Posts em destaque

Diário de viagem: Disneyland Califórnia e Las Vegas – Dia 8

Olá, pessoal! Mais um diário da viagem novinho, com o meu dia favorito do nosso roteiro. Já contei aqui algumas vezes que eu sou completamente apaixonada pelos Estados Unidos e tenho uma meta pessoal: conhecer todos os estados (por enquanto, conheci 7). Desde pequena, sonhava em conhecer o Grand Canyon. Um dos motivos que me levou a fechar a viagem para Las Vegas era a possibilidade de realizar esse sonho – e ainda conhecer um novo estado, já que o Grand Canyon fica no Arizona.

A Tâni, minha amiga que viajou comigo, também queria conhecer o Grand Canyon. Nós anotamos todos os passeios e shows que queríamos ver e cada uma foi comprando uma coisa por mês. Ela viu um tour muito legal da empresa Comedy on Deck que saía de Las Vegas e que dava direito a café da manhã e almoço. O preço era bacana também e a gente fechou. Eu recomendo comprar o passeio pelo menos uns 3 ou 4 meses antes.

Se você quer ir para o Grand Canyon, é importante saber que as excursões saem bem cedinho, até porque são 3 horas de estrada até chegar lá. Verifique também de qual lugar o ônibus sairá, normalmente eles passam por alguns hotéis da Strip, a avenida mais famosa de Las Vegas. Mais uma coisa: muitas empresas pedem para você ligar dois dias antes para confirmar sua presença. Marca na agenda e não se esqueça disso, tá?

Como falei no post anterior, nós chegamos no nosso hotel pouco antes da 1h da manhã. Até tomar banho e tal, eu fui dormir depois das 2h. Já sabíamos que dormiríamos pouco porque o despertador estava marcado para as 5h, quando tivemos um remember daquele dia em que as meninas berraram no nosso hotel na Califórnia. De novo, tinham meninas gritando no quarto do lado e eu já estava pensando em ir bater na porta e reclamar, quando uma delas falou algo como: “é que ele matou o meu bebê”. JURO! Depois dessa, achamos melhor não fazer nada, mas logo o barulho passou.

Como foi o passeio

Acordamos às 5h morrendo de sono, mas animadas porque sabíamos que valeria a pena. Entre as opções de hotéis que o nosso ônibus passaria, o mais próximo de nós era o Circus Circus, que é bem fofo, mas vou falar dele mais para frente. Estava marcado para nos pegarem às 6:15, o tempo foi passando e nada. Chegamos a perguntar para outro guia se era o nosso, mas não era. Adivinhem? Quando o relógio marcou exatamente 6:15, o ônibus da Comedy on Deck chegou.

O ônibus era pequeno e não tinha muita gente. Eu preciso falar para vocês do Jason, o nosso guia, que era divertidíssimo. Sabe aquela pessoa ligada no 220V? No caminho, ele contou da vida toda dele, que já era pai de quatro crianças com 16 anos e que hoje tem seis, sendo que a mais nova ama assistir ao show medieval do hotel Excalibur (sim, ele contou tudo isso). Do nada, ele também soltava uns gritos tipo: “UHUU” e “STEVE STEVE STEVE” (Steve era o nome do nosso motorista). Pode parecer que ele encheu o saco, mas ele era MUITO divertido de verdade.

Logo que entramos, o Jason nos deu um papel com algumas opções de café da manhã. Todas as opções eram beeem americanas, então se você quiser um pão na chapa ou um misto quente, esquece. Acabei pedindo uma opção que vinha com duas torradas estilo french toast e algumas fatias de bacon e suco de laranja. O ônibus parou no restaurante uns 30 minutos depois e nós nos sentamos com um casal de Los Angeles bem simpático que queria saber de onde nós éramos, quanto tempo durava o voo do Brasil para lá e outras coisas.

Continuamos na estrada por mais uma hora e paramos na famosa represa Hoover Dam, que marca a divisa entre os estados de Nevada (onde fica Las Vegas) e Arizona. Essa parada é bem rápida, coisa de 20 minutos, mas deu para tirar fotos e gravar para o vlog, além de ficarmos impressionadas com a cor azul do rio. Não é algo imperdível, mas, se tiver tempo, eu recomendo dar uma passada.  

