Posts em destaque

[Especial Retrô] – As músicas de 2015

 

 

Todo fim de ano pede uma retrospectiva dos principais acontecimentos dos últimos anos, então a partir de hoje o blog será tomado por uma série de posts para que a gente possa recordar esses episódios antes de dar adeus a 2015. O Especial Retrô começa com um dos meus assuntos favoritos: música. Você se lembra das canções que mais escutou neste ano? Pois elas estão bem aqui:

 

Blank Space – Taylor Swift

O segundo single do álbum 1989 (considerado um dos melhores de 2014) foi lançado no finzinho do ano passado, mas continua bombando até hoje. Nós não apenas decoramos a letra, como amamos o clipe, cheio de cenas de ciúme em meio a um cenário composto por casarão, cavalos, figurinos lindos e um boy pra lá de magia. Taylor conquistou gente que não gostava dela (tipo eu), virou nossa best e lançou mais um monte de sucesso neste ano: Style (minha favorita), Bad Blood e Wildest Dreams. 2015 é dela! Eu até comprei o CD e amei!

 

Love Me Like You Do – Ellie Goulding

Amo a Ellie desde a época de Lights, mas ela não era tão conhecida por aqui até lançar Burn em 2013, que só explodiu nas rádios brasileiras no ano passado. Em janeiro deste ano, ela lançou a música tema do filme Cinquenta Tons de Cinza. Gostei no início, aí vi o filme e odiei e agora remeto a canção a toda história furada da trilogia. Fora que toca tanto, mas tanto, que eu peguei um bode. Agora viciei em On My Mind, outra música dela.

 

Sugar – Maroon 5

Candidatos a clipe do ano? Temos aqui um ótimo representante. Bastou nosso muso Adam Levine e sua turma invadirem casamentos ao som de Sugar que nós passamos a nos imaginar no lugar daquelas noivas sortudas. Depois rolou uma história de que os casamentos eram fakes, mas a gente não ligou muito. A música, aliás, estourou, ganhou verão remix com a Nicki Minaj e continua tocando muito até hoje. Já virou clássico, sabe?

 

Jealous – Nick Jonas

Conheci esse menino há muitos e muitos anos, quando ele ainda era da boyband formada pelos Jonas Brothers. Achava-os bem uó naquela época, mas ele cresceu e lançou uma das melhores músicas deste ano. Tanto que eu precisei acionar o aplicativo mara Shazam para descobrir quem cantava e me surpreendi com a resposta. Confesso que eu já enjoeei um pouquinho, mas ouvi muito. O refrão, aliás, não sai da cabeça: I still get jealooous…

 

Uptown Funk – Mark Ronson  e Bruno Mars

Cota de músicas dançantes, daquela que a gente ouve e tem vontade de sair cantando pela rua? Temos uma ótima em 2015. Bruno Mars, que nos irritou no ano passado com a chata e sofrida When I Was Your Man, voltou com uma música bem mais agitada e letra fácil de ser decorada. Não teve quem não tenha escutado e gostado. O problema é o mesmo que acontece com todas as músicas dele: elas tocam várias vezes ao dia, às vezes simultaneamente em rádios diferentes, e aí não tem como não enjoar.

 

When I See You Again – Wiz Khalifa e Charlie Puth

Músicas de rap feitas em parceria com cantores pop são um clássico, principalmente as baladinhas. Eis aqui um ótimo exemplo, lançado como tema do filme Velozes e Furiosos 3 mil (mentira, foi o 7, mas tenho um bode terrível desses filmes) e uma espécie de despedida ao ator Paul Walker, que morreu em 2013. Achei bonitinha nas primeiras vezes que escutei, mas também enjoei. Agora até mudo de estação quando começa a tocar.

 

Thinking Out Loud – Ed Sheraan

E quanto à balada chata e melosa do ano, temos alguma representante em 2015? Temos uma super representante. Tenho uma birrinha do Ed (me julguem), mas até achei a música fofa no começo. O problema é que TODO MUNDO começou a compartilhar o vídeo, postar trechos como legenda de foto do Facebook, virou tema da novela das sete, o clipe passa umas 700 vezes por dia, a música toca toda santa hora… Virou A música de 2015, mas eu não aguento ouvir por mais de cinco segundos.

