Posts em destaque

Cinco motivos para assistir ao filme "3 Idiotas"

image

Quem me conhece e é leitora assídua deste blog sabe que eu adoro cinema. Só que, ao contrário de outros fãs da sétima arte, eu prefiro os filmes norte-americanos e dificilmente consigo assistir longas de outros países. Ainda bem que existem algumas exceções, como aconteceu com o maravilhoso “3 Idiotas”. Até semana passada, se alguém me falasse sobre um filme indiano, eu imaginaria algo com roteiro duvidoso – até fraco – e muitas danças e cantorias bregas inspiradas no hit do Youtube “Rivaldo, sai desse lago” (Não sabe do que eu estou falando? Então clica aqui).

Mas, depois de assistir ao filme, entendi o motivo de ter sido ganhador de tantos prêmios ao redor do mundo. O sucesso do longa se deve a uma feliz combinação entre cinco fatores:

1. O enredo é simples e fácil de entender 

idiots_02

O filme fala sobre a relação de Rancho, Fahran e Raju (os idiotas do título), que se conheceram durante a faculdade de engenharia. Depois da formatura, cada um segue seu caminho. Até que Fahran e Raju decidem partir em uma jornada para encontrar Rancho, desaparecido depois de repensar a vida. Sem terem a menor ideia do paradeiro do amigo, os dois começam a se lembrar dos tempos de universidade.

O enredo pode até parecer bobo e clichê, mas consegue prender a plateia em questão de minutos. Tudo porque o filme faz questão de retratar Rancho como uma pessoa iluminada e muito especial. Sem perceber, você já está participando da busca e torcendo para que consigam localizá-lo.

2. Os personagens são extremamente reais

images

Não é só Rancho que é retratado como um cara do bem. Fahran e Raju também são interpretados de forma brilhante e mostram os medos e os receios individuais. Enquanto Fahran ama fotografia e está na faculdade de engenharia para não decepcionar o pai, Raju sofre por antecipação antes de fazer as provas e prefere fazer promessas para os deuses. São pessoas que não existem apenas nos filmes. Todas nós temos um amigo que coloca a família em primeiro plano e tem problemas para confiar no próprio talento. É justamente essa identificação com a realidade que torna a história mais leve e gostosa.

Claro que alguns personagens são caricatos, como o diretor da faculdade, que é reclamão e faz de tudo para se ver livre dos meninos. Mas é uma delícia (no bom sentido, claro) torcer para que ele se dê mal depois das tentativas em acabar com a vida acadêmica dos alunos.

3. É cheio de lições de vida

69c7b51c5918a857e146cd6f8cbbeff4

O filme tem 170 minutos de duração, ou seja, são quase três horas. Durante esse período, você consegue sorrir, dar risada e se emocionar com os mais diversos tipos de ensinamentos. As lições de vida falam sobre amizade, amor, carreira profissional, trabalho e por aí vai. É praticamente uma aula de autoajuda. Apesar de ser longo, o filme acaba com aquela sensação de quero mais. Assim que apertei o “stop” fiquei com vontade de ver de novo e repensei várias atitudes.

4. As músicas grudam na cabeça

Como todo filme de Bollywood, “3 Idiotas” é cheio de músicas e danças bem características da Índia. Para quem gosta de musicais (meu caso), é um prato cheio. Os que não gostam podem se concentrar na legenda das canções e prestar atenção na mensagem positiva por trás das letras. Aviso desde já que elas vão grudar na sua cabeça por dias. E o mais legal de tudo é que os atores realmente cantam, ao contrário do que acontece em outros filmes. Dá uma olhada na cena em que toca “All is Well”, que, para mim, é a melhor música do filme:

5. Conhecer outras culturas realmente faz bem

A gente sabe que a Índia tem costumes muito diferentes dos nossos. Mas, com o filme, nós vemos outro lado do país. O que mais me chamou atenção foi a paisagem. As estradas mostradas são tão lindas, cheias de cores e verde, que dá muita vontade de ir para lá. Só que o longa também se preocupa em mostrar o outro lado da cultura, especialmente o trânsito caótico (é pior que o nosso, sabia?). Em pelo menos três cenas, eles citam que os motoristas não respeitam nem mesmo uma ambulância com a sirene ligada. Claro que tudo é feito de forma descontraída para atrair ainda mais nossa atenção. Outro fato curioso é que eles misturam os idiomas hindi com o inglês na mesma frase. Por isso, não abra mão da legenda em português, certo?

3-idiots

De resto, é só apertar o “play” e se entregar à história! Vale muito a pena!

