Posts em destaque

Diário de viagem: Disneyland Califórnia e Las Vegas – Dia 12

Olá, pessoal! Durante três meses, eu compartilhei com vocês o diário da viagem que eu fiz para a Disney da Califórnia e para Las Vegas. Foi maravilhoso contar tudo por aqui, mas chegou a hora de mostrar como foi o nosso último dia. 🙁

Eu sempre acordo tristinha nos últimos dias das viagens que eu faço. Sabem aquela coisa de “viajar é bom, mas voltar para casa é melhor ainda?”. Eu não sei o que é isso, se pudesse viajaria para sempre. Mas, como foi a primeira vez que eu viajei sem alguém da família, eu até confesso que estava com uma vontade de voltar para contar como foi tudo para a minha família.

Bom, acordamos e nem tivemos dúvida de que o nosso café seria na Starbucks que ficava no piso térreo do nosso hotel, o Westgate Resort & Casino. Todo dia eu pensava: “queria comer uma coisa diferente no café da manhã”. E nesse dia eu pensei: “Ai que saudade que eu vou sentir do bagel com cream cheese”. E olha, eu sinto falta mesmo! (Eu sei que também vendem esse bagel aqui, mas não tem graça comer e não ter aquela loucura toda de Las Vegas junto. Vocês me entendem, né?).

Saudade do bagel e do meu café de todos os dias

Nós tínhamos acabado as visitas nos hotéis no dia anterior (Wynn e Encore são os hotéis mais famosos do extremo norte da Strip), então ficamos de escolher alguma atividade que acabou ficando de fora. Nessa lista, tinham o aquário Shark Reef, o show Fall of Atlantis no Ceasar’s Palace e a visitação dos flamingos de verdade no hotel Flamingo – nada mais óbvio, né?

O aquário Shark Reef é pago e as outras duas atrações que queríamos ver eram gratuitas. Como estávamos com um dinheirinho sobrando, fomos primeiro para o aquário e combinamos de ver se daria tempo de fazer as outras duas atividades. Isso porque a gente precisava voltar para o hotel à tarde para arrumar nossas malas e ir para o aeroporto à noite.

Como é o Shark Reef?

Fizemos a nossa saga de sempre: pegamos o monorail, descemos no MGM Grand e fomos para o Excalibur, onde pegamos um trem que nos levou até o Mandalay Bay. É lá que fica o Shark Reef. Vi em vários lugares que esse aquário era imperdível e todo mundo precisava ir, então, pagamos U$ 25 por pessoa e entramos.

O que eu posso dizer é que toda a construção do Shark Reef é MUITO bonita. É incrível como eles levam a sério a arquitetura em Las Vegas. Parecia que a gente estava em outro lugar, sabem? Todos os funcionários foram muito simpáticos e atenciosos com a gente também. Lá, você encontra várias espécies marinhas – inclusive águas-vivas e tartarugas gigantes – e passa embaixo de um túnel transparente com tubarões (bem parecido com os do Sea World).

Túnel do Shark Reef (a foto não ficou boa, mas dá para entender)

No nosso ingresso, estava incluso também uma visita ao Polar Journey, um anexo que montaram bem próximo ao aquário com alguns dados e um filme 5D sobre ursos polares. Não tem muita coisa para fazer lá, então, a gente ficou na fila do filme com a expectativa lá em cima, afinal, era 5D. No fim, a gente achou bem bobo. Você sobe em um tablado que se mexe e tal, mas não tem nada de 5D ali. Na verdade, a gente achou bem bobinho.

Não sei se é algo imperdível. Acho que vale a visita se você estiver como nós estávamos naquele dia, com tempo e dinheiro sobrando. No mais, acredito que você pular e priorizar outras atividades mais legais.

A entrada do Shark Reef é maravilhosa

Essa parte do Shark Reef fica em um espaço de convenções do Mandalay Bay, com uma praça de alimentação. A gente aproveitou para comer ali mesmo, no Nathan’s, conhecido por fazer “o melhor cachorro quente do mundo”. Os atendentes não estavam com muita vontade nesse dia, mas estava bem gostoso (não é o melhor cachorro quente do mundo, mas vale a pena).

E depois?

A Tâni, minha amiga que viajou comigo, precisava comprar um tênis na Skechers, então, nós fomos andando até uma loja da marca que fica na rua. Minha mãe tinha pedido para eu comprar um corretivo da MAC e eu fiquei com medo de não achar no Duty Free, por isso, fomos andando (e morrendo de calor) até o Miracle Mile, um shopping que fica dentro do hotel Planet Hollywood e que tem uma loja da MAC.