 

Worth It – Fifth Harmony

Essa música foi eleita como a melhor do verão norte-americano (que vai de junho a setembro, o mesmo período em que nós estamos no inverno) e o fato é que o ritmo é mesmo muito gostoso. É só ouvir para começarmos a dançar involuntariamente. Até custei para acreditar que a música era do Fifth Harmony de tão diferente do que elas vinham fazendo. As meninas bombaram, conquistaram novos fãs e Worth It virou o maior sucesso do grupo.

 

Budapest – George Erza

Também temos a cota de músicas calminhas que tocam até mesmo naquela estação que a sua mãe adora ouvir (sim, a mesma que toca aquelas canções de mil novecentos e bolinha). Não conhecia o cantor, mas achei a letra e a música tão fofinhas que acionei o Shazaam na primeira vez em que ouvi e ela foi no mesmo dia para o meu iPod. Sei que ele até é conhecidinho em outros países, mas arrisco dizer que ele cairá naquele limbo terrível de cantores de apenas um hit. Será?

 

No Way No – Magic!

Por falar em cantores de apenas um sucesso, tinha certeza absoluta de que o Magic! nunca mais conseguiria outro feito depois de Rude (que explodiu em 2014). E olhem só como eu estava enganada: o grupo canadense estourou com No Way No, que segue a linha da música antecessora no maior estilo fofinho de ser. E eles também vieram uma porção de vezes ao Brasil desde então, inclusive no Rock in Rio, e a galera cantou junto!

 

Lean On – Major Lazer e MØ

Entre as melhores músicas de um ano, sempre tem aquela feita por um DJ em parceria com uma cantora da Europa. Em 2015, esse lugar foi muito bem ocupado por Lean On, cantada pela dinamarquesa MØ. O que ela tem de legal? A batida diferentona, que faz a gente sair dançando, o refrão chiclete e o clipe, todo inspirado em uma coreografia indiana. Existe até um vídeo no Youtube que te ensina a copiar os passos… Sucesso na certa!

 

Cool For The Summer – Demi Lovato

Não gosto da Demi, gente! Que me perdoem as fãs, mas eu acho que ela canta com voz de dor de pedra no rim (eu já tive isso, então sei bem do que estou falando rs). Mas o fato é que ela lançou um CD neste ano, depois de ficar um tempo parada, e voltou com força total. Cool For The Summer foi o primeiro single e bombou em todas as rádios do mundo. Até escuto outras músicas dela, mas essa aí não me desceu. Ainda acho que a voz dela está MUITO diferente no começo da canção.

 

Want To Want Me – Jason Derulo

Está entre as minhas músicas favoritas de 2015. Ouvi um dia bem baixinho, em um carro cheio de gente, e mesmo assim gostei a ponto de ligar mais uma vez o Shazaam para descobrir o nome e o cantor. Foi em uma viagem de um fim de semana e ela tocou tanto, mas tanto, que a primeira coisa que fiz quando voltei foi baixar e colocar no iPod. Sem falar que eu tenho mania de ouvir uma música e imaginar como seria o clipe e este aqui é a típica história em que as pessoas param a rua para dançar. É totalmente viciante!

 

Black Magic – Little Mix

2015 também foi o ano das girlbands. Enquanto Worth It é mais sexy, Black Magic é a típica canção fofinha cantada por um grupo de meninas. Tem toda aquela melodia pop e teen bem do início dos anos 2000, letra bobinha mas superfácil de decorar e ritmo alegre. Sabe aquelas que a gente canta no banheiro na frente do espelho fazendo a escova de microfone?

 

What Do You Mean – Justin Bieber

Nunca gostei do Justin Bieber. Sempre achei as músicas horrorosas e tenho certeza de que ele vai morrer cedo por causa dos problemas com drogas e tal (desculpem, fãs), mas ele lançou algumas músicas neste ano que, sim, eu confesso: são MUITO boas. Where Are U Now é fofa, Sorry tem toda uma batida caribenha e What Do You Mean É A MELHOR MÚSICA DE TODOS OS TEMPOS!!!! Ok, exagerei, mas é a minha favorita do ano. Se pudesse resumir minha vida em 2015 em uma música, aqui estaria a resposta. Ah, mas eu ainda acho que o Justin é idiota e tenho vontade de bater na cara dele quando ele dá aqueles ataques birrentos…

 

Cheerleader – OMI

Falando em ritmo caribenho, sempre que escuto Cheerleader me lembro do Sebastian, de A Pequena Sereia, com sua voz jamaicana. É uma música tão alegre, tão pra cima, tão feliz… A gente pode ouvir mil vezes que não cansa. Fora que a letra é tão fofa que a gente decora em um segundo. O OMI escreveu essa música há anos, mas ela só bombou agora e se tornou seu primeiro grande sucesso. Tomara que esteja errada, mas existe uma grande chance de ser seu único. Vamos esperar para ver!

