Search Results for: diário dos 30

Top 5: os avós mais fofos do cinema e da TV

Hoje comemora-se o dia da avó. Para celebrar essa data tão especial, a dica é ficar ao lado da pessoa mais querida da família. Uma boa sugestão é brincar de cinema em casa e assistir algo bem gostosinho. Pensando nisso, fiz uma seleção de filmes com os velhinhos (com todo respeito) mais fofos. Olha só:

Rainha Clarisse Renaldi: já falei aqui o quanto eu AMO “O Diário da Princesa”. Apesar de gostar mais dos livros, tenho que concordar que a avó do filme é muito mais legal. Um dos fatores que fazem com que ela fique no meu primeiro lugar é que quem deu vida à personagem é a Julie Andrews, também conhecida como a Mary Poppins. Além de elegante e poderosa, a Rainha Clarisse realiza o sonho de todas as meninas quando transforma a neta-aberração em princesa (sonho ♥). E sempre que eu a vejo, eu lembro da minha avó, então não tinha como dar a medalha de ouro para outra personagem!

image

Carl Friedricksen: o vovô de “Up – Altas Aventuras” é o típico teimoso e  rabugento que passa a maior parte do tempo preso nas próprias memórias. Mas é justamente isso que faz com que ele seja o velhinho mais próximo da realidade – quem nunca conheceu alguém assim? É bonitinho ver a falta de tato para lidar com o garotinho Russell, mas o mais fofo é perceber o quanto ele se dedicou ao grande amor de sua vida (uma coisa meio “O Diário de uma Paixão”). E é justamente com esse senhorzinho narigudo e baixinho que a gente consegue tirar ensinamentos lindos e sinceros. Impossível não se emocionar!

image (1)

Dona Benta: a dona do Sítio do Pica-Pau Amarelo é retratada como aquela avó que faz de tudo para agradar aos netos, conta histórias, é inteligente, gosta de ler e ajuda a preparar comidas gostosas. Fez tanto sucesso que levou sua turma para a televisão e já ganhou adaptações em séries e até desenhos animados. Mais do que isso, tornou-se a vovó mais querida do Brasil e emprestou seu nome para livros de receitas e virou marca de receita. Merecidíssimo!

image (2)

Alfredo: ok, ele não é avó, mas demonstra um carinho enorme pelo protagonista Totó. Incrível mesmo é pensar que esse filme tem quase 30 anos e ainda assim mostra uma das amizades mais sinceras e verdadeiras já retratadas no cinema. Um pouco reclamão, ele também é dono de um coração enorme e gosta de levar a vida com alegria. Além de transformar um menino simples em um cineasta de sucesso, ele também mudou a nossa vida – e nos levou às lágrimas em vários momentos, principalmente no final. Sabe o que é mais legal? Que existem vários Alfredos por aí. É só procurar!

image (3)

Avó da Mulan: enquanto pensava em personagens para montar essa lista, eu comecei a lembrar dos filmes que vi na minha infância e me dei conta que a Disney já criou uma senhorinha ousada e bem maluquinha. A avó da Mulan aparece apenas no começo e no final da animação, mas é dona dos comentários mais engraçados. No final, quando a heroína pergunta se o jovem capitão gostaria de jantar na casa dela, ouve-se uma voz ao fundo questionando se o bonitão não gostaria de ficar lá para sempre. Ela é bem fofinha e faz de tudo, tudo mesmo, para ver a neta feliz. Tem atitude mais de vó do que essa?

image (4)

Por que vale a pena assistir a um jogo de Copa do Mundo?

IMG_6067

Quando eu criei este blog, há exatos três meses, prometi para mim mesma que não seria um diário. Só que diante de um evento tão grande como a Copa do Mundo, resolvi abrir uma exceção e fazer um relato da minha incrível experiência realizada ontem. Não sei bem o motivo, mas gosto (muito) de futebol desde criança. Brinco que pareço homem quando assisto a um jogo do meu time. Xingo, fico nervosa, brigo com os amigos e sei o que é um impedimento – cheguei até a explicar essa regra para um conhecido. Fui milhões de vezes ao estádio e já saí de lá feliz por ter vencido e triste por ter perdido.

