Posts em destaque

Top 5 – Filmes que marcaram a minha infância

Esse tempo realmente passa rápido demais, né? Mal tive tempo pra piscar e já estamos em outubro falando sobre uma das comemorações mais gostosas do ano: o Dia das Crianças. Claro que essa data é muito mais gostosa quando você é pequena, ganha presentes e pode ser paparicada. Ou quando você é mãe e prepara um dia maravilhoso ao lado do filho, mas enfim…

Resolvi aproveitar o clima de festa para falar sobre os filmes que eu mais gostava de assistir quando era criança. Sabe o que é mais engraçado nisso tudo? A gente percebe que está velha quando comenta sobre um determinado filme com uma pessoa mais nova e ela responde “nossa, nunca vi, aliás, nem sabia que existia”. Acreditem: isso aconteceu comigo e, não, não foi nada legal!

Vamos conhecer os escolhidos da vez?

A História Sem Fim

download

O meu preferido de loooonge! É só ler ou ver algo falando sobre o filme que já me vem a música-tema na cabeça (never ending stoooory ah ah ah ah). Não me lembro muito bem quantos anos tinha quando vi pela primeira vez, mas sei que, em determinado momento, fiquei completamente viciada e obriguei todos os meus amigos e familiares a assistirem comigo. Várias vezes. E olha, sonho até hoje em dar uma volta com o Falcor, o cachorro voador.

Se você não faz ideia do que eu estou falando, aí vai um resuminho express do filme: tudo começa quando um garoto chamado Bastian entra em uma livraria e acaba achando um livro chamado (adivinhem só) A História Sem Fim. Ele acaba pegando o livro escondido e, enquanto lê, imagina-se transportado para um mundo de fantasia cheio de monstros e princesas. É o máximo, gente!

Meu Amigo Dragão

petes-dragon-pete-and-elliott-620360

Outro que eu amava. Na verdade, sempre que ia à locadora (sim, sou do tempo em que a gente alugava filmes) ficava na dúvida entre esse aqui e A História Sem Fim. É um filme bem velho da Disney, da década de 70, e um dos primeiros a misturar pessoas com desenhos animados. Passei boa parte da minha infância assistindo, mas aí cresci e ele ficou só na memória. Até que eu fui viajar para a Disney quando tinha 19 anos, comprei um CD com músicas de todos os filmes e lá estava uma do filme. Foi muita emoção porque eu nunca mais esqueci!

A história gira em torno de Pete, um órfão que foge da família adotiva e acaba indo morar em uma cidade pequena e humilde. O problema é que ele tem um amigo bem inusitado: o dragão Elliot, que é muito bonzinho, mas acaba envolvendo o menino em vários situações. Enquanto escrevia este post, descobri que O FILME GANHOU UM REMAKE NESTE ANO! Quero ver já!

Os Batutinhas

1os-batutinhas_cineaventura_divulgacao

Lembro que tinha uns 8 anos quando começou o auê por causa desse filme. Era muito nossa realidade, afinal, estávamos naquela fase em que odiávamos os meninos e eles odiavam a gente. Era tão legal que eu alugava toda hora, assistia com as amigas que dormiam em casa e não perdia quando passava na Sessão da Tarde (até quando eu já era adolescente).

Bem voltado para o público infantil, o filme conta a história de um grupo de amigos que funda um grupo de meninos que odeiam mulheres. Tudo vai muito bem até que um dos líderes se apaixona por uma menina, deixando o melhor amigo cheio de ciúme. Acontece que ele leva um monte de fora dela e pede uma forcinha justo para quem? Para o amigo, óbvio! O mais legal é que ele é bem atemporal, dá super pra ver com a sua priminha, por exemplo!

Anastasia

67eb4e36ec68d74a449139e21d41e289

Ela não é da Disney, mas fez tanto sucesso que eu coloco no mesmo patamar de piração da Ariel ou da Cinderela. O filme foi produzido pela Fox e estreou por aqui no finzinho de 1997. Lembro que assisti nas minhas férias, no Rio de Janeiro, e que estava completamente louca para ver sei lá eu por quê. Vai ver porque gostava das novelas da Thalía, que canta a música tema do filme. Fato é que eu nem tinha visto e já tinha a Barbie dela!

