Posts em destaque

Novo Parque da Mônica inaugura em São Paulo

IMG_4764[1]

Sou louca por parque temáticos desde que me entendo por gente. Prova disso é que me lembro de ir bem pequena no antigo Parque da Mônica, que ficava no Shopping Eldorado, aqui em São Paulo. Fui pesquisar e ele abriu em 1993, quando eu tinha apenas 5 anos, Na minha imaginação de criança, o parque era imenso e cheio de atrações. Recorri ao Youtube para descobrir que, sim, ele era completo, com brinquedos inspirados em todos os personagens da Turma da Mônica. Perdi a conta de quantas vezes eu fui, mas sei que ele fechou as portas em fevereiro de 2010.

Desde então, falava-se muito sobre um novo parque, mas ninguém sabia ao certo onde ele ficaria. No começo do ano, a história finalmente teve um final feliz. O novo Parque da Mônica seria construído no Shopping SP Market, também na capital paulista, no local onde antes funcionava o parque Mundo da Xuxa. Quem é da minha geração sabe que o espaço era originalmente ocupado pelo Parque do Gugu, que eu achava O MÁXIMO – mas é tão velho, tão velho, que não tem vídeo ou fotos no Youtube.

IMG_4778[1]

Mauricio de Sousa cortou a fita de inauguração do novo Parque da Mônica

Depois de alguns meses em construção, o novo Parque da Mônica foi inaugurado neste sábado (04) para jornalistas e convidados e eu estive por lá. A curiosidade era tanta que muitas pessoas compareceram ao evento. A maioria carregando carrinhos de bebê e puxando os filhos pela mão. Depois de um discurso de abertura, Mauricio de Sousa, criador da turminha, cortou a fita e abriu oficialmente o espaço. O mais bacana é que os principais personagens estavam ali, esperando a galera com muita animação.

IMG_4719[1]

Apesar de ser considerado um dos maiores parques indoor da América Latina, a primeira coisa que a gente repara é que o espaço é beeeem menor do que o do Parque da Mônica original. O número de atrações também é menor, mas ainda assim agrada em cheio a criançada. Pois é, tem brinquedos que só permitem a entrada de crianças pequenas. Então aqui vai uma dica: vale a pena se você tiver filhos entre 5 e 12 anos, mais ou menos.

IMG_4774

Mapa com todas as atrações do Parque

Mas o que tem de legal por lá? A atração mais procurada é, sem dúvida, a montanha-russa do Astronauta. A estrutura é a mesma da montanha-russa do Mundo da Xuxa e não tem descidas radicais ou loopings, mas diverte os pequenos e ainda tem parte do trajeto que passa por uma área externa do shopping (a novidade é que agora ela está coberta para simular o espaço).

Gostei muito também do Brinquedão do Chico Bento, que lembra vagamente o brinquedão do antigo Parque da Mônica, que era um dos mais clássicos. Algumas estruturas foram recriadas, como o labirinto e o escorregador, mas ainda assim é muito mais compacto. De qualquer forma, foi divertido fazer o passeio mais de vinte anos depois…

IMG_4735[1]

Tem também a Trombada do Louco, que nada mais é do que o bom e velho carrinho de bate bate, a roda-gigante símbolo do parque que não é muito gigante, mas faz a cabeça dos pequenos e uma versão menor do Ce-Bolinhas, outro clássico do parque antigo. Os menores também se divertem na escalada do Piteco e no showzinho da Turma da Mônica.

Bonitinha mesmo é a Casa da Mônica, que tem o quartinho dela. Aliás, ela fica por lá com a Magali em horários específicos para tirar fotos, assim como os outros personagens. Todos estavam muito simpáticos e falaram com a mesma voz dos filmes e dos desenhos. A Magali, por exemplo, combinou comigo de falar “melancia” na hora do flash enquanto a Rosinha me deixou tirar foto com ela, mas pediu para não dar em cima do Chico Bento. Depois, quando disse brincando que ele era todo dela, ela falou que estava muito “agradecida”. Achei muito fofo e foi o que eu mais gostei no parque todo.