Talvez seja por esse histórico de torcedora fanática que até hoje não entendo como demorei tanto para querer ver um jogo da Copa do Mundo aqui, no meu país. Infelizmente, fiz parte daquele time que achava que as coisas não dariam certo, que os estádios iriam desabar, que os black blocs matariam todo mundo que saísse de casa para ver uma partida. Enfim… o tempo passou, o mundial começou, tudo deu certo e eu percebi que ainda dava tempo de fazer parte da festa.

Aí entrei em outro time, formado por aqueles que acordavam às 4:30 da manhã na esperança de encontrar um ingresso no site da Fifa. E se o maldito do ingresso já é caro, imagina somar com o valor das passagens e da hospedagem. Ou seja, só me restou procurar um jogo na minha cidade e em um feriado ou final de semana. Só sobrou a semifinal do dia 9 de julho, uma das partidas mais desejadas. Ao todo, foram dez noites mal dormidas e nenhuma chance concreta de conseguir. Pensei em desistir várias vezes, mas queria tentar até o último minuto.

Um dia antes do jogo, horas antes de o Brasil ser eliminado da competição da forma mais humilhante possível, recebi a notícia que eu tanto esperava: sim, eu ia ver a partida. E, ao contrário do que eu imaginava, não seria na arquibancada. Seria no camarote, em uma área chamada Hospitality. Melhor, impossível!

IMG_6034

Meu coração começou a acelerar no segundo em que eu me aproximei da estação da Luz, de onde sai o Expresso da Copa (trem que vai direto ao estádio). O clima era muito gostoso, apesar da provocação insuportável dos argentinos. Comecei a reconhecer aqueles torcedores bizarros que se fantasiam e você acha que só existem na televisão. Tinha gente com alegoria de penas, gente vestida de tigre e zebra e, claro, muito batuque e vários idiomas ao mesmo tempo. Exatamente como eu achava que era!

O momento mais marcante foi quando o trem passou pela Arena São Paulo e todo mundo começou a aplaudir. Juro, é impossível não se emocionar! E aí você percebe que vale tudo, cada noite mal dormida, cada frustração, cada choro e cada grito de torcida. E, para completar, a partida foi exatamente do jeito que eu queria, com prorrogação e pênalti. Tudo para aproveitar esse momento pelo maior tempo possível.

IMG_6075

Pontos a favor: 

– Se você ainda pretende ver a final ou a disputa do terceiro lugar e tem condições para comprar o hospitality, faça isso! Além de ter um espaço reservado e coberto, você ganha comida e bebida a vontade e – o melhor de tudo – um banheiro bem bonitinho para chamar de seu (a fila do banheiro da arquibancada era quilométrica). Sem contar que você volta para casa com uma miniatura da taça da Copa de brinde.

– Tudo é muito organizado. Os voluntários são super simpáticos e extremamente educados. Além disso, há placas e sinalizações por todas as partes.

– Não vi nenhuma briga ou roubo. Fui de laranja para torcer pela Holanda e morri de medo de apanhar dos argentinos, mas voltei viva e com todos os documentos na bolsa.

Pontos negativos:

– É muita gente. Sério! E a saída do metrô prova isso. Uma verdadeira muvuca querendo ir para todos os lados que faz com você ande a cinco por hora. Aqui não tem jeito: tem que ter paciência.

– O trem da volta demora (e muito!). O da ida é bem rapidinho e faz o trajeto em vinte minutos, mas o da volta vai devagar e ainda para em algumas estações antes de chegar na Luz. Junte a isso o cansaço e o sono. Parafraseando a música do créu, tem que ter muita disposição e saber que você vai voltar para casa sentindo dor no corpo todo.

– Cuidado com a torcida adversária. No meu caso não era adversária, mas fui obrigada a aguentar a provocação dos queridos hermanos. Dá muita vontade de responder, mas não vale a pena. O legal mesmo é voltar para casa com uma história muito bacana na memória.

– Sim, as coisas são caras. A água é 6 reais e o refri, 8. Mas gente, o copo da Coca é tãããão lindo que o jeito é levar uma boa quantia no bolso e entrar no clima.

 

De resto, quero muito agradecer a minha mãe por ter conseguido o ingresso e compartilhado esse momento tão incrível comigo. Meu conselho para quem está pensando em ir: vá porque você não vai se arrepender!