Depois, a gente andou até o hotel Paris Las Vegas, que fica do lado do Planet Hollywood, e pegou o monorail no hotel Bally’s, integrado ao Paris Las Vegas. A gente andou uma estação só e desceu no Ceasar’s Palace. Aí você pode pensar: “credo, andaram uma estação só? Por que não foram a pé?”. Vejam bem, estava uns 46 C. Você iria a pé se pudesse ir no ar-condicionado do monorail? 🙂

A gente não sabia onde era o show Fall of Atlantis, aí perguntamos e um funcionário nos falou. Fica no shopping The Forum Shops, bem perto da Cheesecake Factory, onde jantamos dias antes. Quando percebemos, o show já tinha começado, então saímos correndo no meio do shopping para assistir e não ter que esperar o próximo.

A foto está horrível, mas é só para vocês saberem que o Fall of Atlantis acontece nessa parte do shopping

O Fall of Atlantis é feito com três estátuas que se mexem e que representam os mitos de Atlântida. É legal, tem vários efeitos e, como falei antes, não custa nada. Só chegar e assistir. Não considero algo obrigatório, mas vale reservar um tempinho se você conseguir. Dura cerca de meia hora.

A gente ainda tinha mais uma coisa para riscar da nossa lista antes de ir embora: ver os flamingos. Saímos do Ceasar’s Palace, atravessamos a rua, e fomos para o hotel Flamingo. Encontramos os flamingos um tempinho depois e eu fiquei com um pouco de dó porque realmente parecia que eles estavam morrendo de calor. Só tiramos algumas fotos e voltamos para pegar o monorail pela última vez (dramática né, eu sei).

Fiquei com dó dos flamingos

No caminho para o monorail, estava rolando uma pool party lá no Flamingo e parecia legal, se não fosse o calor. Eu olhava e pensava: “essas pessoas são doidas de tomar esse sol na cabeça”. Ah, a gente não foi em nenhuma pool party por alguns motivos:

  • Elas começavam às 11h. Sim, quando o calor está de matar (Beijo, Bola de Fogo)
  • Não pode levar mochilas e bolsas (onde a gente deixaria nossas coisas?)
  • Tínhamos uma lista com várias coisas para fazer e que eram prioridades
  • Elas eram caras e o dólar está valendo mais de R$ 4. Preferimos gastar com outras coisas

E foi assim que pegamos o monorail e descemos na estação do nosso hotel para arrumar as malas e dar o horário de chamar um Uber e ir para o aeroporto. Normalmente, eu sofro muito para arrumar minhas malas, mas até que foi bem tranquilo. Nenhuma estava muito pesada e com risco de passar do limite de 23 kg. Tomamos um banho, trocamos de roupa e ficamos lá, vendo TV. Tivemos que chamar um Uber Bag, ele nos deixou no aeroporto e nós jantamos lá mesmo.

Como foi a viagem de volta?

A viagem de volta foi tranquila. Fiquei bem irritada porque o avião que nos levou de Las Vegas para a Cidade do Panamá não tinha TV individual, mas eu estava tão cansada e com tanto sono que dormi a viagem inteira (milagre). Vi alguns filmes no voo do Panamá para São Paulo e, quando vi, já estávamos de volta.

Rolou um pânico porque uma das minhas malas não saía. Eu morro de medo de perderem minha mala, então, já voei em cima do funcionário e falei que ele ia encontrar minha mala de qualquer jeito. Eu já estava desesperada, pensando em todas as maquiagens que eu comprei e que estavam lá e em todo o dinheiro que eu gastei para comprar as coisas que estavam na mala.

Nisso, a Tâni vem lá do fundo correndo com a minha mala. Não me perguntem o que aconteceu. Como tinham falado para o cara que todas as malas já tinham saído, meu palpite é que eles deixaram a minha mala cair em algum momento do trajeto entre o avião e o saguão de desembarque. Pelo menos ela chegou, né? A Tâni ainda precisou abrir uma reclamação porque quebraram a mala dela (outras pessoas também tiveram esse problema) e nós compramos mais chocolates no Duty Free. Aí desembarcamos e fomos para casa.   

Exageradas na quantidade de malas?

Essa viagem foi uma das melhores da minha vida! O fato de ter ido sem alguém da família fez com que eu me sentisse independente e voltasse com outra noção em relação a dinheiro. A gente tinha imaginado vários perrengues e, no fim, foi tudo maravilhoso. Conseguimos aproveitar os parques da Disney na Califórnia muito bem, não pegamos nenhuma fila enorme e Las Vegas me surpreendeu demais. Achava que seria uma cidade de jogos e festas e descobri que tem muito mais, fora que é tudo barato. Até o calor não foi tão ruim quanto pensávamos.

Eu não sei quando vai ser a minha próxima viagem, mas eu prometo fazer a mesma coisa e compartilhar tudo aqui no blog também, além de fazer muitos vlogs lá no canal.

Espero que vocês tenham gostado desse diário da viagem tanto quanto eu!

Um beijo e até o próximo post!

