Posts em destaque

Top 5 – Os restaurantes mais inusitados do mundo

Tem coisa melhor do que o simples hábito de comer? Sou dessas que acorda pensando no café, passa a manhã imaginando o que vai comer no almoço e chego em casa suspirando por causa do jantar. Além disso, adoro planejar em qual restaurante vou no fim de semana. Pois é, preciso comer fora nos dias livres, mas não precisa ser em algum lugar caro. Gosto apenas de saborear uma comida gostosa e quentinha na companhia de pessoas queridas.

Então, quando planejo alguma viagem, penso logo nos restaurantes em que posso comer. Para mim, faz parte do ritual. Assim como é legal listar as lojas em que é possível fazer compras, piro só de pensar em todos os pratos que vou ter a oportunidade de saborear. Aqui entra outro diferencial que o restaurante deve ter para me ganhar: ser original. Acho tão bacana locais que apresentam uma proposta diferenciada para chamar a atenção dos clientes

Por isso, resolvi pesquisar os cinco restaurantes mais inusitados do mundo e acabei me surpreendendo. Alguns são tão diferentes que chegam a ser bizarros. Quer saber mais? Vamos lá:

Rainforest Café, Orlando (Estados Unidos)

A Disney concentra uma série de restaurantes que podem entrar nessa categoria de inusitados. O Rainforest é um deles. Com duas unidades no complexo temático de Orlando, um no parque Animal Kingdom e outro no centro comercial Downtown Disney, é daqueles que já chama atenção do lado de fora. Basta se aproximar para ouvir barulhos de animais como gorilas, elefantes, araras e por aí vai.

rainforest-cafe-00

Acontece que o restaurante, como o próprio nome diz, tem a proposta de recriar o ambiente da selva. Você corre o risco de sentar ao lado de uma onça ou de ser sobrevoado por pássaro. A cada tanto, todos os bichos começam a fazer barulhos e a se mexer. Tudo de mentira, claro. E antes que alguém mencione, sim, aqui os animais das selvas e das savanas convivem em perfeita harmonia. É só deixar a criatividade funcionar.

O cardápio, por outro lado, é convencional e apresenta grande variedade. Tem massas, lanches, saladas. Por experiência própria, indico os sanduíches (que são bem no padrão americano, com muito molho e batata frita como acompanhamento) e a sobremesa Volcano, com bolo, sorvete, calda, chantilly e outras delícias.

50’s Prime, Orlando (Estados Unidos)

Você deve estar pensando: outro restaurante da Disney com tanto lugar bacana no mundo? Acontece que é muito mais fácil indicar algo quando nós já experimentamos. Então anote aí: se for visitar o parque Hollywood Studios, meu favorito, não deixe de fazer uma refeição no 50’s Prime. É tão gostoso que nós sempre fazemos questão de incluí-lo no roteiro.

 50s-prime-time-cafe-gallery00

O nome já explica o que vem a seguir: um restaurante situado em uma cozinha típica dos anos 50. Tudo ali remete ao design da época: as mesas têm cantos arredondados, com sofás fofinhos, azulejos coloridos e televisões bem pequeninas que passam imagens de verdade – só que em preto e branco.

As garçonetes usam uniformes típicos de cozinheiras e o cardápio, segundo elas, é feito com base naquela comida de mãe. Ou seja, é tudo bem caseiro, com carne de panela, purê e por aí vai. A sobremesa mais pedida é um sorvetão que vem com tudo, até confeitos coloridos. E nem pense em recusar, viu? As atendentes logo avisam que lá a proposta é comer muito.

Modern Toilet, Taiwan

Que tal comer como se estivesse sentado no seu banheiro? Pois esse é exatamente o conceito desse restaurante que abriu as portas em 2004 em Taiwan e fez tanto sucesso que abriu outras unidades na China e no Japão. A ideia é exatamente a que está pensando: sentar em vasos sanitários e comer em uma mesa em formato de pias e banheiras.

 toilet_restaurant1

Dá para deixar ainda mais nojento? Opa, dá sim. Vamos começar dizendo que os pratos – que incluem nomes nada agradáveis como cocô e diarreia – são servidos em privadas. E na hora de limpar o rosto, nada de guardanapo. Por aqui só existem papeis higiênicos.