O que mais me impressionou na represa Hoover Dam foi a cor da água

Depois disso, continuamos nosso trajeto, com uma parada express em um posto de gasolina para o Steve abastecer o ônibus. Não sei muito bem quanto tempo durou esse caminho, mas eu cochilava, abria os olhos e via o deserto (que, diferentemente do que imaginamos, tem um aspecto mais esverdeado com vários daqueles cactos enormes). Cochilava de novo, abria o olho e via mais deserto.

Como é o Grand Canyon

O ônibus parou bem na entrada do Grand Canyon e nós pegamos uma fila para pegar o ônibus oficial de lá. Ao todo, são três paradas. A primeira é em um tipo de cidade do Velho Oeste que não tem nada para fazer e não tem vista do cânion (segundo o Jason, eles fazem essa parada só para desafogar o fluxo de pessoas nas outras paradas).

Seguimos direto para o próximo ponto, que é o Eagle Point. É lá que fica a passarela de vidro. Nós não subimos na passarela porque não achamos tão legal assim e custava mais U$ 25, fora a fila, que estava enorme. Depois de um tempo gravando e tirando foto, seguimos para a parada seguinte, chamada Guano Point.  

Nada como a sensação de sonho realizado, né?

Bom, o Grand Canyon é simplesmente MARAVILHOSO! É incrível ver que  tudo aquilo é obra da natureza e você se sente tão pequeno, é indescritível. Mas é importante destacar que não existem grades de segurança. Se você tropeçar ali, já era! Por isso, dá um medinho, mas nada grave. Ah, e nós fomos para o lado oeste do Canyon, o mais comum. Se quiser algo ainda mais legal, recomendo ir para o lado sul, que é o mais famoso, só que fica mais distante.

Foi nessa segunda parada que nós paramos para almoçar. O cardápio é fechado e eu achei que é tipo aqueles restaurantes de colégios americanos que a gente vê nos filmes. Eles entregam uma bandeja com purê de batata e saladinha e você escolhe se quer carne ou frango (escolhi frango). Deram também um cookie de sobremesa e uma garrafa de água. Se você quisesse outra bebida, precisava pagar.

Foi o dia em que mais sentimos calor na viagem toda. Conversamos depois com o Jason e ele disse que chegou a 116°F, que dá quase 47°C (!!!). Depois do almoço, seguimos para uma fila enorme para pegar o ônibus da volta. Sim, faz muito calor, mas a diferença é que os americanos são muito preparados para isso. Tanto que estávamos na fila e uma funcionária falou para irmos para a sombra por “questões de segurança”.

Sério, você precisa ir ao Grand Canyon pelo menos uma vez na vida

Nessa fila, acabamos fazendo amizade com a Maria, que estava no nosso ônibus. A Maria é mexicana, mas se mudou para os Estados Unidos com 4 anos de idade e mora em Chicago. Ela comentou que ADORA as novelas bíblicas da Record e que acha a Claudia Leitte muito linda. Também falou para avisarmos se um dia formos para Chicago e ainda virou nossa amiga no Facebook (beijo, Maria!).

Depois do Grand Canyon

Eu sei que o post está enorme, mas o nosso dia não acabou aí (eu avisei que foi o meu dia favorito da viagem). Nós dormimos boa parte do caminho de volta e quando estávamos perto de Las Vegas, o Jason perguntou o que nós iríamos fazer no restante do dia (eram umas 17h). Eu falei que queria muito ir no hotel Stratosphere para andar nos brinquedos que ficam no alto da torre, a mais de 350 m de altura. Nisso, ele responde: “ela é um pouco louca, né?”. Sim, eu sou! 🙂

A moça que estava sentada na nossa frente, chamada Kim, virou para trás e perguntou se a gente queria avisar para ela quando fôssemos no Stratosphere porque ela estava hospedada lá e, com isso, não precisaríamos pagar para subir. Trocamos contato e as duas moças que estavam do outro lado do ônibus falaram que também gostariam de ir lá, pois iam voltar para Nova York só à noite e ainda tinham algumas horas livres. Bom, acabou que juntou todo mundo e nós fomos direto para o Stratosphere.