 

Can’t Feel My Face – The Weeknd

Parece nome de banda, mas The Weeknd é, na verdade, o nome artístico de um cantor canadense. Ele tem discos lançados desde 2011, mas eu só conheci mesmo neste ano com Earned It, também do Cinquenta Tons de Cinza (a trilha sonora, aliás, é a única coisa boa do filme). Daí ele lançou algumas colaborações com outros artistas, como a Ariana Grande, e fechou o ano com chave de ouro com Can’t Feel My Face. Acho a letra um pouco pobrinha, mas o ritmo é muito bom. Também está na lista das melhores de 2015.

 

Hello – Adele

Mais uma que voltou e deu muito o que falar em 2015. Adele é querida por muita gente, menos por mim. Vou explicar: ela é linda, maravilhosa e tem uma voz incrível, mas por que fazer um CD inteiro dedicado ao ex-namorado? Quem é que perde tempo com ex, gente? Juro que esse cara deve se achar o máximo pensando que ela ficou famosa por causa dele. Mas vamos ao que interessa: ela lançou um CD depois de muitos anos parada, disse que está mais madura, mas ainda acho que Hello tem o dramalhão característico da cantora. Apesar disso, vou confessar: sempre escuto quando toca na rádio.

 

Os looks do American Music Awards 2015

Sabe quando eu sei que o ano está, de fato, acabando? Quando vejo o American Music Awards (AMAs)! Como o próprio nome indica, a premiação é conhecida por reunir os grandes nomes da música e os famosos que fizeram bonito ao longo do ano. A edição de 2015 rolou ontem (22) e deu o que falar: apresentações diversas (inclua aqui: Selena Gomez, Ariana Grande, Nick Jonas, Justin Bieber, Demi Lovato, Gwen Stefani, Alanis Morissette, One Direction e por aqui vai) com milhões de efeitos e caras e bocas. Ah, tivemos também J.Lo como apresentadora fazendo a gente morrer de inveja do corpaço que ela mantém aos 46 anos de idade (acho injusto a gente se matar no abdominal e ter que lidar com tanta beleza depois, não é mesmo?).

Por falar nisso, o que a gente mais gosta de ver nessas ocasiões é o tapete vermelho. Assisti do começo ao fim e posso garantir que foi uma noite complicada. Muitas apostaram em modelos ultradecotados, deixaram as pernocas de fora e escolheram cores mais neutras – o preto bombou -, mas a principal tendência foi o coque bem no alto da cabeça, no maior estilo cocoruto. Será que essa moda pega? Enquanto pensamos, vamos aos looks:

 

Selena Gomez

Selena

Selenita foi uma das primeiras a cruzar o red carpet e arrancou suspiros do mundo inteiro, além de ter sido considerada uma das mais bonitas da noite. Adoro essa tendência de vestidos metalizados e acho que a cor ficou linda nela, mas tem algo que incomoda MUITO nessa produção: esse cabelão de Maria Madalena. Todas nós sabemos que os cabelos longos não são mais vistos com bons olhos e falta uma tesoura pra dar um movimento nos fios, concordam? Fora que teria ficado bem melhor se ela prendesse e mostrasse as costas com esse decotão todo…

 

Gigi Hadid

Gigi

A modelo tem motivos de sobra para comemorar 2015, afinal, nunca esteve tão em alta. E temos que concordar: ela é linda, tem um corpão, a vida toda pela frente (apenas 20 anos de idade, gente!) e ousadia de sobra para pisar no tapete vermelho com esse modelo feito para poucas. Vamos lá: cropped, recortes em cima, decote profundo, saia justíssima e uma fenda generosa. Ficaria vulgar em qualquer pessoa, mas ela segurou e foi considerada uma das mais bonitas. Eu não curti muito, mas AMEI essa make trabalhada no nude (ponto certo para valorizar a roupa). E tem mais: ela NÃO cortou o cabelo, disse que foi apenas um truque. Passa esse truque pra gente, Gigi!