Confesso que eu achei tudo muito bizarro, mas todas as filiais do restaurante vivem lotadas. Essa é a pedida ideal para quem não tem frescuras e topa comer qualquer coisa em qualquer lugar. Eu prefiro passar longe.

Waterfalls, Filipinas

Imagine que loucura sentar-se para comer aos pés de uma cachoeira e correr o risco de ter alguns pingos respigando no seu almoço. Parece o cenário de um pesadelo, mas é real e parte de um restaurante localizado em San Pablo, nas Filipinas. O estabelecimento fica logo embaixo de uma cachoeira gigante e inclusive requer que clientes e funcionários estejam descalços – a não ser que não liguem de ficar com os pés molhados.

 article-0-1ECF469400000578-463_634x478

O local paradisíaco pertence ao resort Villa Escudero e propõe manter o contato mais próximo com a natureza. Por isso, grande parte das mesas fica ao ar livre, no meio de uma reserva natural, e todas são feitas de bambu. Os hóspedes correm para garantir um lugar perto da cachoeira e nem se incomodam de comer algo com sabor molhadinho causado pelos respingos. Aliás, eles adoram e passam horas fazendo poses para fotos incríveis.

Apesar do cenário inspirador, o cardápio oferece pratos tradicionais da região, muitos feitos a base de frutos do mar. Apesar de não curtir muito a culinária asiática, devo dizer que a ideia desse restaurante me agradou. Quem sabe um dia visito…

‘s Baggers, Alemanha

Dizem por aí que, em um futuro próximo, não será mais necessário ter garçons para garantir o funcionamento de um restaurante. Parece difícil acreditar nessa suposição, mas o ‘s Baggers é prova de que é possível ter um estabelecimento que opera de modo automático.

f2b3fcc7bf8d1e4bde37491c5dbdeb-scaled1000

Quando o cliente chega, recebe uma espécie de tablet onde diz o número de pessoas que vão se sentar à mesa. A partir daí, é só escolher os pedidos de forma virtual e aguardar. Da cozinha, saem trilhos em espiral que levam os pratos diretamente para cada mesa. Dizem que a sensação é como se as comidas estivessem caindo do céu.

Ok, é inusitado. Mas que tal pensar nas vantagens? Há menos tempo de espera, mais economia para o proprietário do restaurante e menor chance de erro (já que o computador não erra). E vale lembrar: as refeições seguem um conceito saudável e com pouca gordura. Ou seja, além de se divertir, o cliente ainda pode ficar tranquilo com aquilo que está consumindo.

Gostou da lista? O bom é que existem muitos outros restaurantes diferentes por aí. Prometo continuar essa saga em breve…

Fontes: Casa e Jardim, Obvious e Segredos de Viagem

Parque da Disney ganhará atração inspirada no filme Frozen

Disney Festival of Fantasy Parade: The Princess Garden "Frozen"

Quem gosta dos parques temáticos da Disney (assim como eu) sabe que eles estão sempre pensando em novidades para atrair um número ainda maior de visitantes. A última grande mudança foi a nova Fantasyland, área infantil reinaugurada no final de 2012 e que só ficou completa em maio deste ano com a montanha-russa dos Sete Anões – o brinquedo, aliás, é superfofo (dá para ver o vídeo aqui).

Os imagineerings, como são chamados os engenheiros que trabalham para renovar os parques, também estão de olho no gosto do público na hora de inventar uma nova atração. Eles prestam atenção no comportamento dos visitantes e, claro, nos filmes que fazem sucesso.

O fato é que não dá para falar em sucesso sem lembrar da mais recente conquista da Disney: Frozen, filme que estreou no Brasil no começo do ano e se tornou a segunda animação da Disney mais vista no mundo. E a história das irmãs Anna e Elsa ainda dará muito que falar. Isso porque elas ganharão um brinquedo exclusivo em breve.

Ai meu coração! Como aguentar tanta ansiedade? Já fico na expectativa só de ver essa plaquinha! (Foto: Disney Mágica)

O mais bacana é que a atração ficará no Epcot, parque que mistura tecnologia, ciências e a diversidade cultural. Quem costuma ir lá sabe que o local realmente precisava de uma mudança, pois há anos não ganhava novas atrações. A última novidade tinha sido uma reformulação no Test Track, que simula testes em carros, mas que, sinceramente, não acrescentou em nada (só deixou o brinquedo mais moderno).