A animação é baseada na história da família Romanov, que morreu assassinada durante a Revolução Russa. Por muito tempo, acreditou-se que uma das filhas do Czar, Anastasia, teria sobrevivido. No filme, ela bate a cabeça durante a fuga e perde a memória. Anos depois, ela encontra dois pilantras (pausa para suspirarmos pelo Dimitri, que é o cara mais lindo já feito nas animações), que querem encontrar alguém que se pareça com a princesa apenas para ganhar a recompensa. Sou bem crescidinha, mas continuo amando o figurino da Anastasia. Quem mais?

A Princesinha

lmprinhd0841

Mais um clássico das minhas idas à locadora. Acho que vi pela primeira vez no cinema, mas não tenho muita certeza. Fato é que, depois de assistir uma vez, virou um vício. Fiz todas as minhas amigas assistirem, especialmente quando passava na Sessão da Tarde, e rolou até uma exibição completa com direito a todos os meus primos lá no Rio de Janeiro no último dia de algum ano (a velhice tá tensa, não me lembro de mais nada).

A princesinha, no caso, é uma menina bem fofa órfã de mãe e deixada em um internato por seu pai, que foi lutar na 1ª Guerra Mundial. Ela é muito querida por todas as outras meninas, mas acaba despertando a raiva da diretora do local. Só que aí o pai dela é dada como morto e a mulher é tão do mal que começa a tratar a garota como empregada. É triste, viu, gente? Eu sofria junto com a menina!

Menção honrosa: O Rei Leão

o-rei-leao-the-lion-king

Qualquer pessoa que foi criança nos anos 90 foi infectada pela febre de O Rei Leão. Foi um marco na história da Disney (meio como aconteceu com Frozen nesta década). Esse aqui eu lembro muito bem de assistir no cinema – aliás, o melhor programa EVER desta época era ir ao cinema para ver um lançamento da Disney – e de sair de lá querendo qualquer coisa relacionada ao filme e aos personagens.

Sei todas as músicas de cor até hoje, decorei as falas (“eu rio na cara do perigo”), mas o engraçado é que ele nunca foi meu filme favorito da Disney (se fosse apostar em algum, acho que seria A Bela Adormecida ou A Pequena Sereia). Seja como for, a história de Simba e sua jornada para comandar os animais é um clássico e originou até o desenho do Timão e Pumba que passava no SBT, no TV Cruj – quem lembra?

 

E vocês, também assistiam a algum desses filmes na infância?

Um beijo e feliz Dia das Crianças!

Top 5 – Filmes para quem gosta de comer

Olá, pessoal! Tem algo mais delicioso do que comer? Ir àquele restaurante que você adora, degustar seu prato favorito, pedir para alguém preparar sua receita favorita, encomendar aquela pizza saborosa que faz séculos que você não come, experimentar algo novo, lembrar do gosto daquele prato que você amava quando era criança, aquele tempero que só a sua avó sabe fazer… Vamos falar a verdade: comer é tudo de bom!

Ok, a gente sabe (ou pelo menos deveria saber) que a alimentação balanceada faz bem à saúde, mas incluir ao menos um desses hábitos aqui em cima faz bem ao organismo. Isso porque comer algo que você goste muito – mesmo que seja a saladinha daquele lugar que você ama – contribui para a sensação de bem-estar, que, consequentemente, afasta os problemas e nos deixa em equilíbrio.

Pensando nisso, aproveitei o tema para fazer um Top 5, cheio de filmes que exploram a arte da gastronomia e nos deixam com água na boca só de ver o trailer. Prepare seu estômago e bom apetite:

 

Ratatouille

4d89294e6ffbddf161a57d06681a3ab4

Um dos meus filmes favoritos da Disney depois de fechar a parceria com a Pixar, Ratatouille é mais um da série de animações que agradam mais aos adultos. A história se passa na França e fala sobre o simpático ratinho Rémy que sonha em ser chef de cozinha e faz amizade com o ajudante atrapalhado de um bistrô que não sabe cozinhar, mas que precisa manter seu emprego. Pronto, Rémy começa a trabalhar escondido e faz com que o ajudante leve a fama pelos bons pratos que prepara. Por falar nisso, é tanta coisa boa que sai daquela cozinha que a gente fica morrendo de vontade de comer os pratos típicos da culinária francesa. Uma delícia!

