Posts em destaque

[Especial Retrô] Os melhores filmes de 2015 – Parte 1

 

Este é outro post obrigatório na retrospectiva do blog. Afinal, quem resiste a um bom filme, ainda mais acompanhado de pipoca ou de uma panela de brigadeiro? No quesito cinema, 2015 talvez não tenha sido tão rico quanto o ano passado (fiz algumas pesquisas e a maioria dos que selecionei estrearam em períodos específicos do ano), mas foi surpreendente. Tivemos opções que ninguém esperava nada, mas que se revelaram maravilhosas e outras que não foram assim tão boas como a expectativa. Veja alguns exemplos:

 

Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)

birdman1Ouvi falar tão bem deste filme antes de chegar ao Brasil que quase não aguentei de ansiedade. Ele só chegou aqui no finzinho de janeiro, então foi difícil esperar. E aí comecei a ler comentários de gente que não tinha gostado tanto assim. Quem acompanha o blog com frequência sabe que eu AMO quando um assunto divide opiniões porque sinto que preciso ter a minha. Neste caso, fiquei com a galera que curtiu para valer.

A trama gira em torno de um ator em decadência conhecido por interpretar o super-herói Birdman no passado. Agora ele quer dar a volta por cima estreando uma peça na Broadway. Pode até parecer simples, mas é um filme complexo, ou seja, não é fácil de entender em um primeiro momento. Mas fala sobre a boa e velha loucura interior que todos nós temos e eu sou completamente apaixonada por filmes de terror psicológico, então adorei de verdade. E vale lembrar: este filme foi o grande vencedor do Oscar.

 

Relatos Selvagens

erica-rivas-em-cena-de-relatos-selvagens-1413483857763_956x500Por falar em Oscar, outra boa surpresa – que foi indicada na categoria de filme estrangeiro, mas que, infelizmente, não ganhou – foi este longa argentino, sucesso ao redor do mundo. Confesso que vi o trailer algumas vezes, mas não esperava muita coisa nem mesmo quando entrei na sala do cinema ou quando vi a nota altíssima no IMDB. Mas, na real, está na lista dos meus filmes favoritos da vida.

O que ele tem de tão bom? Talvez a proximidade com a realidade. São várias histórias diferentes, mas todas mostram as consequências de momentos de descontrole. Claro que é tudo muito exagerado, especialmente a do casamento, mas chega a ser tão louco que a gente ri de verdade, a ponto de doer a barriga. E pode apostar, é um daqueles que nós podemos ver e rever diversas vezes sem enjoar.

 

Cinderela

cinderelaA Disney está seguindo firme e forte com o seu projeto de filmes live action, que nada mais são do que versões de animações clássicas com atores de carne e osso. Neste ano, a grande aposta foi em Cinderela, uma das princesas mais queridas do mundo. Eu tinha o VHS (sim, nasci muito antes do DVD) quando criança e sabia todas as cenas e falas de cor – aposto que você também.

Ao contrário de Malévola, que apresentou uma nova versão de A Bela Adormecida, este aqui é completamente fiel ao desenho. Temos algumas adaptações, claro, mas tudo lá é igualzinho ao que você já viu. Por mais que a gente saiba que a vida real não é bem assim, é impossível não se emocionar quando a fada madrinha aparece e a protagonista finalmente entra no seu clássico vestido azul, mas com sapatinhos de crital Swarovski (fina, não?). Chorei feito boba!

 

Divertida Mente

Divertida-Mente-PixarPrecisa de um candidato a melhor filme de 2015? Aqui está e arrisco dizer que talvez seja um dos melhores filmes da vida. E o melhor de tudo: a reação do público foi surpreendente. Digo por mim mesma: sabia do que se tratava o filme meses antes e não botei a menor fé. Achei fraquinho, sabem? Mas bastou estrear para arrancar lágrimas e críticas excelentes. Demorei muito para ver, mas valeu cada minuto de espera. É um dos filmes mais lindos que eu já assisti.

Para quem não faz a menor ideia do que estou falando, a história se passa dentro da mente de uma garota de 11 anos, onde tudo é controlado a partir de emoções (alegria, tristeza, medo, raiva e Nojinho). Tem a ver com a construção da personalidade e as lembranças da nossa infância, mas tudo é feito de forma muito inteligente. Já assisti duas vezes e chorei nos mesmos momentos. Estou na torcida pelo Oscar de melhor animação!

 

Que Horas Ela Volta?

cms-image-000463135

Falando em torcida pelo Oscar, quero muito que o Brasil fique ao menos entre os cinco indicados a melhor filme estrangeiro. É que, desta vez, eu realmente acho que será merecido. Que Horas Ela Volta? é a nossa melhor produção nacional. E sabe o que é mais legal nisso tudo? Não tem tiroteio, favela, gente pelada e outras coisas que estamos acostumadas a ver. É puramente cotidiano, daí a fácil identificação.

A história se passa quase o filme todo em um casarão de uma área nobre de São Paulo, onde é explorada a relação patrões-empregada. Ela cuida da casa enquanto todos estão trabalhando e se torna praticamente uma mãe para o filho da família, mas tudo entra em conflito quando sua filha chega do Nordeste. Aí percebemos que a patroa explora a empregada, não dá o tratamento que ela merece e por aí vai. Ah, e não tem chororô. É tão real que a gente até ri.

 

Minions

cena-de-minions-1435125051296_956x500Fazia dois anos que todas nós aguardávamos ansiosamente por este filme. Sabíamos que as adoráveis criaturinhas amarelas (que aprendemos a amar em Meu Malvado Favorito) teriam uma história própria, então foi uma verdadeira comoção quando ela finalmente chegou por aqui. Os minions estavam em todos lugares, do brinde do Mc Lance Feliz a coleções de roupas. Tanto que muita gente se estressou e passou a postar que não aguentava mais.

Mas e em relação ao filme? Bom, aqui está um exemplo do que falei lá em cima sobre aqueles que prometiam demais. Não que seja ruim, aliás, é uma graça, mas é um pouco cansativo porque eles têm um idioma próprio, então há partes em que não há falas concretas. Para ser sincera, o grande problema de Minions foi Divertida Mente. Eles estrearam praticamente juntos, mas o encanto foi maior com a animação da Pixar – a boa e velha culpa da concorrência.

 

O Pequeno Príncipe

0003Sim, você já sabe a história do aviador que encontra um príncipe no deserto depois que seu avião cai. A diferença aqui é que o enredo clássico ganha outro contexto, já que a trama principal gira em torno de uma menina que precisa passar o verão estudando, mas que se distrai com as histórias de seu vizinho – que, adivinhem só, se apresenta como o tal do aviador.

Os conceitos são os mesmos, mas, quando vimos como adultas, parece que a emoção é maior. Pois é, o filme é feito pra isso mesmo: fazer com que você tire o lencinho da bolsa e se preparar para muitas lágrimas. É bonito, leve e ideal para ver com crianças do lado.