 IMG_4777[1]

IMG_4776[1]

IMG_4761 IMG_4780[1]

Só que claro, notei alguns pontos ruins. O primeiro é que o Horacic Park, brinquedo aquático, não funcionou por conta de uma parada técnica. Era o brinquedo que eu mais amava na época do Parque do Gugu e estava louca para voltar a andar nele, mas não foi desta vez. E olha que é uma das atrações mais anunciadas do novo espaço, então a frustração foi geral. Para quem não faz ideia do que estou falando, é tipo um splash inspirado no personagem Horácio com direito à queda na água e tudo mais. Ok não funcionar por questão de segurança, mas parar logo no primeiro dia de funcionamento pegou um pouco mal.

Outra coisa ruim: só tem um lugar para comer no parque todo. A unidade do McDonald’s até é grande, mas a fila para almoçar era ENORME. Espero que, com o tempo, abram outra unidade da lanchonete ou organizem melhor, porque senão o jeito vai ser ter muita paciência ou levar um sanduíche de casa. Fora que muitas atrações ainda não estavam prontas, então me passou a sensação de que o parque vai ser mais legal dentro de alguns meses.

De qualquer forma, é um passeio obrigatório para crianças pequenas e mega nostálgico para nós, adultos. Adorei ter sido convidada para o evento e certamente vou voltar!

Parque da Mônica: Shopping SP Market (Av. Nações Unidas, 22.540 – Jurubatuba – São Paulo-SP) | Ingressos a partir de R$ 64,50

[Resenha] Minions – O Filme

Atenção: este post contém spoilers!

minions-image

No finalzinho do ano passado, postei aqui no blog os filmes mais aguardados de 2015 e um deles era o dos Minions. As famosas criaturinhas amarelas, que roubaram a cena em Meu Malvado Favorito, ganharam um filme só delas e eu estava ansiosíssima para assistir. O longa estreou na semana passada e eu fui ver logo no segundo dia. O que posso dizer logo de cara é que a espera valeu a pena. O filme é divertidíssimo!

No início, descobrimos como os Minions foram criados e sabemos que eles existem para servir alguém. Ao longo da história, já ajudaram os dinossauros, o homem das cavernas, a Cleópatra, o Conde Drácula, Napoleão e por aí vai. Apesar de fofinhos e atenciosos, eles têm um problema que a gente já conhece bem: são terrivelmente desastrosos.

Por essa razão, não duram muito em cada serviço e precisam se exilar no Pólo Norte. Tudo parecia lindo, mas, aos poucos, eles se sentem infelizes e incompletos por não terem um chefe. É quando Kevin junta a turma e anuncia que vai partir em busca de um novo um líder. Durante a aventura, ele tem a companhia de Stuart, hippie que adora tocar violão, e Bob, um minion versão criança que esbanja fofura e nos faz rir em vários momentos

minions_lead.

Os três chegam a Nova York e ficam sabendo da Expo Vilão, que será realizada em Orlando. Eles partem então em uma nova viagem e desembarcam na feira, onde conhecem Scarlet Overkill, a maior vilã de todos os tempos. Apesar de sentirem medinho, eles conseguem o emprego e passam a serví-la. Só que ela tem uma missão nada fácil para eles: roubar a coroa da rainha da Inglaterra.

O enredo pode até ser bobinho, mas é tão engraçado que a gente torce para não acabar. O que eu mais gostei são as referências usadas no filme, principalmente à cultura inglesa. Para terem uma ideia, até os Beatles aparecem. Fora a trilha sonora que é cheia de hits de grandes bandas do rock como The Who e The Doors.

Apesar do sucesso com as crianças, os Minions também agradam em cheio os adultos e a prova é que o filme proporciona momentos engraçados para todas as idades. Até nas partes em que eles estão tristes nós sentimos vontade de rir. Eu já gostava deles, mas saí da sala ainda mais apaixonada!

minions-image-scarlet-overkill-bob-stuart-kevin-600x323-600x323

O mais legal de tudo é que o filme mostra como os Minions conheceram Gru, astro de Meu Malvado Favorito. Na época, ele ainda era criança, fazendo com que a gente perceba que eles estão felizes há muuuito anos! Uma fofurinha, super recomendo!