Antes de continuar vocês precisam saber que eu sou apaixonada por brinquedos radicais e sempre mato meu tempo livre assistindo a vídeos de montanhas-russas espalhadas pelo mundo. Por isso, eu vivia dizendo que, se um dia fosse para Las Vegas, não iria voltar sem andar nos brinquedos do Stratosphere. Por brinquedos, entendam: uma espécie de gira-gira que fica suspenso no ar; uma gangorra muito louca que te deixa pendurada para fora do prédio; um elevador que despenca e um tipo de bungee jump. Tudo isso a mais de 350 m de altura! Como falei: eu sei que sou louca, mas sou feliz desse meu jeitinho rsrs.. 

Essa é a vista do Stratosphere. Tranquilo, né?

Acabou que mesmo com toda a gentileza da Kim, de nos levar para o alto da torre, eu precisei pagar U$40 para subir e andar nos brinquedos (não dá para pagar só para andar nos brinquedos). Mas, olhem, realizei o sonho de andar neles, então tá valendo!

O primeiro foi o gira-gira, chamado Insanity. Eu estava com MUITO medo (eu também sinto medo, gente) até porque a Tâni não foi e eu fiquei ali, sentada sozinha. Até que um menino sentou em outro carrinho, perguntou se eu tinha medo de altura (não tenho) e respondeu que era muito divertido e que eu ia gostar. Ele me tranquilizou. Vocês podem me achar ainda mais louca, mas eu AMEI! Ele gira muito rápido e quando você se dá conta, já acabou!

Depois dele, fui para a gangorra, chamada X-Scream. Fui completamente sozinha, não tinha mais ninguém no carrinho e eu fiquei um pouco apavorada no começo, especialmente porque fica uma galera do lado de fora olhando como se você fosse um animal no zoológico. Dá mais medo do que o Insanity, mas se você curte coisas assim e não liga para altura, vai AMAR! Eu super iria de novo.

Nos despedimos da Kim e fomos a pé até uma loja chamada Bonanza, que é a maior loja de suvenires do mundo. Na real, é tudo bem chinfrim, então pedimos um Uber e fomos até a Freemont, uma rua no centro velho de Las Vegas que tem uma parte coberta e uma tirolesa que passa por todo esse pedaço. Não fui na tirolesa porque eu tinha acabado de ficar pendurada a mais de 300 m de altura, então, achei meio bobo.

A cada hora, luzes se ascendem nessa parte coberta ao som de algumas músicas de bandas. Quando estávamos lá, eles tocaram músicas do Green Day. Aproveitamos para jogar nos cassinos de lá (uma vez em Vegas…) porque dizem que é mais barato do que os cassinos da Strip. Para vocês terem uma ideia, apostei 5 dólares e…perdi os 5 dólares, óbvio! 

Não dá para negar: o teto colorido da Freemont é lindo demais

Não diria que a Freemont foi uma decepção, mas eu esperava mais, sabem? Não achamos nenhum lugar legal para comer lá, a galera estava um pouco over (lá, sim, eu vi gente quase pelada e bêbada) e a parte fechada é relativamente pequena.

Chamamos outro Uber e fomos até o Circus Circus, o hotel em que esperamos o ônibus para nos levar até o Grand Canyon, lembram? Ele é bem bonitinho porque tem essa temática de circo e conta com um andar só com aqueles joguinhos do tipo “acerte a boca do palhaço” ou “derrube as latas”. Já era tarde, estávamos mortas de cansaço mais uma vez e vimos um Mc Donald’s bem no meio desses joguinhos. Entramos, enfrentamos fila e gritaria para fazer nossos pedidos e depois voltamos para o nosso hotel.

 

Foi o dia que eu mais gostei da viagem inteira porque eu realizei o sonho de conhecer o Grand Canyon, fiz amizade com outras pessoas, fiquei pendurada a 350 m de altura, desafiei meu próprio medo e me senti independente.

Faltava uma coisinha só para eu ficar completamente feliz: fazer compras. E foi exatamente o que fizemos no dia seguinte, mas isso é assunto para outro post.

Um beijo e até lá!