 

Sem Reservas

6b2f99b1540afa542fab95338a4c0390

Este aqui explora muito bem os bastidores das cozinhas de restaurantes e da vida de um chef profissional. A protagonista é vivida pela maravilhosa Catherine Zeta-Jones, que é tão compenetrada no comando de um restaurante que as pessoas ficam com medo dela. Tudo vai bem até que contratam um subchef, que tem um estilo de trabalho completamente diferente do dela. Enquanto isso acontece, ela ainda precisa lidar com a chegada de sua sobrinha, que passa a morar com ela depois da morte da mãe. É tanto close em ingrediente e tanta receita saborosa que o estômago até ronca. Sabem aqueles filmes bobinhos que a gente ama? Olha aqui um ótimo exemplo!

 

Estômago

2960b1752f5c803a9fe50043d23ef7d5

Não sou muito fã de filmes nacionais, especialmente comédias, mas, de vez em quando, temos bons motivos para apertar o play e prestigiar nossos atores. Estômago é um dos exemplos mais recentes que temos por aqui. Recém-chegado a São Paulo, Raimundo começa a trabalhar como faxineiro de um restaurante, mas logo descobre o talento para cozinhar. Não demora muito até que o dono de uma cantina italiana o chama para trabalhar com ele e, a partir de então, ele se torna especialista em gastronomia. Enquanto tudo isso acontece, a gente também vê momentos de Raimundo na prisão e aí passamos o filme todo tentando adivinhar o que fez com que ele chegasse ali. É MUITO engraçado, na medida certa, sem apelações e ainda dá água na boca! Recomendo para todo mundo!

 

Chef

3bed043e8034bbcc68cfa4fe50e5b9f1

Sabe aquele filme que você começa assistindo sem dar muita bola, mas descobre que é muito bom? Foi o que aconteceu com este aqui. Chef de um badalado restaurante, Carl tenta inovar no cardápio, mas o dono do estabelecimento não gosta de novidade. Depois de receber uma crítica negativa por oferecer justamente os mesmos pratos, ele tira satisfação com o chefe e a briga vai parar na internet, fazendo com que ele seja demitido. Sem ter para onde ir, ele decide rodar o país com um food truck, onde tem toda a liberdade para servir o que quiser. Nesse tempo, ele ainda tem a companhia do filho e se reaproxima da ex-mulher. Os temas são batidos, mas a história é supercriativa e a gente termina com vontade de abrir um food truck também!

 

Lunchbox

8f5ad421ce1270ef6d4c055e4093f41e

Sabe aqueles momentos de puro tédio em que você começa a ver o que tem no Netflix e clica em qualquer filme só para passar o tempo? Foi assim que conheci Lunchbox, uma produção indiana estrelada pelo mesmo ator do maravilhoso As Aventuras de Pi. Acostumado a receber marmitas de um restaurante todos os dias no almoço, um homem recebe por engano uma marmita preparada por uma dona de casa. A comida é tão maravilhosa que ele escreve uma carta agradecendo e os dois passam a se falar apenas por correspondências. É um pouquinho parado, confesso, mas vale a pena continuar assistindo porque tem todo aquele encantamento, mistério e idealização dos amores platônicos.

 

Gostaram das opções? Quais outros filmes te deixam com água na boca?

Um beijo e até o próximo post!

Top 5 Especial Olimpíadas – Filmes que falam sobre esportes

Olá, pessoal! Eu me lembro direitinho do dia em que escolheram o Rio de Janeiro para ser sede das Olimpíadas de 2016. Eu tinha 21 anos, estava almoçando e comemorei, mas pensei em como o evento estava longe. Pois bem, ele chegou! Os Jogos Olímpicos mais aguardados de todos os tempos começam amanhã (5) e vão até o dia 21, sendo que logo depois começam as Paralimpíadas, ou seja, teremos diversão e esporte por um bom tempo!

