Posts em destaque

A febre do Snapchat

20150354f4e53a4fee9

Soube da existência do Snapchat há muito tempo, em meados de 2011. Na época, ele foi lançado como uma rede social que permitia o compartilhamento de fotos por 24 horas. De início, não vi graça alguma. Qual era o sentido de postar algo sabendo que desaparecia no dia seguinte?

Fato é que o aplicativo demorou para vingar aqui no Brasil. Lembro que, há alguns anos, ele começou a ser utilizado por adolescentes que queriam compartilhar segredos. Talvez seja por isso que eu relutei em fazer parte desse mundo. Via o Snap como uma rede mais jovem e até um pouco infantil.

Até que, de uma hora para outra, o programa pegou. No ano passado, muita gente já usava e dizia que era o máximo. Neste ano, virou febre. Blogueiras e famosas começaram a aderir e a sensação foi se espalhando. Resolvi que era hora de testar e, depois de inúmeras tentativas – sim, ele é bem difícil no começo – estou completamente viciada.

No Snap, é possível postar fotos de até cinco segundos e vídeos com duração máxima de dez segundos. No entanto, não há limite de envio. O usuário pode compartilhar quantos vídeos e fotos quiser por dia. Seus amigos terão acesso a todo conteúdo e poderão ver o tempo máximo do conteúdo no canto superior da tela.

keep-calm-and-snapchat-me-41-1

O que isso significa? Liberdade total para postar qualquer coisa. Pode ser dica de beleza, look, jantar, selfie. O mais legal é que não tem pressão ou julgamento porque só você sabe quantas pessoas viram o seu perfil. Também dá para decidir se o conteúdo poderá ser visto por todas as pessoas que te seguem – no recurso “Minha história” – ou somente com determinados amigos.

O fato de ter tudo deletado após 24 horas é um pouquinho ruim, confesso. Às vezes corro o dia todo e não consigo acompanhar as postagens de alguém que eu curto seguir, por exemplo. Por outro lado, é bom tirar foto de alguma coisa ou de si mesmo e saber que aquela fotografia não vai ocupar a memória do celular (sou dessas que morrem de preguiça de limpar o arquivo de fotos do celular e terminam com mais de mil imagens no arquivo).

Por falar nisso, o conteúdo postado no Snap é de uso exclusivo do usuário. Explico melhor: até é possível dar print de algum vídeo ou foto de outro usuário, mas ele será avisado e essa atitude pega um pouco mal no sistema da rede. Então, é bacana porque permite dividir seu dia a dia com milhares de pessoas, mas também porque preza muito pela privacidade.

Com tantas vantagens, não é de se espantar que o aplicativo tenha caído no gosto dos brasileiros. Ainda não faz parte do time de usuário? Entra lá e aproveita para me seguir (camillachevi).

5 Destinos para conhecer no inverno

schneemannbauen_familie_hartkaiser_1

Julho chegou e muitas pessoas aproveitam o mês para tirar férias. Isso porque as escolas param e alguns pais levam seus filhos para passear. Quando somos crianças, é uma maravilha ter 30 dias de folga, mas depois a gente cresce e passa a dar muito mais valor para as tão sonhadas férias. Por isso, a dica é planejar o roteiro com muita atenção para não deixar nenhum detalhe de fora.

A principal dúvida é a escolha do destino. Afinal, o mundo é cheio de lugares lindos e fica difícil saber qual deles visitar. Para ajudar na missão, preparei um guia com cinco opções para aproveitar o friozinho com toda a família. Vamos lá?

Bariloche

bar1

Localizada na Argentina, é a pedida ideal para quem procura um local com muita neve. Acho que as paisagens ficam tão lindas quando estão branquinhas, não acham? Por mais gelada que sejam, as famosas montanhas de Bariloche são muito visitadas no inverno por famílias que querem se arriscar nos esportes típicos da estação, como esqui e snowboard. O melhor de tudo? Nem precisa sair do continente para chegar. Bastam algumas horas de avião para aterrissar.

Santiago

slide1

Ainda na América do Sul, um dos melhores destinos para visitar nesta época é a capital do Chile. Com muito verde, tem um quê de Europa e diversos passeios. Além dos parques com vistas incríveis, oferece passeios a vinícolas que são indispensáveis para quem gosta de tomar uma taça de vinho no inverno. Turistas que pisam lá pela primeira vez normalmente reservam um dia para conhecer as cidades vizinhas. E, por fim, Santiago tem shoppings imensos e perfeitos para fazer compras. E digo por experiência, viu? Fui para lá duas vezes e sempre recomendo.