A nova aventura de Frozen ficará no pavilhão da Noruega, já que o filme se passa no país, e ocupará o espaço de outra atração, o Maelstron, que convida os visitantes a navegar em um barquinho para conhecer mais sobre a história e a cultura dos noruegueses. Apesar de antigo, estava sempre cheio e ocupava um lugar especial no coração de muita gente (inclusive no meu). Fiquei triste, mas já estou enlouquecida para ver como ficará. A Disney garante que vai reproduzir todo o reino de Arendelle no novo brinquedo – Oba!

Saudade desde já do Maelstron!

Saudade desde já do Maelstron!

Legal, né? Ainda não foi divulgada a data de inauguração, mas o Maelstron encerrará suas atividades em outubro. O importante é que vem muita coisa boa por aí!

__________________________________________

Adeus ao Backlot Tour

As novidades não ficam restritas ao Epcot. O Hollywood Studios, parque da Disney dedicado ao cinema, também disse adeus a uma antiga atração: o Backlot Tour. Nela, os visitantes percorriam estúdios em que eram gravados filmes e seriados e encontravam um rico acervo, com direito ao fusca Herbie, do longa de mesmo nome.

Eu gostava muito desse brinquedo, principalmente do final, em que o público participava de uma gravação de mentira, mas confesso que já não era a mesma coisa. Os estúdios estavam cada vez mais vazios e o percurso era muito longo.

Studio-Backlot-Tour_Full_3140

Não se sabe o que será feito com a área ocupada pelo Backlot Tour, mas há rumores de que virá algo relacionado à saga Star Wars. Será?

(Fotos: Disney Mágica, Destino Magia e WDW Magic)

Disney in Concert: Muito amor envolvido

Sem título

Quem me conhece – e quem lê este blog com frequência – sabe que eu sou completamente apaixonada por qualquer coisa relacionada à Disney. Por isso, fiquei louca quando soube do espetáculo “Disney in Concert”, em que uma orquestra sinfônica (no caso, a Orquestra Allegro) toca as músicas dos filmes mais clássicos da minha infância. Falei com uma amiga que é tão maluca por Disney quanto eu e nós compramos os ingressos no mesmo dia. O show ficou em cartaz apenas neste final de semana, no Teatro Bradesco, dentro do Shopping Bourbon (em São Paulo) e nós fomos na sexta (19).

Dividido em dois atos, o espetáculo intercala filmes antigos com outros mais novos e conta com a orquestra e seis cantores, entre eles a Lissah Martins – quem adora uma coisa trash, como eu, sabe que a moça foi integrante da Banda Rouge, aquela que cantava Asserejê – e traz um telão enorme que reproduz os trechos das animações. Como os ingressos estavam caros, nós escolhemos os mais baratos, que ficavam no balcão nobre, no último andar do teatro. Ou seja, não conseguimos ver o telão por inteiro, mas como sabemos de cor cada filme, não atrapalhou tanto.

O único ponto ruim é que muita gente que comprou para sentar lá atrás acabou sentando na primeira fileira (que não é vendida por conta da visão prejudicada do palco) e deixou muita gente furiosa pelo desrespeito. Mas né, ainda acredito que vamos conseguir mudar essa mania do brasileiro de querer levar vantagem em tudo.

IMG_1098

O show começa com uma abertura em que são tocados vários trechos dos filmes da Disney. A primeira é “Zee Pa Dee Doo Dah”, de “A Canção do Sul” e do brinquedo Splash Mountain, que fica no parque temático Magic Kingdom. Depois disso, vem o tema clássico do Mickey Mouse. Lembram que eu falei que choro com qualquer coisa? Pois é, bastou o primeiro acorde para eu já me emocionar.

E logo depois teve início o primeiro número, de “A Pequena Sereia”. O bacana é que eles tocaram várias músicas do filme. Em “Onde eu Nasci” (Under the Sea), teve até bolinhas de sabão para dar um efeito mais bonito. Na minha opinião, faltou “Kiss the Girl”, que é a minha música favorita de todas da Disney, mas fiquei feliz mesmo assim.

