Posts em destaque

O lado bom de ser solteira

Sim, eu sou solteira. Por muitos anos da minha vida, confessar o meu estado civil era algo que me causava revolta e até vergonha (poxa, como assim eu não tenho namorado?), mas estou em uma fase tão legal comigo mesma – e andei lendo textos tão bacanas como esse publicado no blog Precisava Escrever – que eu descobri que ser sozinha tem lá suas vantagens. Alias, são várias. Quer ver só?

Amigos em primeiro lugar

download

Todas nós conhecemos alguém que acabou se afastando dos amigos depois que começou a namorar. E, quando acontece com a gente, fazemos questão de afirmar que continuaremos a ter vida social. Acontece que isso não é tão fácil, principalmente nos primeiros meses de relacionamento, quando tudo o que queremos é ficar perto da pessoa amada. Aí entra um grande ponto positivo para as solteiras: você pode sair com quem quiser, quando quiser e ir a qualquer lugar. E também tem todo o direito de recusar um convite e remarcar para a próxima semana. Dedicar sua atenção total aos amigos vale muito a pena, sabia? Afinal, quem vai te consolar se o namoro acabar?

Dar satisfação? Jamais!

Intirisari-online

Sou do tipo que planeja os compromissos do mês com bastante antecedência, mas não consigo nem imaginar como seria minha vida se eu tivesse que dizer o que estou fazendo a cada cinco minutos. Liberdade, para mim, é algo que não tem preço. É viajar com os amigos em um final de semana qualquer, é pensar no destino das suas próximas férias, é simplesmente pegar o carro e ir ao cinema para assistir aquele filme que você tanto quer. Claro que você pode fazer isso com outra pessoa, mas é tão gostoso curtir a sua própria companhia. Tudo bem que, quando você mora com os seus pais, vai receber uma ligação da mamãe perguntando quando você vai voltar para casa (mas mãe a gente perdoa, né?).

Conhecer gente nova

Party time

Estar solteiro significa ter a possibilidade de conhecer lugares diferentes e fazer novos amigos. Tenho histórias tão legais e engraçadas que até hoje penso no quanto reclamei à toa por não ter um companheiro. Se fosse comprometida, eu provavelmente não teria saído tanto e não me sentiria tão à vontade para me divertir. Mas o importante é que isso seja feito no momento certo. Não adianta colocar o seu vestido mais bonito e acertar no penteado se você não está no clima de balada. Do mesmo modo, não saia de casa se você decidiu que está cansada desse tipo de programa. Digo por experiência própria: eu costumava sair muito, mas, de uns tempos para cá, prefiro fazer algo mais light. Sim, eu sei que não vou conhecer ninguém ficando em casa, mas não vejo sentido em forçar algo.

Aprender a gostar de si mesmo

Favim

Sabe aquele velho ditado que diz que o primeiro passo para encontrar alguém é o amor-próprio? Funciona, viu! Quando você aceita a imagem que vê do outro lado do espelho, tudo fica mais leve e fácil. Você consegue separar seus defeitos e suas qualidades. Valoriza aquilo que tem de bom e se esforça para ser uma pessoa melhor. Mas, principalmente, você aprende a conviver com a frustração. Esse é o grande desafio da solteirice. Claro que todas nós gostaríamos de ter alguém por perto, mas entendemos que não vale a pena namorar o primeiro cara que aparece só para mudar o status do Facebook. Se amar é compreender que os outros podem, sim, ser felizes e que a sua hora vai chegar. Mas, se não chegar, você também vai ser feliz, só que de outro modo. Namorar, casar e ter uma família é o sonho de muita gente (inclusive o meu), mas isso não é tudo.

Economizar

Social Girl World

Na verdade, os gastos que você vai ter serão somente com você. O que isso significa? Comprar aquela bolsa linda que você já está de olho há tempos sem ficar com peso na consciência. Ou então dar entrada em um apê que será do seu jeitinho. É bom planejar a vida com mais alguém por perto? Muito. Mas também é bom saber que você pode exagerar um pouquinho sem a necessidade de dar explicações quando chegar a fatura do cartão. É tudo por sua conta e risco. A responsabilidade aumenta, mas é muito bacana se sentir no controle e não ficar triste quando recebe mais uma parcela daquele presente que você comprou para o ex pouco antes do namoro terminar.