Nova York

Top-10-Free-Things-To-Do-In-New-York-City-This-Summer1

Todo mundo sabe que as estações no hemisfério norte são ao contrário das nossas. Ou seja, enquanto estamos no inverno, eles estão no verão. Por isso, quem sonha em ver Nova York coberta de neve deve embarcar entre os meses de dezembro e fevereiro. Vale a pena esperar porque a metrópole é mesmo linda no frio. Além da neve, oferece a tradicional pista de patinação no gelo e espetáculos exclusivos para comemorar o Natal. Mas, se preferir uma temperatura mais agradável, a diversão vai ser a mesma, com muitas compras, musicais e comida boa.

Londres

wiki-800px-Hdr_parliament

A regra é a mesma de Nova York. Quem quer ver neve e decorações natalinas deve embarcar durante o verão brasileiro. Apesar de ser mais charmosa no inverno, Londres é cheia de atrativos em qualquer época do ano. Os museus, entre eles a matriz do Madame Toussaud’s (famoso pelas esculturas de cera), são maravilhosos e não dá para ir embora sem visitar os principais cartões-postais, como a roda-gigante London Eye, o Big Ben e o Palácio de Buckinghan. Aliás, a gente bem que gostaria de ver a Kate Middleton andando por aí…

Campos do Jordão

Campos-do-jordão

Não vai dar para viajar para muito longe neste inverno? Sem problemas. A dica é aproveitar um fim de semana e conhecer o charme de Campos, localizada a cerca de duas horas da cidade de São Paulo. O clima de montanha oferece temperaturas bem baixas na alta temporada, passeios ao ar livre, muita natureza e comidinha gostosa para esquentar (entenda como fondue, chocolate e outras delícias). Gostou da ideia? Clique aqui e saiba mais.

Férias em casa: o que fazer?

Estamos em julho e, para algumas pessoas, é tempo de relaxar e curtir as férias. Quando estava na escola, aguardava ansiosamente por esse período justamente pela felicidade de não fazer nada. Não sei se acontece – ou acontecia – com vocês, mas eu amava essa época no começo e depois ficava brava por não ter o que fazer.

Esse é justamente o principal motivo deste post. Vai tirar férias, mas está sem grana para viajar e não planejou nada? Sem problemas. Ficar em casa tem lá suas vantagens e não são poucas. Quer ver só?

Arrumar o armário

mulher-arruma-armario-3200_mini

É algo que eu SEMPRE faço quando tenho um tempinho livre, nem que seja em um feriado prolongado. A gente vive reclamando que está sem roupa ou que uma determinada blusa sumiu, mas nunca encontramos a disposição necessária para colocar a bagunça em ordem. E outra: é quase impossível manter tudo no lugar certo com a correria em que a gente vive. Por isso, nada melhor do que arregaçar as mangas e arrumar gaveta por gaveta. Aproveite ainda para fazer uma seleção das peças e doar aquelas que não servem mais. Ah, aqui também vale arrumar o quarto todo ou então organizar a casa.

Acordar sem pressa

woman-waking-up-motivated-lwadann-tardif-getty

Sem dúvidas, essa é melhor parte de tirar férias. É a desculpa perfeita para dormir até as 10h sem medo de chegar atrasada em algum compromisso. Para quem prefere acordar cedo, tem outra vantagem: dá para curtir aquela preguicinha na cama e ficar rolando de um lado para outro sem preocupações. Não tem coisa mais gostosa – ainda mais neste friozinho de inverno.

Começar (e terminar) uma série

Happy young woman watching tv on sofa

Este item está diretamente relacionado ao anterior. Como não existe um horário certo para acordar, dá para passar a noite toda acordada vendo aquela série que você morre de vontade de assistir. O melhor é que, se o seriado já tiver terminado, dá para ver tudo de uma vez só. Outra coisa que eu SEMPRE faço quando tenho um tempo livre. Às vezes, passo um dia inteirinho vendo episódios.

