Rio em 2013. Se o último CD dele já tinha sido maravilhoso, era de se esperar mais coisas boas. Dito e feito: Can’t Stop the Feeling foi um retorno incrível, uma música que faz a gente dançar na mesma hora que escuta. Foi uma das melhores músicas do ano e fez um baita sucesso. Continua tocando muito, então já enjoeei um pouco, mas é daquelas que a gente sempre canta quando escuta.

Stressed Out – Twenty One Pilots

Outra música que tocou muito por aqui e que ainda toca. Não conhecia a banda, então fui pesquisar e descobri que eles já tinham lançado outros CDs antes, mas que não tinham feito o mesmo sucesso. Stressed Out é uma mistura de pop com um rapzinho que também tem um tom nostálgico sobre a infância. Pegou tanto que eles tiveram um single escolhido para fazer parte da trilha sonora do filme Esquadrão Suicida. É mais uma que a gente deixa tocando mesmo sem prestar atenção.

Hands to Myself – Selena Gomez

Selenita andou meio sumida nos últimos anos, aí lançou o CD Revival e, pronto, voltou ao topo das paradas. O primeiro single foi Same Old Love, que é ótima, mas a música que fez sucesso mesmo foi Hands to Myself. É superdançante, com uma batida muito boa e letra fácil, fora que o clipe é maravilhoso. Amo clipes com histórias e neste aqui ela aparece uma fã doida que invade a casa de um ator famoso. Selena voltou com tudo e estava com uma agenda lotada de shows, inclusive aqui no Brasil, mas precisou cancelar para fazer um tratamento contra o lúpus. Desejamos melhoras e muita inspiração na volta para continuar arrasando!

No – Meghan Trainor

Não sei vocês, mas eu achava que a Meghan Trainor não continuaria a fazer o mesmo sucesso de 2014, quando lançou I’m All About That Bass. Ela não só continuou, como está ainda mais em alta. Neste ano, ela cantou a música-tema do filme do Snoopy e até ficou ruiva para lançar um novo CD. O primeiro single é No, que eu achei meio chatinha no começo, mas agora até que passa. O que mais me impressiona é que lembra MUITO as primeiras músicas da Britney Spears, entre 1999 e 2000. Juro, parece até que a gente volta no tempo. O legal é que ela tem toda uma pegada feminista, então vale a pena escutar.

Send My Love (To Your New Lover) – Adele

Essa foi a grande surpresa do ano. Já contei aqui algumas vezes que não gosto das músicas da Adele. É muito sofrimento, muita gritaria e muita tristeza. Mas assim como a Taylor Swift e o Justin Biber, ela me mostrou que pode me fazer mudar de opinião. Vejam bem, continuo achando as músicas um porre, mas Send My Love é uma graça! Toda animada, com uma batida gostosa, sem gritos histéricos e o mais legal, com uma letra que combina super com o meu momento. Vou dizer que até eu me surpreendo quando toca no rádio e eu aumento o volume para cantar junto!

Cheap Thrills – Sia feat. Sean Paul

Já faz um tempo que a Sia conquistou um lugar de peso entre as maiores cantoras da atualidade. Ela já tem uma porção de hits de sucesso por aí, mas conquistou ainda mais fãs com essa música. Eu adoro a letra, me identifico muito e acho superbonitinha. A batida também é ótima para dançar em casa e a parceria com o Sean Paul ficou muito boa. Ele, aliás, fez outra parceria neste ano com a banda Magic na música Lay You Down Easy, que também é ótima!

Lush Life – Zara Larson

O que eu mais amo nesses aplicativos de música é a possibilidade de conhecer bandas e artistas novos. Foi exatamente o que aconteceu quando o Spotify me sugeriu esta música. Passei batido da primeira vez, mas fiquei com ela na cabeça por dias e dias. Fui pesquisar e descobri que a Zara é sueca, tem 19 anos e já tinha lançado outros CDs depois de ganhar um reality show musical. Lush Life é um dos maiores sucessos da cantora, que também foi chamada para gravar a música tema da Eurocopa com o David Guetta e fez uma parceria com o cantor MNEK em Never Forget You. Não por acaso, concorreu ao prêmio de artista revelação no Video Music Awards deste ano.

Closer – The Chainsmokers

Assim como a Zara Larson, esta dupla de DJ tem motivos de sobra para festejar o ano de 2016. Eles lançaram um EP no finzinho do ano passado e, de lá para cá, só colecionaram sucessos: Roses, que chegou aqui no Brasil no primeiro semestre e Don’t Let Me Down, em parceria com a cantora Daya que explodiu no mundo todo. Closer, a música mais recente, foi feita junto com a cantora Halsey (outro sucesso em 2016) e levou os Chaismokers de vez para o topo das paradas. Além da mesma batida empolgante das outras músicas, Closer tem uma letra superfofinha!

Música do ano: Work – Rihanna feat. Drake

Aposto que só de ler o nome da música aqui em cima, você já cantou e dançou mentalmente “work, work, work, work, work”. É, amigas, RiRi é mesmo uma máquina de fazer sucessos e já emplacou o hit de 2016 logo no primeiro mês do ano. O lançamento do clipe foi muito polêmico porque mostra de tudo (tudo mesmo!), tanto que ela fez uma versão mais light. A estratégia foi ótima, todo mundo viu e aprovou o refrão chiclete. Meses depois viajei de férias para Nova York e essa música tocava, no mínimo, quatro vezes por dia. Fora que a parceria com o Drake levantou várias suspeitas de que eles estariam namorando. A gente te ama, RiRi! Continue assim!

 

Um beijo e até o próximo post!