Por fim, ser solteiro é aprender a driblar o medo da solidão e entender que não tem problema nenhum em viver assim. E rir dos comentários que as outras pessoas fazem sobre você. Afinal, quem nunca ouviu um: “ah, é que você é muito exigente”? Bom, melhor ser exigente e esperar para encontrar alguém que realmente valha a pena, não é?

Na onda das food trucks: Butantan Food Park

food-trucks-butantan-food-park

Além de visitar a exposição do Castelo Rá-Tim-Bum, aproveitei o último domingo para conhecer outro lugar que já estava há tempos na minha wishlist: o Butantan Food Park. Apesar do nome pomposo, o espaço nada mais é do que uma praça de alimentação que reúne várias opções de pratos preparados em trailers e barracas. Esse conceito de alimentação, batizado de “Food Trucks”, está fazendo o maior sucesso, principalmente aqui em São Paulo – é comum encontrar uma fila quilométrica de pessoas que trocam o jantarzinho da sexta-feira por um macarrão, cachorro-quente e outros quitutes elaborados dentro de um carro.

Localizado em um antigo estacionamento, o Butantan Food Park oferece um esquema de cardápio rotativo. Ou seja, não tem como enjoar. A proposta é realmente agradar todos os gostos. Quando eu fui, por exemplo, tinha hambúrguer, sanduíche de rosbife e pernil, massas, empanadas, coxinhas com sabores exóticos (pato e ragu), polenta cremosa e até mesmo paella.

Como boa geminiana que tem dificuldade para tomar qualquer tipo de decisão, eu rodei o espaço inteiro três vezes antes de fazer minha escolha. Por fim, optei por começar com umas batatinhas rústicas do Restaurante Brado, temperadas com maionese de alho e salsa picante. A porção saiu por R$ 10 e ainda ganhei um convite para conhecer a sede do restaurante, que fica em Pinheiros, e degustar uma taça de vinho por conta da casa. Bacana, né?

Batatinhas deliciosas do Brado

Depois de mais algumas voltinhas, fui parar na Waff, que oferece sandubas preparados no waffle. Escolhi o Porto de Galinhas, recheado com peito de frango, catupiry e tomate. Demorou um pouquinho para ficar pronto porque a procura era grande, mas estava tão quentinho e saboroso que eu aproveitei cada mordida. Para os vegetarianos, uma boa notícia: eles também fazem uma versão com ricota e espinafre. E como não podia deixar de ser, também existem opções doces, com Nutella e doce de leite.

Além de diferente, o sanduíche é bem recheado e muito gostoso

Por falar em sobremesa, é praticamente impossível decidir como encerrar a refeição. Tem bolos, cookies recheados e macarons (entre outras delícias). Minha decisão veio pela vontade de experimentar as famosas paletas mexicanas. Parei no quiosque da Me Gusta e pedi um picolé de morango com leite condensado. Gostei, é bem refrescante, mas, na minha humilde opinião, é bem ok.

Antes de ir embora, comprei a caixinha da Pudim Mania, que vem com três mini-pudins. Bem fofinho, cada doce vem em uma forminha de alumínio que pode (e deve!) ser reaproveitada. Provei o de Ovomaltine e o de pistache e amei os dois. Tem ainda recheio com doce de leite, café, avelã… Bom, só de falar já deu água na boca!

Caixinha fofa da Pudim Mania

A maior parte dos frequentadores é jovem, mas também vi famílias, casais e até gringos. O local não tem estacionamento, então muita gente vai de táxi e aproveita para beber – tem desde cervejas até drinks mais elaborados.

O único ponto negativo é que o espaço não é lá muito grande (imaginava beeeeem maior) e as mesas comunitárias de madeira ficam lotadas em questão de minutos. Se você, assim como eu, tem dificuldade para comer em pé, vale atravessar a rua e se acomodar no banco do prédio comercial que fica em frente. Essa, inclusive, é a parada de quem decide levar os cachorrinhos de estimação para o passeio.