IMG_1139

No caso de “Pocahontas”, apenas a canção “Cores do Vento” foi tocada. Mas aí veio “A Bela e a Fera” com três músicas: “Bela”, “À Vontade” e a linda “A Bela e a Fera”. Vale destacar o preparo dos cantores, que realmente se esforçaram para ficar com as vozes parecidas com as de cada personagem. Todos estavam extremamente preparados e levantaram o público (inclusive as crianças) em vários momentos. Só não entendi porque “O Rei do Fogo”, de “Mogli – O Menino Lobo” foi escolhido para entrar no repertório. Não conheço ninguém que goste e os pequenos nem sabem da existência do filme. Não é o caso de “Mary Poppins”, que é antigo, mas adorado por todos. O número foi um dos destaques da noite, principalmente “Supercalifragilisticexpialidocious”.

O segundo ato começa com um medley de “O Corcunda de Notre Dame” (também não entendi ele ter sido escolhido), para então dar sequência ao momento mais aguardado do show: Frozen. No maior estilo Elsa, com trançona de lado e vestido azul, Lissah canta “Livre Estou” (Let it Go). Aliás, é bonitinho escutar várias meninas na plateia cantando também. Só que fica por aí. Podiam aproveitar o sucesso do filme para colocar outras músicas.

De Arendelle, somos transportados para Agrabah e cantamos duas músicas de “Aladdin”: “Amigo Insuperável” e “Um Mundo Ideal”. Na sequência, a orquestra toca sozinha a trilha de “Piratas do Caribe” – o primeiro filme inspirado em um brinquedo que já existia nos parques da Disney – e é a chance de ver o incrível trabalho dos músicos. Eu gostei muito, mas acredito que muitas crianças devem ficar cansadas. Para fechar, precisamos segurar as lágrimas em “O Rei Leão”. É lindo, mas de novo senti falta da principal música, “Hakuna Matata”. Ainda assim, é lindo pensar em como esse filme é universal. Eu vi no cinema, há vinte anos (estamos velhos) e fiquei tão encantada quanto as crianças que assistem hoje em DVD,

DSC_0124

Antes de se despedirem, os músicos cantam “Mundo Pequenino” (It’s a Small World) e recebem, de surpresa, o próprio Mickey. O ratinho mais famoso dos desenhos brinca, dança e até rouba a batuta do maestro e rege a orquestra no maior estilo “Fantasia”. Adorei e acho que podia ter ficado em cartaz por mais tempo. Apesar disso, acredito que é o tipo de programa que agrada mais a minha geração, nascida no final dos anos 80 e começo dos 90, do que as crianças. Faltou tocar mais de “Cinderela”, “Mulan”, “A Branca de Neve”, “Hércules” e outros clássicos. Quem sabe não fazem um Disney in Concert 2. Público com certeza teria. Fica a sugestão!

Top 5: Os filmes mais perturbadores da Disney

Como acontece com a maioria das crianças, eu cresci assistindo aos desenhos da Disney. E o mais bacana é que eles são atemporais: hoje vejo tudo de novo com a minha irmã, de sete anos. Com a cabeça de adulta, consigo ter outra percepção dos filmes e avaliar exatamente a mensagem de cada história. No mundo atual, por exemplo, não faz o menor sentido acreditar em príncipe encantado e a própria Disney está tentando provar isso. Mas, além do sapatinho de cristal, dos tapetes voadores, das maçãs envenenadas e dos sete anões, existe uma lista de filmes pra  lá de assustadores que já deixaram muitos pequenos (e até mesmo os pais) apreensivos. Dá uma olhada nesses exemplos:

Fantasia

Ok, vamos considerar que a proposta desse filme, lançado em 1940, foi realmente inovadora. Para quem não sabe, o longa é formado por oito animações acompanhadas de músicas clássicas. O problema é que os desenhos são muito perturbadores. O próprio Mickey Feiticeiro me deixava com medo por conta daquelas vassouras do mal. E, na sequência, vem uma história que mostra a evolução da vida na Terra com direito a vulcões, fogo e dinossauros bizarros. Sim, eu sei que isso é baseado em estudos científicos, mas aos olhos de uma criança tudo parece muito assustador. Daí vem aquela cena clássica da hipopótama bailarina (uma fofura só ♥) que acaba sendo perseguida por jacarés. Quando você pensa que o pior já passou, surge o demônio Chernabog para te fazer ter pesadelos eternos. Tinha pavor dele e sempre pedia para pular as cenas. Por isso, se você é mãe, aí vai um conselho: Fantasia não é um filme para crianças. E não, não insista!