Praticar uma atividade física

© Copyright 2010 CorbisCorporation

É do tipo que a culpa a falta de tempo para não malhar? Pois bem, esse problema não existe nas férias. É hora de fazer valer o plano da academia que você tem preguiça de frequentar ou então de descobrir uma atividade que te dê prazer. Que tal caminhar pelo bairro ou em um parque? Outra ideia (que faz parte da minha realidade) é finalmente começar a correr. Também dá para dar uma volta de bike ou encontrar um curso intensivo de alguma modalidade, como dança. É a alternativa ideal para aqueles dias em que a gente se enche de ficar em casa e ainda deixa a saúde em dia.

Ler todos os livros que você comprou

woman-reading-a-book

Sou dessas que sempre compra um livro novo mesmo com uma pilha enorme de exemplares para ler. Demoro cerca de 1 mês para terminar uma história (esse tempo pode demorar mais ou menos dependendo do título) e até tento dar um jeito de terminar a pilha, mas tenho a sensação de que ela só aumenta. Assim como as séries, dá para passar o dia todo lendo nas férias e, com isso, ler um número maior de livros. Se você não é do tipo que lê, é a oportunidade perfeita para encontrar novos autores e descobrir o prazer da leitura.

Ver quantos filmes quiser

single-friends-watching-movies

Da mesma forma que tenho uma pilha de livros não lidos, tenho uma lista de filmes que desejo assistir. Só que a falta de tempo, mais uma vez, não me permite ver todos eles. Dá para resolver esse problema durante as férias. Vale chamar as amigas e organizar uma sessão cinema (veja algumas sugestões de filmes aqui) ou então assistir sozinha mesmo com tudo que tem direito: calça velha de moletom, debaixo do cobertor e com um balde de pipoca ao lado. Afinal, é hora de aproveitar as férias e deixar a dieta de lado. É ou não é?

Fazer compras

woman-holding-shopping-bags-379936

As consumistas de plantão vão concordar comigo. É maravilhoso ir ao shopping no meio da tarde, sem aquela muvuca do fim de semana, nem que seja apenas para tomar um café e passear. Mas, se quiser fazer compras, dá para entrar em uma loja e olhar tudo com calma ou então escolher o presente de aniversário de uma amiga sem pressa. Para quem não liga de ir ao cinema sozinha, é a melhor época para assistir grandes lançamentos em um horário tranquilo. Sem fila, sem barulho, sem celular tocando. Tudo numa boa! Eu só fiz isso uma vez, mas adoraria fazer de novo. Quem sabe nas próximas férias?

[Especial Califórnia] O que fazer em San Francisco

imageFinalmente encontrei um tempinho para escrever sobre a minha última parada na Califórnia. Descobri que o fato de demorar para postar não tem a ver apenas com a correria do dia a dia, mas porque ando com uma saudade enorme desta viagem. Até mesmo a escolha das fotos já dá aquela dorzinha no peito. E agora, praticamente um mês depois de voltar de lá, posso dizer com toda a certeza que San Francisco é mesmo especial. Rolou uma pressão porque todo mundo (juro, todo mundo sem exceção) me disse que a cidade era linda e que eu iria adorar. Estava completamente apaixonada por San Diego e costumo ser do contra, então rolou um medinho de eu não gostar. Mas, aos poucos, percebi que isso é impossível. A cidade é incrível e eu explico agora os motivos:

Charles M. Schulz Museum (Museu do Snoopy)

image

Certo, o primeiro item deste post não é em San Francisco. Mas foi uma das primeiras coisas que fiz quando cheguei por lá, então resolvi compartilhar. Fãs do Snoopy e de toda a turma das tirinhas Peanuts não podem deixar de visitar o museu criado em homenagem ao desenhista Charles M. Schulz, criador dos quadrinhos. O espaço fica em Santa Rosa, pouco mais de uma hora de San Francisco, e traz alguns detalhes sobre os personagens e uma reprodução extremamente fiel da escrivaninha de Schulz. Logo ao lado do museu há um café (que o próprio cartunista gostava de frequentar) e uma pista enorme de patinação. Além disso, existe uma lojinha temática. Experimente sair de lá sem ao menos uma sacolinha. Eu não consegui…

Sonoma/ Napa Valley

image

Além do céu azul e da natureza abundante, a Califórnia também é conhecida pelos ótimos vinhos. Por isso, visitar uma vinícola é um item obrigatório em qualquer roteiro. As principais produções ficam entre as regiões de Sonoma e Napa Valley. Nós fomos na vinícola do Francis Ford Coppola, que, para quem não sabe, é um dos maiores cineastas do mundo (a trilogia O Poderoso Chefão, por exemplo, é dele). O lugar é muito bonito, com clima de campo, e funciona como clube no verão. Dá para pagar uma diária e curtir a piscina. O tour, apesar de rápido, dá acesso ao processo de fabricação dos rótulos e ainda permite a degustação de quatro vinhos (já adianto: gostei de todos). Vale esticar o passeio com um almoço no restaurante da vinícola. No menu, receitas típicas da culinária italiana. Recomendo o calzone, que é maravilhoso!