Adorei, superindico e pretendo voltar mais vezes! Só não faço ideia do que escolher (para variar um pouco).

__________________________________

Serviço

Butantan Food Park

Rua Agostinho Cantu, 47, Butantã – São Paulo (SP)

De segunda a quarta: 11h – 16h |  De quinta a sábado: 11h – 22h | Domingo: 12h – 19h

Exposição Castelo Rá-Tim-Bum: eu fui

IMG_6654

Apesar de ter apenas seis anos em 1994, eu me lembro muito bem do que dia da estreia de “Castelo Rá-Tim-Bum”. Lembro de estar na rua com a minha mãe e querer voltar correndo para casa porque o programa ia começar. E, de fato, foi um verdadeiro sucesso. Qualquer pessoa que tenha crescido no anos 90 sabe quem é Nino, Biba, Pedro, Zequinha, Morgana, Penélope, Celeste e outros moradores do Castelo. Esse é apenas um dos motivos que explicam as filas quilométricas que a exposição – em cartaz no Museu da Imagem e do Som (MIS) – que comemora os 20 anos de programa (sim, estamos velhas!) recebe todos os dias.

Eu já imaginava que a procura seria grande, então comprei o ingresso pela internet logo quando começaram as vendas. Em questão de minutos, as datas foram se esgotando e eu só consegui achar ingresso para o dia 17 de agosto. Foi terrível ver todos os meus amigos tirando fotos e dizendo o quanto era incrível enquanto só me restava aguardar, mas a espera valeu muito a pena. Chegamos hoje cedo para retirar os convites sem fila alguma e a atendente disse que poderíamos entrar em qualquer horário. Por isso, se você ainda pretende ir, fique de olho porque o MIS libera, a cada tanto, um novo lote de ingressos pela internet. Ok, tem um valor um pouco mais caro, mas vale pela certeza de que você conseguirá conferir cada detalhe.

O mais bacana é que você tem a possibilidade de fazer parte do castelo, já que os cenários do programa foram recriados no espaço. Cada sala é dedicada a um ambiente da mansão mais mágica do Brasil. Como não poderia deixar de ser, a exposição começa com o porteiro. Assim que as portas se abrem, você já consegue ouvir a característica música de abertura. E logo o protagonista Nino aparece, em uma transmissão holográfica, e diz que está feliz por te receber. (Muito fofo ♥)

E aí começa a caminhada pelos ambientes do castelo. Dá só uma olhada:

IMG_6663

IMG_6664

O primeiro ambiente é a biblioteca e logo de cara encontramos o Gato Pintado. O espaço é interativo: ao puxar alguns livros, você ouve uma voz como se o próprio livro se apresentasse.

IMG_6673

A segunda sala é o laboratório dos cientistas Tíbio e Perônio. Até o esqueleto de dinossauro foi incluído no espaço.

IMG_6683

O próximo espaço é o escritório do Dr. Victor. A cada tanto, a sala começa a piscar e ouve-se o famoso bordão do personagem: “Raios e trovões”. Lá também encontramos as botinhas roqueiras Tap e Flap.

ea4b73ee5e770c05bf2455179c960e47

IMG_6685

O esconderijo do Mau e do Godofredo é tão bem feito que o chão é cheio de baratas (de mentira, claro!).

IMG_6691

IMG_6693 IMG_6696

A sala de música é um dos ambientes mais legais. Tudo está lá, o circo, a caixinha de música, o piano, as poltronas originais do castelo. É muito lindo!

IMG_6704

IMG_6708

O próximo ambiente é dedicado ao Etevaldo e, antes de encontrar a roupa original do personagem, passamos por um caminho que simula o espaço. O chão treme de verdade e causa a sensação de que você vai cair. Logo depois chegamos à cozinha. Eu amei, principalmente pela perfeição de detalhes.

IMG_6745

IMG_6750

IMG_6753

Depois de visitar a Caipora, que fica no jardim atrás da cozinha, vamos para o salão principal. É tão mágico que eu vou deixar as fotos explicarem:

IMG_6779

IMG_6788

Esse espaço é dedicado para as cartinhas que os fãs do programa enviaram. Morri de amores!