Dumbo

http://www.youtube.com/watch?v=RoysQe-2HS4

Logo no início do filme, o bebê elefante chega ao mundo e descobre que tem orelhas muito grandes. Por ser fora do padrão, ele vira motivo de piada e ganha o apelido de Dumbo, em uma clara alusão à palavra dumb, que, em inglês, significa burro (alguém aí pensou em bullying? Pois é!). Como se tudo isso não bastasse, a mãe dele resolve defender o filho e acaba confinada, deixando-o sozinho. Mas isso não é  tudo! Em certa parte do filme, o protagonista bebe uma água sem saber que, na verdade, estava ingerindo whisky e tem uma alucinação, com elefantes coloridos que mudam de tamanho e dançam ao som de uma música pra lá de estranha. Eu não tinha medo, mas não gostava de ver. A intenção da Disney foi realmente causar estranheza, já que o objetivo era manter as crianças longes de bebidas alcóolicas. Prefiro a Cinderela, muito obrigada!

Alice no País das Maravilhas

Eu sempre gostei da Alice. De verdade. Acontece que aquela loucura toda me causa um certo pânico. No final, eu entro em desespero porque não aguento mais ver a menina tentar sair daquela situação e não ter sucesso. Até aí, tudo bem. Mas tem uma parte que sempre me deixou muito triste e que talvez passe despercebida para muita gente. Trata-se do poema “A Foca e o Carpinteiro”, que fala sobre ostras que, de tanta curiosidade em ouvir as histórias prometidas pela foca, acabaram virando o jantar da própria foca. Esse conto, bem bonitinho no começo, é dito pelos gêmeos Tweedledee e Tweedledum justamente para servir de lição para Alice, que sempre se mete em confusão por querer saber demais. Se você considerar que o filme é baseado no livro homônimo (que por sinal é maravilhoso), até faz sentido ter um episódio bem estranho e sem sentido. Mas uma criança não precisa de um exemplo tão claro, não é mesmo?

Hércules

http://www.youtube.com/watch?v=FmFeODvZAIY

Por incrível que pareça, esse filme nunca fez parte da minha saudosa coleção de VHS da Disney. Lembro-me de ter assistido no cinema logo na semana de estreia – como fazia (e faço) com todos os filmes da Disney – e de ter saído sem muita empolgação. Só fui entender a razão de tudo isso quando assisti de novo, no ano passado, com a minha irmã. Tudo começa quando Hades, o deus do mundo inferior, sequestra Hércules (filho de Zeus) e o traz para Terra para que possa matá-lo (oi?). Só que o plano dá errado e a criança cresce. Até aí, ótimo. Só que, quando vira homem, o então mortal se apaixona por uma moça que fez um pacto com quem? Sim, Hades! Acontece que essa moça deu sua vida no lugar de um homem que amava e que a trocou por outra mulher. Pesado, né? E, no meio de tudo isso, Hércules luta com as criaturas mais bizarras e se arisca no mundo dos espíritos – com direito a aparições de mortos – para salvar a donzela. Se eu achei tenebroso, imaginem a coitada da minha irmã. Não por acaso, ela pedia toda hora para pular as cenas. Já vi coisas melhores…

O Caldeirão Mágico

Não me lembro de ter visto esse filme e o descobri enquanto fazia a pesquisa para este post. A animação faz parte da década de 80, conhecida como o período mais sombrio da Disney (que também inclui As Peripécias do Ratinho Detetive, O Cão e a Raposa e outros com temática forte e personagens assustadores). Assisti cinco minutos de um trecho disponível no Youtube (esse aí de cima) e já achei tenso. Acontece que essa foi a primeira animação da Disney a não ter músicas e, por isso, acabou deixando muitas crianças frustradas. Mas não para por aí! O vilão, que atende pelo nome de Rei de Chifres (sim, isso mesmo!), é retratado como o próprio demônio. Agora entendi por que eu nunca vi – e talvez nunca verei. Próximo, por favor!