Pier 39

image Não tem jeito: qualquer turista que vá a San Francisco pela primeira vez tem que passear pelo Pier 39. Além de lojinhas com todos os tipos possíveis de souviniers – tem até pet shop chiquetosa – o espaço conta com restaurantes variados, carrossel e uma das maiores concentrações de leões marinhos da Califórnia. Eles se refugiaram lá após o terremoto de 1989 e não saíram mais. São tão bonitinhos que eu poderia passar horas observando os bichinhos brincando. Não sei vocês, mas eu sempre me perguntei o porquê de terem escolhido o Pier 39 para virar ponto turístico. Acontece que a presença dos leões marinhos impedia a chegada de navios e, com isso, ele foi transformado em uma espécie de shopping a céu aberto.

Fisherman’s Wharf

image

Bem próximo ao Pier 39, fica outro cartão-postal da cidade. O Fisherman’s Wharf funciona como um mercado, em que são vendidos (adivinhem só) diversos frutos do mar. Não há muita coisa a fazer por lá, mas vale a pena escolher um restaurante. Eu recomendo a Boudin, padaria-boutique que vive lotada. Conhecida por fazer pães fresquinhos, oferece aquele sopa bem quentinha dentro do pão italiano. Eu pedi o creme de tomate e AMEI!

Passeio de bondinho

image

O que eu mais queria fazer em San Francisco era passear de bondinho. Sim, aquele famoso bondinho que sobe e desce ladeiras pra lá de íngremes. Fomos logo no nosso primeiro dia e bem cedinho porque as filas ficam enormes. O tíquete custou cerca de 7 dólares, mas é possível comprar um passe que dá acesso a todo tipo de transporte público. Os bancos externos são os mais disputados, então é bom ficar esperta para garantir um lugar. Como não tínhamos um destino certo, fizemos o trajeto todo da linha, saindo do Ghirardelli Square e indo até a Market Street. Achei incrível porque o bonde para no meio da rua para que outros passageiros possam subir ou descer. O visual é aquele dos filmes mesmo, bem charmoso. Passeio imperdível!

Golden Gate

image

Outro local que eu eu queria muito visitar era a famosa ponte Golden Gate. Tinha visto tantas fotos e vídeos da ponte que eu queria saber se ela era mesmo especial. E é viu, gente! A construção é impactante. Para terem uma ideia, a travessia de carro demora mais de dois minutos. Normalmente, ela fica encoberta e raramente é vista assim, com céu azul. Eu tentei tirar foto antes, mas o dia estava cinza e eu não estava 100% feliz com o resultado. O tempo em San Francisco, aliás, é dessa forma: nublado de manhã e ensolarado à tarde. Por isso, experimente passar pela ponte no final da tarde. As chances de conseguir um visual como este aí em cima são muito maiores!

Salsalito e Tiburon

image Ao cruzar a Golden Gate, você terá acesso a duas cidadezinhas extremamente charmosas: Salsalito e Tiburon. A primeira é menor e tem casinhas em cima dos morros, característica que oferece uma atmosfera campestre. A segunda é mais chique e tem um custo de vida mais elevado. Vale reservar algumas horinhas da manhã e passear de carro pelas cidades. Gostei tanto das duas que não sei dizer qual é a minha preferida.

Alcatraz

image

Nem todo mundo sabe, mas há uma construção bem no meio da baía de San Francisco que funcionou, até os anos 60, como o principal presídio de segurança máxima dos Estados Unidos. As operações por lá foram desativadas, mas o prédio continua aberto e recebe diversos tours diariamente. O passeio é narrado por ex-funcionários, que ajudam a mostrar todos os detalhes do espaço. E olha só que boa notícia: tem traduções em milhões de idiomas, incluindo o português. É muito legal, bem feito e chega até a dar medo em algumas partes. Vale MUITO a pena!