Esse espaço é dedicado para as cartinhas que os fãs do programa enviaram. Morri de amores!

É quase obrigatório fazer uma selfie com a cobrinha Celeste (minha personagem favorita)

É quase obrigatório fazer uma selfie com a cobrinha Celeste (minha personagem favorita)

IMG_6824

Próxima parada: quarto da Morgana (e pausa para mais uma selfie com a Adelaide, que eu também amava!). Apesar de não ser muito grande, tem espaço para o caldeirão e o figurino original.

IMG_6832

IMG_6837

IMG_6840

As duas últimas salas são bem concorridas e quase ninguém sai sem tirar pelo menos uma foto: o ninho dos passarinhos (“que som é esse?”) e o lustre das fadinhas Lana e Lara.

IMG_6851

IMG_6853

IMG_6861

IMG_6859

E aí, deu vontade de conhecer também? Então aproveite porque a exposição fica em cartaz até o dia 12 de outubro. Mas lembre-se de que as filas estão imensas e os ingressos de cada dia costumam acabar ainda de manhã. Programe-se, acorde bem cedo e tenha muita paciência. Eu garanto: vale muito a pena 😉

________________________________________________

Serviço:

Castelo Rá-Tim-Bum – A Exposição

Museu da Imagem e do Som (Mis) – Avenida Europa, 158, Jardim Europa – São Paulo/SP

Horários: Terça a sexta, das 12h às 21h; Sábado, das 10h às 22h; Domingos e feriados, das 10h às 20h

Preço: R$ 10

Tel: (11) 2117-4777

www.mis-sp.org.br

Produtos básicos para quem é escrava de secador e chapinha

Outro dia contei sobre a minha batalha diária para deixar meus cabelos bonitos. Como meus fios são muito fininhos, eles armam com facilidade. Então não consigo sair de casa sem antes passar pela dupla secador + chapinha. Aí entra outro problema: o ressecamento. Nós sabemos que esse ritual de beleza não é nada saudável, ainda mais quando os cabelos têm química. No meu caso, o cuidado deve ser redobrado, já que, além da tintura, tenho a progressiva. Como sei que não sou a única que gosta de ver os cabelos saudáveis, preparei uma listinha com os produtos que eu uso. Vamos lá:

Bepantol Derma: hidratação caseira com efeito de salão

b

Esse produto mudou minha vida, sério! Já conhecia o creme em bastão do Bepantol porque ele é o mais indicado para cicatrização de tatuagens. Como lá em casa todo mundo tem rabiscos na pele, nós já estamos acostumados a ver a pomada por perto. O que eu não sabia é que ela também pode ser usada nos cabelos. Existe uma versão líquida chamada Bepantol Derma que deixa os fios brilhantes e hidratados. E o melhor: é  superfácil de aplicar. Basta misturar algumas gotinhas  com a máscara de sua preferência. Eu uso uma linha da Seda Profissional exclusiva para cauterização, que evita a formação de pontas duplas (terror dos cabelos fininhos). Importante lembrar que o ritual deve ser feito a cada quinze dias. Em doses excessivas, o produto pode deixar os fios com uma aparência pesada, ok?

Modo de usar: depois de aplicar e retirar o xampu e o condicionador, passe a máscara com o Bepantol e deixe agir por três minutos. Após esse prazo, volte para o chuveiro e enxague até tirar todo o produto. Os cabelos realmente ficam mais fortes e crescem com uma aparência melhor. Essa técnica, inclusive, fez com que meus fios começassem a crescer mais rápido. Antes eles quase nunca passavam dos ombros.

Living Proof: primer antifrizz com função de protetor térmico

148225

Quem usa secador sabe que um dos maiores vilões do alisamento é o frizz. Eu já tinha tentado de tudo, até que me recomendaram o Living Proof. Comprei em uma loja da Sephora dos Estados Unidos e lembro que todas as vendedoras me falaram que ele era realmente mágico. Comprovei logo no primeiro uso. Além de reduzir os fiozinhos arrepiados, ele deixa os cabelos com volume e brilho. Eu também gostei da duração. Apenas para terem uma ideia, ainda estou usando o tubo que trouxe da viagem que fiz em 2013. Mas como ele realmente faz milagres, já tenho mais um fechadinho no meu armário para usar quando esse acabar.