 

Gwen Stefani

Gwen

AMO a Gwen! Acho que ela tem um pacto secreto para se manter jovem e linda por tanto tempo. A mulher tem 46 anos de idade – sim, você leu certo: QUARENTA E SEIS – e está muito mais bonita do que a época de vocalista do No Doubt. Por isso, a gente releva esse modelito que está mais para mulher-aranha/viúva alegre and sexy. Sabemos que não ficou bom, mas não consideramos a pior da noite porque é a Gwen e ela pode usar o que quiser. Afinal, olha o sorrisão (mais uma que apostou no batom nude, perceberam?) e o cabelo 60s. Quero ser como ela quando crescer!

 

Demi Lovato

Demi

Ok, momento confissão: não gosto da Demi. Passam-se os anos e eu continuo achando que ela canta com voz de dor de pedra no rim (desculpem-me, fãs!). Seja como for, pisquei várias vezes até ter certeza de que era ele nesse vestido. Isso porque ela anda investindo em looks mais sensuais e decotados para mostrar que está em forma, então pra que esse modelo extremamente formal e ainda mais nessa estampa bem duvidosa? O pior de tudo, para mim, é o cabelo estilo diva dos anos 30 que não combinou com o vestido e com a make pesada. Parafraseando nosso amado Hugo Gloss: não ficou cool for the summer. Sorry, Demi!

 

Ciara

Ciara

Ela é linda? É! Tem músicas que fazem a gente se acabar de dançar? Tem! Está com o corpo devidamente em dia? Ô, se tá! Particularmente, não gostei muito do vestido porque pareceu que ela queria apelar e ela não tem porque fazer isso (basta analisar os argumentos que falamos antes). Mas juro que ela está tão linda que eu vou passar. Cadê celulite, braço gordinho, gordurinhas a mais e aquela pancinha que a gente não perde por nada? Ela parece até uma boneca de tão surreal. Fora que a make puxada para o bronze está sucesso! Só não curti o rabo, parece ter sido feito aos 45 do segundo tempo. Um coque funcionaria melhor!

 

Nina Dobrev

Nina

Incluí a Nina neste post só para lembrar de que a gente pode fazer mil tratamentos capilares, mas nunca termos fios tão poderosos como estes acima. Mas me incomoda um pouco essa estampa, acho que deu uma envelhecida. Fora que a capa combinada deixou o look ainda mais pesado e ficou desnecessária. Também teria prendido o cabelo para valorizar o decote tomara que caia. Ah, mais um exemplo de make (bem) natural, mas aqui acho que ficou básica demais. Faltou um acabamento! Mas é a Nina e ela já me prendeu em frente à TV por muitas horas e episódios de The Vampire Diaries, então está ok.

 

Rebel Wilson

Rebel

Antes que alguém diga (ou escreva alguma coisa), falo logo que eu estou adorando esse movimento contra a ditadura da beleza e que as gordinhas devem sair por aí sem medo de serem julgadas, ok? Tanto que o problema maior aqui não é nem o vestido, mas o excesso de informações. Tecidos brilhantes já chamam atenção e o torcidinho na altura da cintura aumentou a barriga. O cabelo volumoso com pegada anos 60 também pesou, assim como a maquiagem, trabalhada com tanto contorno que deixou o rosto dela achatado. Seja como for, a Rebel estava toda feliz porque ganhou o prêmio de melhor trilha sonora com o filme Pitch Perfect 2 – aliás, AMO a personagem dela no filme!

 

Kendall Jenner

Kendall

Você pode gostar ou não do clã Kardashian/Jenner, mas tem que concordar quando o assunto é a beleza da Kendall. Ela é tão bonita que segurou com classe a tendência do coque-cocoruto e ficou MARAVILHOSA de franja! Aliás, amei o conjunto do penteado com a make-nada e o brinco com pegada egípcia. Mas o vestido é um pouco estranho né? Principalmente na parte das costas. Mas a pessoa é modelo, magra, com pernas longas e ar fino, então passa.

 

Kylie Jenner

Kylie

Já ouvi falar que a Kylie é a nova Kim. Se o assunto for cafonice nos looks, podemos dizer que ela está seguindo os passos da irmã mais velha. Ficou feio, né? Não tinha necessidade nenhuma de ser tão vulgar. Couro, recortes, fendas… É muita coisa em um look só! Mas gostei do rabo de cavalo e da maquiagem. E vou dar um desconto porque a menina tem só 18 anos e, segundo as revistas norte-americanas de fofoca, está passando por um momento complicado. Outro dia vi um vídeo em que a criticam e realmente pegam pesado!