 

A lista de filmes perturbadores da Disney inclui ainda Pinóquio, A Canção do Sul, Branca de Neve (medo  daquela cena em que ela é perseguida na floresta), As Aventuras de Ichabod e Sr. Sapo (que cita a lenda do cavaleiro sem cabeça), Bambi, O Conto de Natal do Mickey e por aí vai. Lembra-se de mais algum? Deixe nos comentários que prometo fazer um novo post sobre o tema em breve 🙂

Top 5: os avós mais fofos do cinema e da TV

Hoje comemora-se o dia da avó. Para celebrar essa data tão especial, a dica é ficar ao lado da pessoa mais querida da família. Uma boa sugestão é brincar de cinema em casa e assistir algo bem gostosinho. Pensando nisso, fiz uma seleção de filmes com os velhinhos (com todo respeito) mais fofos. Olha só:

Rainha Clarisse Renaldi: já falei aqui o quanto eu AMO “O Diário da Princesa”. Apesar de gostar mais dos livros, tenho que concordar que a avó do filme é muito mais legal. Um dos fatores que fazem com que ela fique no meu primeiro lugar é que quem deu vida à personagem é a Julie Andrews, também conhecida como a Mary Poppins. Além de elegante e poderosa, a Rainha Clarisse realiza o sonho de todas as meninas quando transforma a neta-aberração em princesa (sonho ♥). E sempre que eu a vejo, eu lembro da minha avó, então não tinha como dar a medalha de ouro para outra personagem!

image

Carl Friedricksen: o vovô de “Up – Altas Aventuras” é o típico teimoso e  rabugento que passa a maior parte do tempo preso nas próprias memórias. Mas é justamente isso que faz com que ele seja o velhinho mais próximo da realidade – quem nunca conheceu alguém assim? É bonitinho ver a falta de tato para lidar com o garotinho Russell, mas o mais fofo é perceber o quanto ele se dedicou ao grande amor de sua vida (uma coisa meio “O Diário de uma Paixão”). E é justamente com esse senhorzinho narigudo e baixinho que a gente consegue tirar ensinamentos lindos e sinceros. Impossível não se emocionar!

image (1)

Dona Benta: a dona do Sítio do Pica-Pau Amarelo é retratada como aquela avó que faz de tudo para agradar aos netos, conta histórias, é inteligente, gosta de ler e ajuda a preparar comidas gostosas. Fez tanto sucesso que levou sua turma para a televisão e já ganhou adaptações em séries e até desenhos animados. Mais do que isso, tornou-se a vovó mais querida do Brasil e emprestou seu nome para livros de receitas e virou marca de receita. Merecidíssimo!

image (2)

Alfredo: ok, ele não é avó, mas demonstra um carinho enorme pelo protagonista Totó. Incrível mesmo é pensar que esse filme tem quase 30 anos e ainda assim mostra uma das amizades mais sinceras e verdadeiras já retratadas no cinema. Um pouco reclamão, ele também é dono de um coração enorme e gosta de levar a vida com alegria. Além de transformar um menino simples em um cineasta de sucesso, ele também mudou a nossa vida – e nos levou às lágrimas em vários momentos, principalmente no final. Sabe o que é mais legal? Que existem vários Alfredos por aí. É só procurar!

image (3)

Avó da Mulan: enquanto pensava em personagens para montar essa lista, eu comecei a lembrar dos filmes que vi na minha infância e me dei conta que a Disney já criou uma senhorinha ousada e bem maluquinha. A avó da Mulan aparece apenas no começo e no final da animação, mas é dona dos comentários mais engraçados. No final, quando a heroína pergunta se o jovem capitão gostaria de jantar na casa dela, ouve-se uma voz ao fundo questionando se o bonitão não gostaria de ficar lá para sempre. Ela é bem fofinha e faz de tudo, tudo mesmo, para ver a neta feliz. Tem atitude mais de vó do que essa?

image (4)