Pensando nisso, resolvi criar um Top 5 com filmes que falam sobre esportes. Achei que seria difícil encontrar uma leva boa de opções para indicar aqui, mas acabei surpresa com a variedade de histórias. Como muitas de vocês já sabem, eu só indico filmes que eu já assisti, assim posso falar com mais propriedade, então muitos clássicos do cinema esportivo ficaram de fora. Ah, também quis pegar sugestões que falassem de modalidades diferentes. Vamos conferir os escolhidos da vez?

 

O Homem Que Mudou O Jogo

cde76c921619b21db38e1f47c2b0e9a3

Não entendo nada sobre baseball e achei que ia odiar este filme, mas as críticas eram tão boas que eu resolvi tentar. E não é que vale a pena mesmo, gente? Baseado em uma história real, foca na trajetória de Billy Beane, gerente do time Oakland Athletics. Desapontado após sucessivas derrotas do clube, ele decide contratar um assistente que tem um método particular e baseado em estatísticas. Apesar de muita gente odiar essa nova teoria, a coisa dá certo e o time volta a vencer. Não por acaso, esse método foi usado por muitos outros clubes de baseball nos Estados Unidos. Parece chato, confesso, mas é muito bom e a gente consegue entrar no ritmo da história em questão de minutos. Fora que tem o Brad Pitt no elenco, o que já faz a gente querer apertar o play.

 

Duelo de Titãs

6e5825eba3828d6a779fa101c28690b6

Este aqui é um clássico dos filmes de esporte. Feito pela Disney em 2000, conta a história de um técnico de futebol americano contratado para comandar o time Titans nos anos 70. O problema é que ele é negro e não só alguns atletas, como muita gente envolvida com o clube, é racista e preconceituosa. Aos poucos, ele consegue mostrar seu talento e conquista o respeito de todos. A história é muito legal e prende que é uma beleza, fora as músicas, que são conhecidas e fazem com que a gente cante junto. Dá pra ver sozinha, com o boy, com a família e até com os filhos adolescentes.

 

Valente

60bb768dda4b57e69042d56f0abe5c6f

A ruivinha mais revolucionária do mundo da Disney já apareceu antes no blog, mas também merece um destaque por aqui, já que é fera em arco e flecha. Merida é tão boa na modalidade que consegue acertar o alvo até mesmo quando está caminhando ou de olhos fechados. O filme, no entanto, vai além do esporte e foca na relação dela com a mãe, que insiste para que ela se case e tenha bons modos. É fofinho, mas não está entre os meus favoritos. Mesmo assim, vale a pena porque ela foi uma das primeiras princesas da Disney a romper com a lenda do Príncipe Encantado.

 

O Vencedor

a8af7416de288bf72384a3f79d1b25a8

Outro que acabou me surpreendendo positivamente e que também é baseado em uma história real. O foco aqui é em Micky Ward, que tenta carreira no mundo do boxe influenciado pelo irmão, que se tornou famoso após nocautear um campeão mundial, mas que parou de lutar depois de tornar usuário de drogas. O problema é que Micky não consegue ir bem e vive às sombras da família, já que é agenciado por sua mãe. Até que ele começa a namorar uma garçonete que o incentiva a lutar de forma mais profissional e os bons resultados começam a aparecer. Sabe aquela boa e velha história de superação? Pois é.

 

As Bicicletas de Belleville

3bd44c897d219753ae0b59c83f267056

Esta aqui foi uma das melhores animações da década passada e concorreu ao Oscar de 2004 na categoria. De origem francesa, conta a história de uma senhora muito simpática e seu neto, que é um menino muito solitário e que só se sente feliz quando está em cima de uma bicicleta. Ele cresce incentivado pela avó e pelo cachorro Bruno e decide participar do Tour de France, uma das principais competições de ciclismo do mundo. No meio da prova, no entanto, ele é sequestrado e acaba parando em uma metrópole. Sua avó e o cachorro partem, então, em uma jornada para encontrá-lo. Sério, gente, é uma graça de filme! Deu até vontade de assistir de novo agora!

 

Gostaram das opções? Lembram-se de outros filmes que falam sobre esportes?

 

Um beijo e uma ótima Olimpíada para nós!

Top 5 – Filmes para comemorar o Dia do Amigo

Ter um amigo (ou muitos) é uma das melhores coisas da vida! Não importa se você conheceu na escola, na faculdade ou recentemente, essa pessoa será um grande companheiro, que dará os conselhos que você precisa a qualquer hora do dia! Isso sem falar nos programas que ficam mais divertidos quando vocês estão juntos.