IMG_6085

As Melhores Adaptações de Livros Para o Cinema

A Culpa é das estrelas

É hoje! Finalmente poderemos conferir o filme baseado no livro “A Culpa é das Estrelas”, John Green. Quem já viu em pré-estreias garante que o longa é extremamente fiel à obra e que o número de lágrimas derramadas é tão grande quanto (sim, você vai precisar de um lencinho para ir ao cinema). Para quem não conhece, a história fala sobre uma paciente terminal de câncer que se apaixona por um menino que também está doente. Juntos, eles decidem aproveitar o tempo de vida que ainda têm da melhor forma. Enquanto você corre para garantir o seu ingresso (dica: compre com antecedência), confira outras adaptações que são melhores do que os livros.

O Diário de Uma Paixão (The Notebook)

The notebook

Qualquer livro do Nicholas Sparks é fofo, mas esse é especial. Talvez pelo fato de ser narrado na visão do homem, o que normalmente não acontece, ou por mostrar que, sim, é possível ter um único amor a vida toda. Embora a obra seja linda, o filme é muito melhor! Normalmente as adaptações de livros do Nicholas não são muito boas, mas essa complementa as informações escritas. Isso porque no livro, a história se passa depois que o casal principal se conheceu e se separou. Mas, no filme, sabemos o que de fato aconteceu quando os dois eram mais novos e se apaixonaram. E vamos confessar que a química entre o Ryan Gosling e a Rachel McAdams fez toda a diferença. Até as brigas entre os dois são legais – no livro, o negócio é meio parado, sabe?

O Diabo Veste Prada (Devils Wear Prada)

O diabo veste

Na maioria das vezes, a gente lê o livro para depois ver o filme, não é? Mas, no caso de “O Diabo Veste Prada”, a situação se inverteu e muita gente assistiu primeiro o longa. São vários pontos positivos: quem faz a personagem principal é a Anne Hathaway e eu já disse aqui o quanto eu gosto dela, a vilã Miranda Priestly fica ainda mais incrível na pele de Meryl Streep e a trilha sonora é muito boa! (Tem U2, Madonna, Alanis Morissette e muito mais!). É uma ótima pedida para quem gosta de moda ou quem é jornalista – afinal, a história se passa em uma revista conceituada. Ou até mesmo para quem já teve um(a) chefe terrível. Vale muito a pena, de verdade! Sobre o livro: eu comprei assim que lançou e tentei ler por duas vezes, mas achei bem chato e não consegui passar da página 50.

Água Para Elefantes (Water For Elephants)

água para elefantes

Sou daquelas que assiste o filme só por causa do trailer. E eu lembro que decidi assistir “Água para Elefantes” só porque o trailer era lindo, cheio de efeitos e parecia ser bom. O livro saiu algumas semanas antes da estreia, então eu comprei logo e li rapidinho. Tanto o livro como o filme são difíceis e não é tão fácil compreender a história, mas é bem bonito, principalmente para quem gosta de animais. O livro é mais completo, mas também é mais parado. Em compensação, o filme pode parecer cansativo mas tem um vilão muito melhor do que o da obra. No fim, acho que entra na categoria “leia antes de assistir”.

127 Horas (127 Hours)

127

Ok, não é romance, não é fofo, não tem beijo, mas vale mesmo assim! Imagine uma história de mais de 200 páginas onde um homem conta sua experiência dos cinco dias em que ficou com o braço preso em uma fenda. Pois é, essa história é real e aconteceu com o alpinista Aaron Rolston. Tanto o livro  quanto o filme começam igual: mostram o espírito aventureiro da Aaron e as horas que antecederam o acidente. A partir daí, vira um tédio. No livro, ele recorre a episódios do passado enquanto fala da dor e da luta pela sobrevivência enquanto tenta se soltar da fenda. Mas no filme, temos o James Franco, que consegue segurar o filme sozinho. Ele brinca, chora, sorri e faz com que a gente sofra junto com ele no final (não vou contar para não prejudicar quem ainda não viu). O livro é muito parado e eu demorei muito para terminar, mas só fui até o final porque eu gostei MUITO do filme. Até hoje não me conformo por não terem dado o Oscar para o James Franco. Ele super mereceu!