Lombard Street

image

Uma das ruas mais tradicionais da cidade, a Lombard tem um trecho sinuoso que permite um trajeto muito interessante para carros. As curvas fechadas são decoradas com jardins lindos e muito floridos. O colorido dá um charme especial e a paisagem é maravilhosa inclusive para quem desce a pé. Difícil mesmo é subir depois…

Alamo Square

image

San Francisco também é conhecida pelas casas coloridas, com janelas do tipo bay window. Um dos locais onde é possível avistar essas construções é o tradicional Alamo Square. Ao contrário do que eu pensava, as casinhas ocupam apenas uma parte do quarteirão, mas oferecem uma das vistas mais interessantes da cidade. Olha que bacana avistar essas construções e os prédios modernos lá atrás. Fora que há um parque muito gostoso por lá. Vale a pena reservar pelo menos dez minutinhos para dar uma voltinha!

Market Street

image

Eis aqui um paraíso para nós, mulheres consumistas. A Market é O lugar para fazer compras. Começo dizendo que ela abriga uma das maiores unidades da Forever 21 que eu já vi na vida. São três andares de perdição e loucura, a ponto de eu ter que desistir de olhar tudo para evitar estragos financeiros. É lá que fica também o Westfield, shopping mara com lojas bacanudas – Aéropostale, Victoria’s Secret e H&M são alguns exemplos – e escadas rolantes circulares (não sabia que existiam coisas do tipo até então). Termine o passeio com uma visitinha na Macy’s e suba até o último andar, onde fica uma unidade da The Cheesecake Factory. Aí é só escolher um sabor (ou vários) e se inspirar com a vista.

_________________________________________________

Gostou do post? Clique aqui para conferir os outros textos do Especial Califórnia.

Backstreet Boys em São Paulo: Eu fui

image1 (1)

Contei aqui algumas vezes que toda a minha adolescência se passou entre o final dos anos 90 e começo dos anos 2000. Naquela época, a música pop bombava como nunca. Muito disso era em função das boy bands, que viviam seu ápice por causa de cinco rapazes que caíram no gosto – e no coração – de todas as garotas. Sim, amigas, estou falando dos Backstreet Boys, que passaram pelo Brasil neste mês com a turnê In a World Like This, que comemora os mais de 20 anos de carreira da banda.

Eles sempre foram soberanos na minha vida. Era uma época em que a gente não tinha iPod, smartphone e muito menos Youtube. Eu escutava os CDs deles todo santo dia antes ou depois da escola. O curioso é que isso fazia a gente decorar o número das faixas (Sempre dizia: “Nossa, a música 7 é muito boa, mas a 5 é chatinha”). E para ver os clipes a gente tinha que dar a sorte de ver passando na TV ou ligar enlouquecidamente para o Disk MTV. Quando um clipe novo estreava, eu cancelava tudo para acompanhar ao vivo. Era uma emoção tremenda!

Comecei a gostar dos Backstreet Boys em 1998 (faz 17 anos, gente! Como que esse tempo passou tão rápido?) e até hoje eu não sei bem como tudo começou. Só sei que em questão de meses eu tinha todos os CDs que tinham sido lançados e só pensava no loirinho da banda, o Nick Carter. Em dois anos, ele virou minha paixão. Era daquelas que tinham pastas e pastas com fotos dele. Acho que eu sabia mais da vida dele do que ele mesmo rs…

Nossos musos muito mais novos em 2001, quando fizeram os primeiros shows no Brasil

Nossos musos muito mais novos em 2001, quando fizeram os primeiros shows no Brasil

Eles vieram para cá pela primeira vez no finalzinho de 2000 para uma turnê promocional para lançar o CD Black and Blue, mas o show mesmo aconteceu um ano depois. Eu tinha 12 anos e minha mãe foi obrigada a me acompanhar. Foi um mega evento e eu não consegui ver quase nada por causa da multidão. Logo depois eles deram um tempo, o Nick lançou um CD solo – que eu amo muito até hoje – e eu escolhi uma música dele para a minha festa de 15 anos (essa aqui ó).

