Posts em destaque

9 tendências das novelas que fizeram muito sucesso na vida real

Sabemos que o público que assiste novelas está bem menor e que o Netflix realmente mudou nossa vida, mas não podemos negar que as histórias da televisão influenciam a moda. A cada tanto, surge algum acessório usado por uma personagem que causa um boom daqueles. Quer ver um exemplo? As meias de lurex da novela Dancin’ Days, exibida lá no finalzinho dos anos 70. Você provavelmente não assistiu, mas sabe que era normal sair por aí com as tais meias – e ainda por cima combinadas com sandálias de salto.

O mais legal de tudo? Não tem como prever quando e o que vai fazer sucesso. As apostas podem dar errado e aquilo que ninguém esperava torna-se a febre da vez. Separei algumas opções para relembrarmos. Aliás, fui vítima da maioria desses modismos (acontece, né?). Vem ver:

 

O anel/pulseira da Jade – O Clone (2001)

0111

Eu me lembro perfeitamente do dia da estreia dessa novela. Tinha 13 anos e naquela época, a internet já existia, mas não era do jeito que é hoje. Portanto, era normal sentar à frente da TV. Não sei bem quando começou, mas, de repente todo mundo queria o bendito do anel/pulseira da Jade. Qualquer loja de acessórios – inclusive as joalherias ricas – investiam na peça e a galera comprava em massa. Tive milhares porque sempre fui desastrada e quebrava o negócio em dois dias. Taí o começo da sensação que a atriz causa quando lança uma tendência.

 

Os vestidos soltinhos da Vitória – Belíssima (2005)

claudia-abreu-vestido-vitoria-02

Essa novela não fez tanto sucesso quanto O Clone, mas também me deixou sentadinha no sofá por horas. Parte do meu vício era explicado com o figurino da Claudia Abreu, marcado por vestidos longos, floridos e esvoaçantes. O auê veio alguns meses depois, quando o ano já tinha virado e eu estava no meu primeiro ano da faculdade. Lembro de passar o dia do meu aniversário de 18 anos com um vestido roxinho bem no estilo dos que a atriz usava. Eram lindos de verdade!

 

O esmalte azul da Clara – Em Família (2014)

o-esmalte-azul-de-giovanna-antonelli-na-novela

Essa novela foi exibida no ano passado e foi alvo de críticas negativas (confesso: era ruim mesmo). O que nos leva a crer que o único motivo que nos deixou ligadas em alguns capítulos era o tal do esmalte azul da Clara, personagem da Giovanna Antonelli (olha ela aí de novo). Não era nem preciso assistir para comprovar o sucesso: todo mundo sabia que o azul bic era tendência nas unhas. O tubinho, da marca da própria atriz, chegou até a esgotar em algumas lojas. Precisa dizer mais? Clique aqui para relembrar o post sobre o tema.

 

A blusa ciganinha da Babalu – Quatro por Quatro (1994)

ciganinha13

Como mencionei lá em cima, era comum reunir a família ao redor da televisão há algumas décadas. Um dos principais sucessos da década de 90, Quatro por Quatro marcou a estreia da Leticia Spiller como a Babalu, que se tornou um clássico. Todas as peças usadas pela personagem faziam sucesso, mas a principal era a blusa ciganinha, que deixava os ombros de fora. Até eu, com meus míseros seis anos de idade, tinha a tal da blusa. E olha como o mundo dá voltas: o mesmo modelo é uma das principais tendências deste verão. Quanto à Letícia, o tempo fez muuuuito bem. Vocês também não acham que ela fica mais bonita a cada ano?

 

O colar e a bolsa da Carminha – Avenida Brasil (2012)

carminha-raphael-dias

Mais alguém aí morre de saudade da melhor novela dos últimos tempos? Como era bom torcer pela Carminha (a melhor personagem da Adriana Esteves) mesmo sabendo que ela era uma vilã daquelas. Meu sonho era ter todo o figurino dela para mim. Para quem não lembra, ela normalmente aparecia de camisas e calças brancas no maior estilo fino de ser. Dois clássicos desse guarda-roupa fizeram muito sucesso: a bolsa dourada metalizada da Michael Kors (lembra dela?) e o colar com a medalha de Nossa Senhora das Graças – tenho os dois até hoje!

 

As saias plissadas da Darlene – Celebridade (2003)

darlene-de-celebridade-1444075585798_300x300

Lembro de ter usado muitas sainhas plissadas – bem no estilo colegial mesmo – durante a minha adolescência, mas nunca parei para pensar na influência da Darlene, personagem da Deborah Secco que era fã da peça. Ela tinha um jeito bem menininha e combinava super. Talvez por isso que tenha feito mais sucesso com a minha faixa etária. Para terem uma ideia, comemorei minha festa de 16 anos com uma saia desse modelo – aliás, tenho outras em casa e uso bastante porque adoro peças desse tipo.

 

A correntinha de cintura da Suelen – Avenida Brasil (2012)

436102-Correntinha-na-cintura-da-Suelen-Avenida-Brasil-1

Olha o sucesso da novela aí. Amávamos as confusões entre a Nina e a Carminha, mas também gostávamos do jeito de periguete da Suelen. A Isis Valverde sempre teve um corpão, mas dava até uma invejinha com essa personagem. Tudo porque ela vivia com a barriga de fora e tinha uma correntinha em volta da cintura que caiu no gosto da maioria das pessoas (pelo menos dessa febre eu escapei, ufa!). Hoje ele saiu da condição de brega e ganhou uma versão mais ousada. Sim, amigas, estamos falando do bodychain, com correntes que dão volta no corpo todo.

 

O cinto da Helô – Salve Jorge (2013)

cinto-da-delegada-hel-novela-salve-jorge-dourado-feminino_MLB-O-3649886381_012013

Mais uma prova do poder da Giovanna Antonelli. Não gostava dessa novela, odiava a mocinha, tinha verdadeiro pavor daquela música Esse Cara Sou Eu, mas morria de amores pelo figurino da delegada Helô. Além das calças justas e das camisas com estampas animal print, o que mais me chamou a atenção era o cinto grosso dourado. Foi a sensação de nove entre dez mulheres e o mais bacana de tudo é que a peça continua em alta, sendo muito utilizada com tops croppeds. Gosto bastante!

 

O cabelo da Maria Clara – Império (2014)

andreia-horta-maria-clara

Ok, não tem nada a ver com moda, mas o corte da filha do Comendador foi um dos mais pedidos no ano passado. Arrisco dizer que você tem uma amiga que cortou o cabelo para ficar igual à Maria Clara. Estou certa? Ate dá para entender porque era um curtinho prático e superbonito. Sobrevivi a essa febre pelo simples motivo de que meu rosto não combina com cortes do tipo. Ufa!