Diário de viagem: Disneyland Califórnia e Las Vegas – Dia 9

Olá, pessoal! Quem aí está acompanhando os relatos da viagem que fiz para a Disney da Califórnia e para Las Vegas? No último post, contei que estava faltando uma coisinha para a viagem ficar completa: fazer compras. Por mais que eu venha tentando diminuir meu consumismo, comprar é algo que eu amo, especialmente quando vou para os Estados Unidos, e algumas coisas eu fazia questão de trazer para o Brasil, como produtos de maquiagem.

O melhor lugar para fazer compras nos Estados Unidos, especialmente em épocas em que o dólar vale mais de R$ 4, é nos outlets. Minha dica é procurar sempre por outlets da rede Premium Outlets, que costumam ser os melhores. Mesmo que não tenha na cidade em que você está, vale alugar um carro e ir (ou verificar se existem linhas exclusivas de ônibus).

Las Vegas conta com dois Premium Outlets, um na região Norte e outro na região Sul. Normalmente, as pessoas vão para o outlet Norte porque é maior e possui mais lojas. No entanto, ele é aberto e a gente ficou com receio de não aguentar por conta do calor (lembrem-se: todo dia, as temperaturas chegavam a 45°C).

Além disso, o Jason, o guia que nos levou para o Grand Canyon no dia anterior, falou que a gente poderia passar mal com o choque térmico do ar-condicionado gelado das lojas e o calor seco da área externa. Nós também fizemos a lição de casa e olhamos as lojas dos dois outlets quando ainda estávamos no Brasil. Acabou que eu preferi as lojas do outlet Sul, que ganha pontos no calor por ser totalmente fechado – como um shopping mesmo.

Como foi nosso dia?

Acordamos às 8h, pedimos um Uber e fizemos uma rápida parada na Las Vegas Sign, a famosa placa da cidade que fica no caminho para o outlet Sul e bem próxima ao aeroporto. Estava lotado e não tem uma fila, você se joga no meio e tira a foto. Como nosso Uber disse que só podia esperar por 5 minutos antes de cancelarem a corrida, tiramos rapidinho a foto, filmei um pouco para o vlog e voltamos correndo.

Da placa Las Vegas Sign até o outlet foi bem rápido, coisa de minutos mesmo. Ele nos deixou em uma entrada onde ficava uma Starbucks e foi lá mesmo que tomamos nosso café (lembram que eu falei que a maioria dos hotéis em Las Vegas não tem café, né?). Nós entramos no site do outlet Sul na noite anterior para ver de novo as lojas e eu fiz uma lista das lojas que queríamos passar. É aquela coisa: se me deixar, faço lista de TUDO! 🙂

Logo ao lado da Starbucks, fica a Vera Bradley, uma loja muito fofa que vende bolsas de todos os tamanhos com as estampas mais lindas que você pode imaginar. Eu não ia comprar nada, mas descobri que as coisas estavam baratas e acabei comprando uma bolsa de presente. Mais tarde, nós voltamos a entrar nela porque a Tâni, minha amiga, queria ver uns presentes. Resultado: ela não comprou nada e eu acabei comprando uma pochete para mim. Estava DOIDA atrás de uma pochete e já usei muito, então super valeu a pena. Ah, a loja da Vera Bradley só tem no oultet Sul, ok?

Passamos por mais algumas lojas, como Nautica e Adidas, até chegarmos na loja da Charlotte Russe, que é bem legal e costuma ter preços bem em conta. Para minha surpresa, estava tudo MUITO em conta, até peças da nova coleção. Fui para o provador com umas 10 peças, mas acabei selecionando algumas e fiz minhas comprinhas. Depois, foi a vez de parar na Skechers (que também só tem no outlet Sul) e me “desesperar” com a promoção de 50% na compra do segundo par. Falei com a minha mãe pelo WhatsApp e acabou que eu comprei um tênis para ela e outro para mim pela metade do preço.

Fizemos mais algumas comprinhas na Disney Store e enlouquecemos na VF, que vende peças de marcas como Lee e Wrangler e estava com preços ótimos. Depois, já estava na hora do almoço, então paramos na Sbarro e pedimos uma pizza gigante de pepperoni (foi ótimo porque as fatias que sobraram foram nosso café da manhã no dia seguinte).

A Claire’s, que vende acessórios e outras coisinhas fofas, estava tão boa que a gente quase entrou em pânico. Comprando 3 produtos, você levava mais 3. Eu sei que toda hora ia no caixa e a menina me falava: “pega mais 3 coisas, agora mais 2”. Era desesperador, num sentido bom, claro. Também aproveitei para comprar uns perfumes e a Tâni acabou comprando outra mala (que obviamente serviu para colocarmos nossas sacolas de compras).