Modo de usar: a aplicação deve ser feita com os fios úmidos. Passe uma toalha para retirar o excesso de água e coloque uma pequena quantidade do produto nos cabelos desembaraçados antes de ligar o secador. A boa notícia  é que ele vale para qualquer tipo de cabelo e não é exclusivo para os quimicamente tratados (Viva!!).

Óleo de Argan: brilho e força por mais tempo

organix_renewing_moroccan_oil_healing_dry_oil_4oz

Lembro que há quatro anos ninguém falava desse tal óleo. Mas foi só anunciarem os efeitos que ele trazia para todo mundo correr atrás de um frasco. Hoje existe uma quantidade enorme de marcas que vendem a fórmula, mas meus fios só se deram bem com a versão da Organix. Além do brilho e da proteção que ele oferece, eu também gosto muito do perfume, então uso para tirar aquele cheirinho de comida que as vezes fica nos cabelos. A regra de ouro é usar um pouco (bem pouquinho mesmo) do óleo para não terminar com os fios pesados. E nada de passar na raiz, pois pode dar a impressão de estar ensebado. Aplique sempre do comprimento para as pontas, combinado?

Modo de usar: depois de secar os fios para tirar a umidade, aplique o óleo e ligue novamente o secador para turbinar os efeitos. Essa versão é um pouco cara, mas vale muito a pena. Existem uns formatos pockets que cabem na bolsa e também funcionam!

Xampu Tickening (Bumble and Bumble): volume extra imediatamente

10303317-1330615555-404178

Uma das maiores frustrações de quem tem cabelo fino e alisado quimicamente é a falta de volume. Cheguei até a dormir de trança para ver se dava um jeito no visual, mas não adiantou. Eu me acostumei a ter os fios mais murchinhos. Até que conheci a linha Thickening, da Bumble and Bumble. A proposta dos produtos é justamente essa: deixar os cabelos lisos mais fartos. O problema é que eles não têm uma fórmula muito cremosa, então os fios ficam um pouco duros (é justamente por isso que muita gente não gosta da marca). Aí entra o segredo: combinar o xampu com um condicionador que deixe os cabelos mais suaves e macios. Dá supercerto!

Modo de usar: a aplicação é feita da mesma forma que acontece com os outros xampus. Passe em toda a extensão do cabelo e massageie bem antes de enxaguar. Importante lembrar que, por conta da textura pesada, o ideal é fazer esse ritual a cada quinze dias para deixar os fios “respirarem”.

Sérum Dove Reconstrução de Pontas Duplas: proteção por muito mais tempo

710737_Ampliada

Nós sabemos que é fundamental cortar os cabelos a cada dois ou três meses para ele crescer com saúde. Só que nem sempre a gente faz isso, não é? Pensando nas mulheres que morrem de medo de ir ao cabeleireiro (levanta a mão quem sofre desse mal), a Dove criou um reparador que promete eliminar as pontas duplas. Essa era a minha única salvação antes do Bepantol. Os fios realmente ficam mais saudáveis e brilhantes e o melhor de tudo é que apenas cinco gotinhas dão conta do recado, então ele dura bastante.

Modo de usar: aplique depois do secador e da chapinha. Apesar de sonharmos com o cabelo da Rapunzel, não tem milagre que faça o cabelo crescer. As pontinhas precisam, sim, ser cortadas a cada tanto.

 

Fotos: Lu Candeias, Oz Cosmetics, Hair Friday, Look Fantastic e Lojas Rede

Cinco motivos para assistir ao filme "3 Idiotas"

image

Quem me conhece e é leitora assídua deste blog sabe que eu adoro cinema. Só que, ao contrário de outros fãs da sétima arte, eu prefiro os filmes norte-americanos e dificilmente consigo assistir longas de outros países. Ainda bem que existem algumas exceções, como aconteceu com o maravilhoso “3 Idiotas”. Até semana passada, se alguém me falasse sobre um filme indiano, eu imaginaria algo com roteiro duvidoso – até fraco – e muitas danças e cantorias bregas inspiradas no hit do Youtube “Rivaldo, sai desse lago” (Não sabe do que eu estou falando? Então clica aqui).