Top 5: Filmes para ver com as amigas

Já tem planos para o final de semana? Que tal marcar uma festa do pijama com as suas melhores amigas? Além da pizza e do brigadeiro, um item que não pode faltar é o filme de menininha. Sim, aqueles que nós já vimos váááárias vezes, mas que veríamos de novo sem o menor problema! Vale selecionar aqueles que vocês adoram ou escolher um clássico. Seja qual for sua decisão, segue uma listinha com algumas sugestões:

Meninas Malvadas

image

O mais conhecido filme de garotas adolescentes nunca sai de moda. São vários motivos: 1) A Lindsay Lohan ainda era uma menina fofa e educada que fazia os filmes mais bonitinhos da época (Vide “Sorte no Amor” e “Sexta-feira Muito Louca”) e tinha um cabelo lindo e desejado por todas 2) Oportunidade única de ver atrizes que hoje são consagradas, como Rachel McAdams e Amanda Seyfried, em seus primeiros papeis no cinema – e vamos combinar que elas mandaram muito bem! 3) Apesar de ser um pouco exagerado, mostra situações vividas por todas nós na época do colégio. 4) Recentemente, “Meninas Malvadas” completou dez anos (sim, também fiquei chocada quando descobri) e várias pessoas ao redor do mundo aproveitaram para sair por aí com roupas rosas, em uma referência à frase On Wednesdays we wear pink. Então, aproveite o clima, peça para as amigas usarem looks da mesma cor e aperte o play.

As Patricinhas de Beverly Hills

image

Considerado um antecessor de “Meninas Malvadas”, foi um sucesso nos anos 90 e deu origem a livros e séries de TV. Mostra o cotidiano de uma típica patricinha – não preciso nem lembrar que a Alicia Silverstone era a queridinha da época – que decide mudar de comportamento ao se apaixonar por um rapaz mais velho que não liga para compras e conversas fúteis. É uma graça e conta com closets incríveis, passeios no shopping e confidências entre amigas (tudo que a gente gosta, não é mesmo?). Sem falar que dá para ver a atriz Brittany Murphy, morta em 2009, no primeiro papel: a novata Tai, que chega de outra cidade e precisa se adaptar ao estilo das outras garotas para fazer parte desse universo tão invejável.

Ele Não Está Tão A Fim De Você

image

Eu, particularmente, adoro esses filmes que trazem várias histórias ao mesmo tempo e contam com elenco cheio de astros. Esse talvez seja o meu preferido do gênero. É simples dizer o porquê: é impossível não se identificar com pelo menos um dos casos retratados. Tem a menina que vive ao lado do telefone esperando a ligação do cara da noite anterior, a que namora há anos e não vê a hora de casar, a que se envolve com um homem casado e a esposa traída. Dá para rir, sorrir e chorar em vários momentos. A produção foi baseada no livro homônimo, mas não é preciso ler a obra para entender o longa. Um clássico que vale muito a pena ser visto ao lado das amigas. Eu recomendo!

O Diário da Princesa

image

Esse filme marcou a minha adolescência, principalmente porque me fez ler a minha série favorita de livros (morro de saudade dos personagens até hoje). Quem não leu, consegue entender e se divertir da mesma forma com a história de Mia, que descobre ser uma princesa aos 14 anos. Completamente desajeitada, precisa passar por aulas de etiqueta com a avó para se adequar à realeza. Além de fazer uma referência ao mundo de contos de fada, tão sonhado por meninas, discute a importância da verdadeira amizade e do primeiro amor. A trilha sonora é bem fofa e tem participação da atriz Mandy Moore, que interpreta a popular Lana. Eu amo e posso ver várias vezes sem enjoar (o primeiro, porque o segundo é fraquinho e não tem nada a ver com os livros).

Encantada

image

Outro que eu já perdi a conta de quantas vezes vi. A produção da Disney de 2007 foi pioneira ao misturar desenho animado com longa metragem. Na história, a jovem Giselle é amaldiçoada pela rainha no dia de seu casamento com o príncipe do reino e  passa a viver em Nova York com a ajuda do procurador de divórcios Robert. Sem saber como se adaptar ao mundo real, protagoniza cenas hilárias. Uma delas é a presença de pombos, ratos e baratas que a ajudam a limpar a casa, ao invés de esquilos, coelhos e outros amigos da floresta. Outra que eu adoro é a que todos cantam e dançam no Central Park (a música foi até indicada ao Oscar). Tenho um carinho enorme pela Amy Adams desde então. Fofíssimo!