Avaliação: ♥♥♥♥♥

Sweet Hair lança projeto para criar o produto dos sonhos para o seu cabelo

ImageProxy

Quem me conhece e me acompanha aqui no blog sabe que eu sou louca por produtos que prometem efeitos diferentes nos cabelos. Já testei tanto shampoo, condicionador, cremes e máscaras que perdi a conta. Alguns, claro, entraram para a minha lista de favoritos (saiba mais aqui) e outros não me pareceram tão bons. Apesar disso, é difícil encontrar – ou mesmo pensar em – um produto criado especialmente para os nossos fios. Aquele que parece ter saído dos nossos sonhos, sabe?

Pois esse é o principal objetivo do projeto Sweet Dreams, lançada pela Sweet Hair no mês passado. A marca está disposta a desenvolver produtos que atendam às exigências de suas clientes e lançou uma promoção MARA! Basta clicar aqui para acessar o site da campanha e responder: “Qual o produto dos sonhos para o seu cabelo?”.

A pergunta pode até parecer fácil, mas eu demorei um pouquinho para encontrar a minha reposta. É que já tem muita coisa por aí e eu tentei imaginar algo inédito que me fizesse feliz. O mais bacana é que cada pessoa tem desejos específicos e tipos diferentes de cabelo, então a resposta é muito pessoal (não, não vou contar qual foi a minha hihi)…

ImageProxy

Mas como a promo vai funcionar? Bom, as respostas podem ser enviadas neste mês de julho e, depois, as melhores, mais criativas e mais possíveis serão transformadas em realidade (oba!). E tem mais: os produtos serão desenvolvidos por cinco embaixadoras da internet e as dez blogueiras que mais compartilharem a ação participarão da criação.

Não para por aí. As 50 blogueiras que mais divulgarem o projeto ganharão kits da Sweet com best-sellers da marca e, claro, os novos produtos. Estou curiosíssima para saber quais serão os produtos escolhidos e se eu estarei entre as vencedoras (quem sabe, né?).

Então é só clicar aqui para entrar no site, responder a pergunta e divulgar, compartilhar, fazer sinal de fumaça, enfim… Vale tudo quando os assuntos são cabelos e sonhos!

Férias em casa: o que fazer?

Estamos em julho e, para algumas pessoas, é tempo de relaxar e curtir as férias. Quando estava na escola, aguardava ansiosamente por esse período justamente pela felicidade de não fazer nada. Não sei se acontece – ou acontecia – com vocês, mas eu amava essa época no começo e depois ficava brava por não ter o que fazer.

Esse é justamente o principal motivo deste post. Vai tirar férias, mas está sem grana para viajar e não planejou nada? Sem problemas. Ficar em casa tem lá suas vantagens e não são poucas. Quer ver só?

Arrumar o armário

mulher-arruma-armario-3200_mini

É algo que eu SEMPRE faço quando tenho um tempinho livre, nem que seja em um feriado prolongado. A gente vive reclamando que está sem roupa ou que uma determinada blusa sumiu, mas nunca encontramos a disposição necessária para colocar a bagunça em ordem. E outra: é quase impossível manter tudo no lugar certo com a correria em que a gente vive. Por isso, nada melhor do que arregaçar as mangas e arrumar gaveta por gaveta. Aproveite ainda para fazer uma seleção das peças e doar aquelas que não servem mais. Ah, aqui também vale arrumar o quarto todo ou então organizar a casa.

Acordar sem pressa

woman-waking-up-motivated-lwadann-tardif-getty

Sem dúvidas, essa é melhor parte de tirar férias. É a desculpa perfeita para dormir até as 10h sem medo de chegar atrasada em algum compromisso. Para quem prefere acordar cedo, tem outra vantagem: dá para curtir aquela preguicinha na cama e ficar rolando de um lado para outro sem preocupações. Não tem coisa mais gostosa – ainda mais neste friozinho de inverno.

Começar (e terminar) uma série

Happy young woman watching tv on sofa

Este item está diretamente relacionado ao anterior. Como não existe um horário certo para acordar, dá para passar a noite toda acordada vendo aquela série que você morre de vontade de assistir. O melhor é que, se o seriado já tiver terminado, dá para ver tudo de uma vez só. Outra coisa que eu SEMPRE faço quando tenho um tempo livre. Às vezes, passo um dia inteirinho vendo episódios.