 

Chloë Moretz

Chloe

Tenho muito carinho pela Chloë porque ela viveu a Mia em Se Eu Ficar, mas ela precisa URGENTEMENTE de um stylist. Pra ontem! Ela já vinha derrapando no tapete vermelho, mas resolveu ir à festa em cima da hora e investiu naquele look que a gente usava quando éramos adolescentes e íamos para a balada querendo impressionar, lembram? Quem pisa em um tapete vermelho usando TIC TACS no cabelo? Sério, quis chorar quando vi. Vou dar mais um crédito porque é a Chloë e ela só tem 18 anos, mas o sinal de alerta foi aceso.

 

Ellie Goulding

Ellie

Gosto muito da Ellie, mas ela também anda precisando de um stylist. Não dá para defender esse look pedrita moderna combinado com o penteado wet hair. Nem vou falar muito porque eu gosto de verdade das músicas dela. Mas sério: me ajuda a te ajudar, miga!

 

Tove Lo

Tove Lo

Sei que muita gente pode torcer a cara, mas a Tove Lo faz a linha estranhona da Lorde, então achei que o look combinou com ela. Fora que deu uma super ilusão ótica, então tá valendo. Curti o cabelo jogado para trás, para destacar mais o modelo, e a make dark. Foi uma escolha ousada, mas assertiva.

 

Fifth Harmony

Fifth

Vou ser rápida: nunca vi tanto vestido feio reunido em uma única foto. Salvo o primeiro, que tem a transparência, mas acho que merecia um pouco mais de classe. Será que elas não têm uma amiga para dar conselhos sinceros? Sério, estão precisando.

 

Jennifer Lopez

JLO

J. Lo usou VÁRIOS modelitos, mas trago aqui o mais polêmico. Teve gente até dizendo que parecia uma melancia. Mas querem minha opinião? Eu AMEI! Usaria aqui e agora, claro que com um pouquinho menos de volume na saia. Curti a cor, o brilho, a tendência do degradê (tá em alta, gente!), o sapato claro que alonga a perna e o comprimento mídi. O problema mesmo é o coque-cocoruto. Faço esse penteado direto quando vou tomar banho e não quero molhar o cabelo, então não consigo ver como algo glamouroso.

 

Meghan Trainor

Meghan

Meghan é a prova de que menos é mais: o vestido básico preto ficou bonito e clássico. O cabelo ondulado jogado para frente deu um toque mais jovem (lembro que ela só tem 21 anos), mas o olho marcado + batom vermelhão pesou. Seria melhor se fosse com uma opção mais puxada para o rosa. Verdade seja dita, a cantora foi a grande vencedora da noite. Não, ela não levou prêmios, mas deu um beijaço no Charlie Puth. Juro, fiquei sem ar e com uma pontada de vontade de beijar alguém assim também:

E essa mãozinha boba?

E essa mãozinha boba?

 

Ariana Grande

Ari

Ari finalmente deu adeus ao aplique cafona de debutante, fez uma apresentação bacana, está com uma música boa, mas falta um salzinho, né? Para mim, ela ainda se comporta como uma garotinha de 15 anos. Olha a pose na hora de tirar foto e o bendito do coque no alto da cabeça. Fora que eu acho o vestido feio, pronto falei. Mas ela desbancou Taylor Swift e ganhou como artista feminina do ano. Tá bom para vocês?

 

A pior da noite: Zendaya

Zendaya

Conheço essa moça de nome, não faço ideia do que ela canta, mas tenho certeza absoluta de que ela saiu de casa querendo se tornar um flamingo. Que coisa mais feia! Uma rendinha bem mequetrefe, daquelas que a gente paga baratinho no centro, sabem? Ficou tão brega e tão cafona. E o sapatinho combinando? Seria uma versão pomposa da Penélope Charmosa? Uma roupagem moderna da Pantera Cor-de-Rosa? Um algodão doce de salto alto? Juro, amiga, volta para casa e tenta de novo porque não rolou MESMO.

 

A melhor da noite: Carrie Underwood

Carrie

 

Fiquei muito na dúvida entre a Meghan Trainor e a Carrie Underwood para ocupar o posto de melhor da noite, mas optei pela Carrie porque ela já está no meu radar do tapete vermelho há muitos e muitos anos. Acho que a musa country é uma das mulheres mais bonitas do mundo (acho mesmo) e normalmente ela arrasa. Não gostei 100% do look (tem brilho demais), mas ela segurou com muita classe. E eu AMEI o cabelo solto bem escovado e a make com olhos marcados. Ficou diva na medida certa!

 

E você, assistiu ao AMAs? O que achou dos looks?

 

Fotos: Just Jared e Pure People