Posts em destaque

Melhores aplicativos para edição de fotos

Olá, pessoal! Hoje é dia de post do nosso colaborador, o Leo Scarabel. Olha só o assunto legal que ele trouxe desta vez:

O assunto de hoje é aplicativo de fotografia. Atualmente, não existe quem não tenha aquele app para adicionar um filtro bacana e estilo gringo para remover espinhas, fazer montagem e todas aquelas outras coisas que nós amamos.

Melhores apps para edição de fotos

Fiz um pequeno Top 7 com aplicativos que estou sempre usando no meu celular. São programas com filtros, brilho, montagens, saturação e vários outros itens que você confere AGORA!

Afterlight

1. Afterlight

Confesso que não uso tanto o Afterlight como antigamente, mas, mesmo assim, não deixa de ser um app fenomenal e cheio de coisas divertidas para você colocar na sua foto. Ele conta com três packs cheios de filtros maravilhosos, overlays, fade, exposição e muito mais. É excelente para quem gosta de um aplicativo completo e muito simples de mexer.

VSCOcam

2. VSCOcam

Este app é o queridinho de todo mundo. Cheio de filtros superbacanas e estilo vintage, não tem como não gostar. As opções realçam a sua foto e fazem com que ela fique ainda mais bonita. Sem contar também que ele tem várias edições superlegais assim como o Afterlight. Meu favorito!

Facetune

3. Facetune

Tirou aquela selfie bacana, mas tinha uma espinha ali no cantinho do seu rosto? Seu cabelo estava amassado e a cor da foto não ficou boa? Calma, eu tenho a solução. Baixe o Facetune que ele resolve tudo isso em um instante. Vale lembrar que agora existe uma versão gratuita, ou seja, é baixar e ter a garantia das melhores selfies do universo!

Studio Design

4. Studio Design

Já viram aquelas fotos de paisagens com frases inspiradoras? Com o Studio Design, você pode ter a sua. É o app mais sensacional para adicionar frases ou simplesmente remixar a foto dos outros usuários. Mas, Léo, o que é isso? Simples: você escolhe uma foto feita por alguém no aplicativo, adiciona a sua foto e fica com o design dele. Eu amo e estou sempre usando.

Moldiv

5. Moldiv

Ótimo para quem ama fazer colagens com várias fotos estilo matéria de revista. Baixei justamente para usar no meu blog em posts de DIY e descobri que é bem fácil de mexer, com várias colagens superdivertidas. Vocês vão amar!

PicsArt

6. PicsArt

O PicsArt é um app bem bacana para quem gosta de ficar horas e horas mexendo e editando fotos. Ele é cheio de ferramentas que dão aquele toque especial e personalizado na foto, sabem? Com a nova atualização, o aplicativo ficou bem mais legal, sério!

Rookie

7. Rookie

Este aqui é do mesmo criador do Moldiv, então, é ótimo. Ele é uma versão gratuita do Afterlight e confesso que prefiro o Rookie porque os packs com filtros são bem mais bacanas e tudo nele (iluminação, luzes e afins) é muito divertido. É bem completo, viu, recomendo super.

Canva

download

O Canva é o queridinho das influencers na hora de fazer montagens para posts no blog ou até para criar a miniatura de um vídeo no YouTube. Por que ele é tão usado? Porque é muito fácil, rápido e você pode fazer as criações do jeitinho que você gosta. Não à toa, o Canva tem 1,4 milhões de usuários em 179 países. Sucesso, né? Clique aqui para começar a usar o Canva.

 

E aí, gostaram? Me contem aqui nos comentários se vocês já usaram algum deles!

Não deixe de conferir o Quarto Americano, o blog do Léo!

Um beijo e até o próximo post!

Monopod: a evolução do hábito de tirar fotos

Na minha infância, as máquinas fotográficas não eram digitais. Para tirar fotos, a gente comprava um rolo de filme – que podiam tirar 12, 24 ou 36 fotos – e confiava na própria visão para apertar o botão. Pois é, não tinha zoom, visor e muito menos filtro para deixar a imagem mais bonita. Era tudo na sorte porque a gente só conseguia ver as fotos quando mandava revelar. Lembro-me de deixar filmes e ficar esperando ansiosamente o resultado. Na maioria das vezes, ficavam ótimas.  Mas também enfrentávamos problemas como dedão na lente ou no flash que estragavam o filme todo.

Ganhei a minha primeira máquina digital em 2004, no meu aniversário de 16 anos. Naquela época, ter uma câmera com essa tecnologia era quase como ter o modelo mais novo do iPhone. Não por acaso, foi nesse momento que o Fotolog (o pai do Instagram) começou a bombar. A gente tinha que postar todo santo dia alguma foto, por mais bizarra que fosse, só para manter o site atualizado. A minha máquina ficava na minha mochila e eu levava para a escola, o curso de inglês, as viagens em família, enfim. E foi ali que começaram os selfies: a gente passava horas fazendo autorretratos.

Ai que saudade da minha máquina digital. Tão velhinha, mas tão querida <3

Ai que saudade da minha máquina digital. Tão velhinha, mas tão querida!

Celular com câmera? Nossa, que máximo! Pena que a resolução era bem ruim e as fotos ficavam horrorosas. Mas aí vieram os smartphones e facilitaram a nossa vida. As imagens são excelentes e podemos compartilhá-las para o mundo todo em questão de segundo. Confesso que gosto muito dessa praticidade e não sei viver sem, mas também era muito divertido confiar nos rolos de filme.

Tudo isso para dizer que, outro dia, comprei o tal do Monopod, aquele bastão que permite tirar fotos do alto. Funciona como um braço, que pode ser estendido até capturar todas as pessoas que querem sair na foto e, claro, a paisagem de fundo. Não tem mais aquele negócio de caçar uma pessoa aleatória na rua para bater a foto.

Para quem não conhece, o bastão vem com um suporte que segura (bem firme) o celular. Além de deixar na altura que você quer, ele também é retrátil, ou seja, pode ser inclinado para deixar o retrato ainda mais bonito. Por meio de um controle, você aciona o aparelho via bluetooth e aperta o botão para tirar a foto. Mais uma das maravilhas do mundo moderno.

Sem título

A marca mais conhecida que fabrica o acessório é a GoPro, mas o preço é bem salgado e costuma beirar os R$ 300. A boa notícia é que eu encontrei uma versão parecidíssima por R$ 95. Tinham várias cores disponíveis de bastão: rosa, laranja, branco, azul e por aí vai. Fiquei com o preto mesmo e me espantei porque achava que o troço era pesado, mas é superlevinho. Testei, amei e, assim como a minha saudosa máquina digital, o monopod vai ficar para sempre na minha bolsa.

E agora, qual será a próxima inovação da fotografia?