Praticar uma atividade física

© Copyright 2010 CorbisCorporation

É do tipo que a culpa a falta de tempo para não malhar? Pois bem, esse problema não existe nas férias. É hora de fazer valer o plano da academia que você tem preguiça de frequentar ou então de descobrir uma atividade que te dê prazer. Que tal caminhar pelo bairro ou em um parque? Outra ideia (que faz parte da minha realidade) é finalmente começar a correr. Também dá para dar uma volta de bike ou encontrar um curso intensivo de alguma modalidade, como dança. É a alternativa ideal para aqueles dias em que a gente se enche de ficar em casa e ainda deixa a saúde em dia.

Ler todos os livros que você comprou

woman-reading-a-book

Sou dessas que sempre compra um livro novo mesmo com uma pilha enorme de exemplares para ler. Demoro cerca de 1 mês para terminar uma história (esse tempo pode demorar mais ou menos dependendo do título) e até tento dar um jeito de terminar a pilha, mas tenho a sensação de que ela só aumenta. Assim como as séries, dá para passar o dia todo lendo nas férias e, com isso, ler um número maior de livros. Se você não é do tipo que lê, é a oportunidade perfeita para encontrar novos autores e descobrir o prazer da leitura.

Ver quantos filmes quiser

single-friends-watching-movies

Da mesma forma que tenho uma pilha de livros não lidos, tenho uma lista de filmes que desejo assistir. Só que a falta de tempo, mais uma vez, não me permite ver todos eles. Dá para resolver esse problema durante as férias. Vale chamar as amigas e organizar uma sessão cinema (veja algumas sugestões de filmes aqui) ou então assistir sozinha mesmo com tudo que tem direito: calça velha de moletom, debaixo do cobertor e com um balde de pipoca ao lado. Afinal, é hora de aproveitar as férias e deixar a dieta de lado. É ou não é?

Fazer compras

woman-holding-shopping-bags-379936

As consumistas de plantão vão concordar comigo. É maravilhoso ir ao shopping no meio da tarde, sem aquela muvuca do fim de semana, nem que seja apenas para tomar um café e passear. Mas, se quiser fazer compras, dá para entrar em uma loja e olhar tudo com calma ou então escolher o presente de aniversário de uma amiga sem pressa. Para quem não liga de ir ao cinema sozinha, é a melhor época para assistir grandes lançamentos em um horário tranquilo. Sem fila, sem barulho, sem celular tocando. Tudo numa boa! Eu só fiz isso uma vez, mas adoraria fazer de novo. Quem sabe nas próximas férias?

12 passos para aderir à moda dos anos 70

Não restam dúvidas que o inverno 2015 será totalmente inspirado nos anos 70. Já faz alguns meses que a década mais disco de todas voltou com tudo. Agora que o frio aterrissou de vez por aqui, a tendência promete fazer o maior sucesso. Ainda não sabe como fazer parte desse time? Então é hora de explicar quais itens são essenciais para aproveitar a estação com muito estilo:

Cores vintage

ebd2303c47c7251147d44e820d77945c

O primeiro passo para entrar na década é analisar as cores que eram usadas há 40 anos. Experimente olhar atentamente para as vitrines de lojas para ver que as principais estão lá. O verde-militar e o mostarda são vistos com mais frequência por combinarem com o friozinho, mas podem ser combinados com bordô, marrom e azul-escuro. A proposta para os looks deve ser exatamente a de criar um ar retrô.

Calças Flare

f91882dcf68091cf551737a1fc3cebad

Quem gosta de moda sabe que as calça flare, as antigas boca de sino, ocupam um lugar de destaque nas lojas e no closet feminino. Isso porque têm o incrível poder de afinar as coxas e alongar as pernas. Pois bem, a partir de agora devemos aposentar a nossa velha skinny e trocar por flares. E vale para qualquer tecido: jeans, couro, sarja e por aí vai.

Pantalona

cor-da-cala-pantalona-235x300

Estreita na cintura e larga em todo o comprimento, era hit nos anos 70 e promete repetir o sucesso. Para combinar com o clima de inverno, a dica é investir em cores escuras e usar, preferencialmente, com sapatos de salto alto. Outro elemento de destaque desta temporada é a pantacourt, que, como o próprio nome diz, é uma pantalona mais curta, com barra que para no meio da perna. Essa é para quem tem muito estilo, combinado?