E tem mais: a amizade é tão especial que faz um bem danado para a saúde – especialistas já concluíram que ela é capaz de prolongar a expectativa de vida. Bom, né?

Não por acaso, foi criado o Dia do Amigo, comemorado em 20 de julho aqui no Brasil e em outros países da América do Sul (em outras localidades, a data é 30 de julho) em homenagem à chegada do homem na lua, que simbolizou a união das pessoas em torno de um objetivo que parecia impossível.

Nada melhor, então, do que aproveitar este dia tão especial para fazer um Top 5 com amigos inseparáveis. Vamos conferir?

 

Woody e Buzz (Toy Story)

toy-thumb-600x338-136310

Quando o primeiro filme da franquia Toy Story foi lançado, eu era bem criança e achei chato. Aí cresci, vi de novo e amei. Estou para dizer, aliás, que é uma das minhas animações favoritas, muito em razão dos personagens. E por falar nisso, quer dupla que mais simboliza a amizade do que o caubói Woody e o astronauta Buzz Lightyear? Eles começaram se odiando, muito em razão de ciúme, e, aos poucos, tornaram-se inseparáveis. Apesar de amar o Slinky, o cachorro de mola, eu tenho um carinho enorme por essa duplinha aqui – e não sei dizer qual deles gosto mais!

 

Harry, Rony e Herminone (Harry Potter – a série toda)

141159108

Estou longe de ser maníaca por Harry Potter, mas sei que esses três aqui se conheceram no primeiro livro e, desde então, viraram melhores amigos. Grande parte das aventuras de todos os filmes, baseados nos livros homônimos, é realizada quando eles estão juntos e a amizade é tão grande que um faz de tudo para proteger os demais. Enquanto Harry descobre-se bruxo pouco antes de entrar para Hogwarts, a escola de bruxaria, Rony é de uma família tradicional de bruxos e Hermione é uma trouxa (palavra usada para caracterizar quem não é bruxo) que é nerd e sabe tudo.

 

Marty e Doc (De Volta Para O Futuro)

4fe818f5caac65cefafa698b2076f605

Ô delícia de filme, né gente? O filme já tem mais de 30 anos e o tal do futuro da segunda parte da história já chegou – bem diferente do que foi retratado, por sinal –, mas eu posso ver e rever várias vezes sem enjoar. Nessa primeira sequência, o garoto Marty se encontra com um cientista que ele carinhosamente chama de Doc, só que, ao fugir de um grupo de terroristas, ela acaba voltando no tempo e indo parar em 1955. Ele agora conta com a ajuda do amigo, em versão mais jovem, para fazer com que seus pais se apaixonem e ele possa voltar para a sua realidade. Juro, amo todos os filmes da trilogia e recomendo ver em sequência!

 

Mike, Sully e Boo (Monstros S.A.)

3110a513b08bb0fe0268ef8b51b113e7

Moradores de Monstrópolis, uma cidade habitada apenas por monstros, Mike e Sully são melhores amigos e trabalham assustando crianças pequenas todas as noites por meio da porta do armário delas, que faz a conexão entre os dois mundos. Tudo caminha bem até que Boo, uma garotinha muito fofa decide abrir a tal da porta e acaba invadindo a terra dos monstros. Depois de acolhê-la, Sully passa a nutrir um carinho enorme pela menina, mas tem que lidar com o ciúme de Mike, que não gosta nada da presença dela. Ah, vale a pena também assistir Universidade Monstros, que não é tão legal quanto o primeiro, mas mostra o início da amizade entre Mike e Sully. Fofo, fofo, fofo!

 

Carter e Edward (Antes de Partir)

f85feafe9b19097f431cfaad7b63fd24

Sabe quando duas pessoas que não têm nada a ver se encontram por acaso e viram amigos? É o que acontece neste filme. Internado em um hospital para combater o câncer, Carter acaba tendo que dividir o quarto com o dono do hospital, Edward, que também está com câncer. Com poucos meses de vida, eles decidem escrever uma “lista da bota”, com tudo o que desejam fazer antes de morrer. Depois disso, partem juntos, então, para realizar todos os itens e acabam virando amigos. É lindo demais e superinspirador. Eu tenho a minha listinha também e comecei a escrever depois de ver o filme!