A coisa não deu muito certo e eles voltaram, lançando mais um CD. Só que o Kevin resolveu sair e, por muito tempo, os Backstreet Boys eram apenas quatro. Eles voltaram para cá em 2009 e eu fui mais uma vez. Fizeram outro show em 2011 e eu resolvi ir recebê-los no aeroporto. Até falei com o Nick e recebi um tchauzinho de volta, mas foi só. Pensei que ali minha vida com eles tinha se resolvido.

Backstreet Boys é a única boy band a ter uma estrela na calçada da fama. Eu fiz questão de tirar uma foto quando estive em Los Angeles

Backstreet Boys é a única boy band a ter uma estrela na calçada da fama. Eu fiz questão de tirar uma foto quando estive em Los Angeles

Então, quando eles anunciaram que viriam ao Brasil neste ano com o Kevin de volta, não me empolguei muito. Pensei: “vale a pena ver um show deles pela quarta vez?”. Fui ver os preços e quase caí para trás. Era MUITO caro, praticamente impossível. Desisti. Daí a data foi se aproximando e comecei a me arrepender. Assisti aos clipes velhos – sim, aqueles que a gente esperava para ver na MTV – e ao documentário que eles fizeram recentemente e aí fiquei morta de vontade de ir. Mas faltava algo muito importante: o ingresso.

Um dia antes de os shows começarem aqui em São Paulo (foram três, nos dias 12, 13 e 14 deste mês) a empresa onde eu trabalho divulgou que faria um sorteio de cinco pares de ingressos. Era tudo que eu mais queria. Meu pensamento foi tão positivo que deu certo e… EU GANHEI!!!! Eu bem que tentei não ir, mas é aquela história de primeiro amor que a gente nunca esquece, sabe?

Nos últimos dois shows, eu fiquei bem longe. Desta vez fiquei na pista, no meio do calor humano da galera. Tenho 27 anos e sinto que não estou mais no pique para essas coisas, mas até que a aglomeração não me incomodou. Muito menos a dor no pé – causada pelas inúmeras vezes em que eu fiquei na ponta para enxergar melhor -, os gritos histéricos no meu ouvido e a garganta dando sinais de que não aguentava mais. Tudo porque, pela primeira vez em 14 anos, eu consegui assistir a um show deles bem de pertinho!

Olha só como o Kevin ficou pertinho de mim

Olha só como o Kevin ficou pertinho de mim

O mais legal desse show foi a possibilidade de estar ao lado de meninas que viveram a mesma coisa que eu vivi. Foi maravilhoso cantar, gritar e pular (pelo menos tentar né, porque era quase impossível com tanta gente) sem ninguém me julgar. E foi incrível ver como eles ainda arrasam mesmo beirando ou já nos 40. E aí você se dá conta de que está velha quando percebe que eles até eram bonitinhos no começo, mas hoje estão muito mais charmosos com pancinhas e ruguinhas.

O setlist foi incrível e não deixou nenhum hit de fora. Desde as primeiras músicas, como We’ve Got It Going On, até Drowning, que entrou como a única inédita na coletânea que eles lançaram. Não conhecia todas as músicas do CD novo, mas amei tanto que escutei assim que cheguei em casa. É muito curioso saber que eu ainda sei de cor as letras das músicas que eu ouvia há muitos e muitos anos.

Este show só serviu para reacender o meu amor de infância que ficou congelando desde o dia em que os vi no aeroporto. Serviu para me fazer recordar tantos momentos maravilhosos que eu vivi enquanto ouvia as músicas dele. E me fez ter a certeza de que eu vou nos próximos. Que seja mais um, mais dois, mais dez… Eu estarei lá com toda a certeza deste mundo!

Quero agradecer a minha empresa mais uma vez por me proporcionar esta experiência maravilhosa. Como alguns amigos falaram, não poderia ter melhor pessoa para vencer este sorteio. Entrou na minha lista de shows favoritos da vida!

Avaliação: ♥♥♥♥♥  (Pode colocar mil coraçõezinhos?)

____________________________________________________________________

Não postei muitas fotos porque eles não paravam quietos, então acabei filmando mais do que tirando fotos. Já postei alguns vídeos no Instagram do meu blog (@fikdikblog) e no meu perfil pessoal (@camillafc). Corre lá para conferir!

E se você não faz ideia de quem são os Backstreet Boys, clica aqui para ouvir uma playlist bem linda com todos os clipes que a gente se matava para ver. Nada como a tecnologia dos dias de hoje!