Colete de pele (fake, por favor)

b5dc0eaf0bac8fa81598ac0bee8ae887

No ano passado, os coletinhos peludos fizeram a cabeça de muitas mulheres, inclusive a minha. Agora eles devem conquistar um número ainda maior de adeptas. A diferença é que os modelos de 2015 são mais larguinhos, compridos e mais claros. Opte por versões nudes, marrons ou até com esses tons misturados. Fica um charme!

Chapéu floppy

6928e0662fd311c9146049d33ebafb92

Olha ele aí de novo, gente! Com abas largas e molengas, o floppy apareceu no inverno do ano passado e invadiu o verão em versões de palhas outros materiais leves. É um item indispensável para fazer parte da década de 70. Substituto de gorros e toucas, volta em cores mais sóbrias e fica uma graça quando combinado com lenços e cachecóis.

Camurça

69f11b485d9b66c4fcdcb56d61b02c75

Taí o tecido símbolo dos anos 70. Quentinha e a cara do inverno, pode invadir qualquer peça do vestuário feminino. É mais comum encontrar em calças e jaquetas, mas nada impede que apareçam em blusas, saias, vestidos e coletes. Vale também para os acessórios, ok? Sair por aí com botas e bolsas de camurça é sucesso absoluto.

Franjas

de9698c9ad705f0b3dfde31a294ec4bc

Sabemos que elas vieram para ficar. Faz alguns anos que as franjas acumulam fãs e aparecem em diversos estilos. Só que agora elas são fundamentais e também invadiram todas as peças femininas. Dica para arrasar? Procure uma peça que misture as franjas com a camurça. Ou então as bolsas com franjas enormes, que já são moda no Brasil. E, olha, para fazer bonito mesmo, lembre-se de usar apenas um item franjado por vez, ok? Excessos podem cair no brega.

Vestidos estampados

retro-fashion-model-in-chiffon-dress-ibiza-seventies-flowing-feminine

A década de 70 não tinha uma proposta muito romântica, mas as mulheres da época gostavam, sim, de usar vestidos. E quanto mais estampado, melhor. Por isso, a dica é escolher um modelo que combine as cores da estação. O mais importante é que ele siga a silhueta setentinha, ou seja, que fique abaixo dos joelhos e que tenha mangas compridas, larguinhas e assimétricas.

Macacões

eaa1186cddfd0e59746e49fe273cdfd6

Tudo começou com as jardineiras, que estouraram no ano passado. No último verão, as versões com shorts viraram febre. Agora, os macacões são estampados e podem ser mais sequinhos, com calças marcadas no tornozelo, ou juntando duas tendências já descritas aqui: mangas assimétricas e boca de sino. Uma coisa meio Abba, sabe?

Botas de cano alto

hbz-skirts-boots-04

As mulheres dos anos 70 gostavam de sentir poderosas e investiam pesado nas botas de cano alto com salto quadrado. O ideal é que sejam marrons e que parem antes nos joelhos (sim, estamos falando do modelo over the knee). Experimente usar com vestidos ou com saias. Fica lindo e superfeminino!

Clogs

clogs-4

No início do ano, fiz uma lista com itens de moda que fizeram muito sucesso, mas que caíram em desuso rapidamente. Nela estavam os clogs, os famosos tamancos da vovó, que foram hit no inverno de 2010. Achei que eles nunca mais voltariam a ter um local de destaque, mas os safadinhos voltaram com tudo porque eram muito usados nos anos 70. Posso ser sincera? Continuo não gostando deles.

Óculos arredondado com armação grossa

8154259c83d16a3417c4f343f4fa5c93

Se o vestuário setentinha é estampado e chamativo, por que não levar esse visual para os acessórios? Esqueça os óculos espelhados do último verão e dê preferência para aqueles que carregam um ar vintage. Em outras palavras: formato arredondado + armações grossas + lente colorida. Modelos com armação bege e lente marrom-avermelhada, por exemplo, são os principais da lista. Sou superfã dessa versão e já estou me segurando para não comprar um!

Com todas essas informações, agora é só correr até a loja mais próxima e garantir o que mais agrada ao seu gosto. Boas compras!