 

Gostaram das sugestões? Aproveite para assistir ao lado dos seus amigos!

 

Um beijo e até o próximo post!

Eu vi: Como Eu Era Antes de Você – o filme

Contei algumas vezes aqui no blog que Como Eu Era Antes de Você é o livro mais lindo que eu já li na vida. Quando soube que ele viraria filme (lá em 2014), quase tive um treco de tanta emoção. E aí, o tempo ia passando, eu via fotos dos atores nas filmagens – aliás, AMEI a escolha da Emilia Clarke e do Sam Clafin para os papeis principais – e cadê que esse filme nunca ficava pronto, gente? Daí começou a tortura dos trailers, do “vazamento” de algumas cenas e finalmente a previsão de estreia: junho de 2016. Confesso que fiz uma contagem regressiva mental de tanta ansiedade e aí, quando vi, lá estava eu sentadinha na sala do cinema!!

A adaptação do livro da Jojo Moyes entrou em cartaz no dia 17 e eu combinei de assistir com duas amigas que também piram na história na sexta-feira (18). O auê era tanto com qualquer coisa que postavam sobre o filme que eu fui até o shopping na hora do meu almoço para comprar um dia antes. Vai que os lugares esgotassem quando fôssemos comprar… E olha, minha tática deu supercerto porque a sala estava lotadérrima. Não vi um lugar vazio!

294abab503d754a3a1e3201eb979f0e5

Para quem não faz ideia, a história fala sobre Lou, uma mulher de 26 anos que leva uma vida simples em uma cidadezinha e trabalha como garçonete de um café. Quando ela perde o emprego, se vê sem saída e não tem nem mais cara de procurar algo na agência de empregos, até que surge uma vaga para trabalhar como cuidadora de Will, um tetraplégico milionário por seis meses. Ela não tem experiência nenhuma com isso, mas consegue a vaga. É quase como a história do filme Intocáveis (outro que eu amoooo), só que é claro que ela acaba se apaixonando por Will. Problema: ele super curtia a vida que ele tinha antes do acidente e se odeia por estar naquela situação. Cabe a ela mostrar que a vida de hoje também pode ser boa mesmo em outras condições.

Realmente concordo com algumas críticas que vi por aí que o filme é muito fiel ao livro. A descrição de algumas cenas bate perfeito com a que eu tinha na minha cabeça, principalmente as roupas exageradas da Lou. Os diálogos mais lindos estão ali também e é quase como se eu tivesse voltado para 2013, quando levava o livro para cima e para baixo (quase perdi o ônibus do meu antigo trabalho algumas vezes porque ficava lendo no ponto…).

A meia listrada de abelinha é um clássico do armário da Lou

A meia listrada de abelinha é um clássico do armário da Lou

Senti falta, é claro, de algumas cenas importantes, como a tatuagem que a Lou faz na companhia do Will. A mãe dele, que é insuportável no livro, até que é boazinha no livro. E tem uma cena do final que não aparece no filme, mas não vou entrar em detalhes para não dar spoilers. Uma coisa é certa: assim como acontece no livro, é impossível não se acabar de tanto chorar. Aliás, chorei bem mais no filme do que no livro. Por mais clichê que possa ser, é uma história linda que faz a gente pensar em tanta coisa…

O que não gostei? Em primeiro lugar, da trilha sonora. Tem tanta coisa engraçada no livro que merecia uma musiquinha mais animada e ficou num lenga lenga com músicas tristes e devagar. O filme também é um pouco arrastado, às vezes até parado. Arrisco dizer que você pode até achar chato se não tiver lido antes. Mas, tirando tudo isso, eu gostei. Só que recomendo a leitura antes, se possível. Porque, como na maioria dos casos, o livro é um milhão de vezes melhor. De qualquer forma, Lou e Will moram no meu coração pra sempre!

Ah, nem todo mundo sabe, mas a história tem continuação. Falei dela neste post!

E você, já assistiu ao filme? O que achou?

Um beijo e até o próximo post!

Avaliação: ♥♥♥♥