Depois das compras, a gente sai com tudo novo: blusa, pochete e tênis

Preciso fazer um destaque para a GAP, que estava MUITO barata. Juro, nós compramos camisetinhas para usar no dia a dia por U$ 4 (!!!). Fui cheia de coisas para o provador, tudo ficou bom e eu só pensava: “meu dinheiro, socorro”. No fim, deixei só algumas peças e quando fui pagar, saiu bem mais barato do que eu imaginava.

Eu já tinha lido que Las Vegas era um dos lugares mais baratos dos Estados Unidos para fazer compras, mas não fazia ideia de que era TÃO barato. É mais barato até que Orlando e Miami. Foi nesse momento, com os braços doendo de tanto carregar sacola de compras, que eu descobri que estava apaixonada pela cidade! (Aliás, já quero voltar)

Depois das compras

Nossa ideia era passar uma manhã no outlet. Quando chegamos e vimos que o negócio era bom, resolvemos ir embora logo depois do almoço. Aí fizemos outras compras e, bom, pedimos o Uber de volta para o hotel lá pelas 16h. Como não tínhamos show nesse dia, foi ótimo porque compramos tudo com calma, voltamos para o hotel, colocamos as compras na mala, tomamos banho e descansamos. Sério, foi uma paradinha estratégica muito boa!

Trocamos de roupa e pegamos o monorail no nosso hotel rumo à Strip. A ideia foi continuar de onde paramos no domingo (mais para o meio da avenida), então descemos na estação do Ceasar’s Palace, um dos hotéis mais famosos de Las Vegas e muito conhecido por ser o hotel do filme Se Beber, Não Case.

O Ceasar’s Palace tem temática romana, com várias estátuas em todo o hotel. Passeamos pelo saguão e pelo cassino e depois seguimos para o The Forum Shops, um shopping bem legal que fica dentro do hotel e mistura algumas das lojas mais caras do mundo com outras mais reais (como Sephora, Apple e Victoria’s Secret). Aliás, tem uma loja ENORME da H&M nesse shopping e eu acabei comprando um scarpin vermelho de glitter lindo por U$ 10 (DEZ DÓLARES EM UM SAPATO, GENTE! Vocês têm noção disso?).

Nosso jantar foi na The Cheesecake Factory, que fica dentro desse shopping. Esse restaurante sempre lota e a atendente falou que a espera era de até 1 hora. Eu queria MUITO comer lá e não tem outras unidades próximas, então a gente resolveu esperar. Foi o tempo de ir no banheiro, comprar um cabo de celular na Apple e dar uma fuçada bem rápida na Sephora. Voltei para revezar com a Tâni. Ela entrou numa loja de souvenir e o pager apitou. Acho que não deu nem meia hora de espera.

Vai um pedacinho aí?

Dividimos uma porção maravilhosa de baked potato e pedimos dois cheesecakes, um para cada uma. Escolhi o Red Velvet (excelente) e a Tâni pediu um de Godiva, também de salivar. Mesmo dividindo só uma porção de entrada, não aguentamos comer os cheesecakes inteiros. Dá dó, mas a gente saiu praticamente passando mal rsrs…

Eu sou aquela sua amiga louca e ansiosa que acha que não vai dar tempo de fazer tudo, então falei para aproveitarmos e conhecermos mais alguns hotéis. Saímos do Ceasar’s Palace e fomos para o Cosmopolitan, que tem o maior lustre feito com cristais Swarovski do mundo (são três andares de lustre). O hotel não tem muita coisa além disso, mas nós gostamos bastante.

Três andares de lustre… coisas que só Las Vegas faz por você

Já estava tarde, mas a gente aproveitou para riscar mais um hotel da lista, o Paris Las Vegas. Como o próprio nome diz, o hotel é inspirado na capital francesa, então conta com uma reprodução do famoso Arco do Triunfo e uma Torre Eiffel. Você precisa pagar para subir na torre e nós não fomos. Antes de embarcamos, pesquisamos e vimos que não vale tanto assim. No geral, o hotel é muito fofo e tem um céu pintado no teto do cassino, o que é bem legal.

O Paris Las Vegas é integrado com o hotel Bally’s, onde fica uma estação do monorail. Tivemos que comprar um novo passe ilimitado de três dias porque o anterior tinha vencido. Descemos na estação do nosso hotel, voltamos para o quarto e dormimos porque estávamos cansadas, mais uma vez.

 

Foi um dia muito legal porque parecia que faltava esse lance das compras e quando eu descobri que era tudo barato, percebi que o dinheiro que eu levei ia durar até o fim da viagem e relaxei. Como falei antes, eu estava muito feliz no dia anterior, mas foi aqui que eu me apaixonei completamente por Las Vegas. Eu até podia ir embora, mas ainda tínhamos alguns hotéis para visitar e outros shows para assistir. Assunto para o próximo post!

Um beijo e até lá!