Mas, depois de assistir ao filme, entendi o motivo de ter sido ganhador de tantos prêmios ao redor do mundo. O sucesso do longa se deve a uma feliz combinação entre cinco fatores:

1. O enredo é simples e fácil de entender 

idiots_02

O filme fala sobre a relação de Rancho, Fahran e Raju (os idiotas do título), que se conheceram durante a faculdade de engenharia. Depois da formatura, cada um segue seu caminho. Até que Fahran e Raju decidem partir em uma jornada para encontrar Rancho, desaparecido depois de repensar a vida. Sem terem a menor ideia do paradeiro do amigo, os dois começam a se lembrar dos tempos de universidade.

O enredo pode até parecer bobo e clichê, mas consegue prender a plateia em questão de minutos. Tudo porque o filme faz questão de retratar Rancho como uma pessoa iluminada e muito especial. Sem perceber, você já está participando da busca e torcendo para que consigam localizá-lo.

2. Os personagens são extremamente reais

images

Não é só Rancho que é retratado como um cara do bem. Fahran e Raju também são interpretados de forma brilhante e mostram os medos e os receios individuais. Enquanto Fahran ama fotografia e está na faculdade de engenharia para não decepcionar o pai, Raju sofre por antecipação antes de fazer as provas e prefere fazer promessas para os deuses. São pessoas que não existem apenas nos filmes. Todas nós temos um amigo que coloca a família em primeiro plano e tem problemas para confiar no próprio talento. É justamente essa identificação com a realidade que torna a história mais leve e gostosa.

Claro que alguns personagens são caricatos, como o diretor da faculdade, que é reclamão e faz de tudo para se ver livre dos meninos. Mas é uma delícia (no bom sentido, claro) torcer para que ele se dê mal depois das tentativas em acabar com a vida acadêmica dos alunos.

3. É cheio de lições de vida

69c7b51c5918a857e146cd6f8cbbeff4

O filme tem 170 minutos de duração, ou seja, são quase três horas. Durante esse período, você consegue sorrir, dar risada e se emocionar com os mais diversos tipos de ensinamentos. As lições de vida falam sobre amizade, amor, carreira profissional, trabalho e por aí vai. É praticamente uma aula de autoajuda. Apesar de ser longo, o filme acaba com aquela sensação de quero mais. Assim que apertei o “stop” fiquei com vontade de ver de novo e repensei várias atitudes.

4. As músicas grudam na cabeça

Como todo filme de Bollywood, “3 Idiotas” é cheio de músicas e danças bem características da Índia. Para quem gosta de musicais (meu caso), é um prato cheio. Os que não gostam podem se concentrar na legenda das canções e prestar atenção na mensagem positiva por trás das letras. Aviso desde já que elas vão grudar na sua cabeça por dias. E o mais legal de tudo é que os atores realmente cantam, ao contrário do que acontece em outros filmes. Dá uma olhada na cena em que toca “All is Well”, que, para mim, é a melhor música do filme:

5. Conhecer outras culturas realmente faz bem

A gente sabe que a Índia tem costumes muito diferentes dos nossos. Mas, com o filme, nós vemos outro lado do país. O que mais me chamou atenção foi a paisagem. As estradas mostradas são tão lindas, cheias de cores e verde, que dá muita vontade de ir para lá. Só que o longa também se preocupa em mostrar o outro lado da cultura, especialmente o trânsito caótico (é pior que o nosso, sabia?). Em pelo menos três cenas, eles citam que os motoristas não respeitam nem mesmo uma ambulância com a sirene ligada. Claro que tudo é feito de forma descontraída para atrair ainda mais nossa atenção. Outro fato curioso é que eles misturam os idiomas hindi com o inglês na mesma frase. Por isso, não abra mão da legenda em português, certo?

3-idiots

De resto, é só apertar o “play” e se entregar à história! Vale muito a pena!