Top 5: Os pais mais incríveis do cinema

O Dia dos Pais vai ser comemorado amanhã (10) e nada melhor do que aproveitar o domingo na companhia do cara mais importante da sua vida. Além do presente e do almoço em família, que tal acrescentar um filme bem gostosinho para assistir com ele durante a tarde? Pegando carona no post do Dia das Avós, preparei uma lista com os cinco pais mais fofos e incríveis do cinema. Tem opções para todos os gostos. É só escolher a que mais combina com o seu “velho” e não se esquecer da pipoca, combinado? Vamos lá:

Gru (Meu Malvado Favorito)

meu malvado favorito - filme

Parafraseando a nossa querida Agnes, o Gru é tão fofiiiiiinho que super merece ocupar o primeiro lugar deste Top 5. Ele é a prova de que os filhos podem mudar os pais (para muito melhor, claro). Antes de adotar Margot, Edith e Agnes, nosso malvado favorito não era tão malvado assim, mas ficava longe de ter um espírito paternal. Com a chegada das meninas, ele descobriu que é muito gostoso ser paparicado pelas crianças. E na segunda parte da história, percebemos que agora ele faz de tudo – até se vestir de fada encantada – para ver as pequenas felizes. Medalha de ouro na certa!

Daniel/Mrs. Doubtfire (Uma Babá Quase Perfeita)

parentdish-best-dads-mrs-doubtfire-20th-century-fox-film-corp-590mt200511

Clássico da “Sessão da Tarde” que mora nos nossos corações até hoje, o filme mostra do que os pais são capazes para ficarem perto dos filhos. No caso de Daniel (aliás, uma das melhores interpretações do ator Robin Williams), ele virou mulher e se apresentou como uma babá nos moldes da Mary Poppins para ficar com os filhos mesmo depois de se separar. Esse lado mágico, irreverente e pra lá de divertido encantou até mesmo a ex-esposa. É bonitinho e tem cenas engraçadíssimas que fazem a gente rir mesmo depois de já ter visto inúmeras vezes.

Marlin (Procurando Nemo)

Nemo_5

Quando pensei nessa lista, a primeira opção que me veio à cabeça foi o peixe-palhaço que parte em uma incrível jornada pelo oceano atrás do filho desaparecido. Pois é, Procurando Nemo é um filme fofo que encantou todas as idades, mas tem como pano de fundo a relação entre pai e filho. E o mais incrível de tudo é que, mesmo após 11 anos do lançamento (oi, estamos velhas), o filme conseguiu retratar a realidade das famílias brasileiras. Marlin é viúvo e precisa se desdobrar para cuidar do filho – e isso inclui algumas bronquinhas para educá-lo. Ah, não podemos nos esquecer de que o filme tem a Dori, a peixinha mais querida de nossas vida. Não é mesmo?

Guido (A Vida É Bela)

principal_1322

Esse é um verdadeiro paizão. Daqueles que conseguem transformar um fato tão triste (como os campos de concentração da Segunda Guerra Mundial) em algo irônico. Cheio de bom humor, ele inventa as histórias mais absurdas para que o filho não perceba o horror da situação que está vivendo. Tanto que o pequeno não consegue processar direito o que acontece no final do filme. Nós, porém, entendemos perfeitamente e dificilmente conseguimos evitar as lágrimas. Sou suspeita porque amo de verdade esse filme e posso ver várias vezes sem enjoar.

Ed Bloom (Peixe Grande e Suas Histórias Maravilhosas)

ed_bloom

Peixe Grande está entre os três melhores filmes que eu já vi na vida, então essa escolha era um pouco óbvia para mim. Esse é o caso clássico do filho que não aceita o comportamento do pai e resolve cortar relações. O que nós percebemos é que o Ed (vivido pelo fofíssimo Ewan McGregor) gosta de florear os acontecimentos da vida para torná-los mais emocionantes e divertidos – e vamos combinar, quem nunca fez isso? É tão mágico, mas tão mágico, que o filme termina sem que a gente de fato saiba se o gigante, a bruxa e as chinesas siamesas (entre outros personagens) de fato existiram. Lindo lindo!

Menção honrosa: Mufasa (O Rei Leão)

mufasa-1

Não poderia, de forma alguma, terminar esta lista sem incluir o Mufasa. Afinal, foi graças a ele que eu (e todos os que cresceram nos anos 90) descobri o que é amor entre pai e filho e, claro, a morte. Pois é, a cena em que ele parte dessa para melhor é considerada uma das mais tensas dos desenhos da Disney. Mesmo assim, o dono da savana é um dos personagens mais queridos dos desenhos. Arrasou, Mufasão!

__________________________________________

Fik Dik Blog de cara nova!

O Fik Dik está comemorando quatro meses no ar. Por isso, ganhou novo layout e nova imagem de cabeçalho. O sistema de navegação no blog continua o mesmo, mas agora está mais personalizado e com o meu jeitinho. Aproveitem!

Top 5: os avós mais fofos do cinema e da TV

Hoje comemora-se o dia da avó. Para celebrar essa data tão especial, a dica é ficar ao lado da pessoa mais querida da família. Uma boa sugestão é brincar de cinema em casa e assistir algo bem gostosinho. Pensando nisso, fiz uma seleção de filmes com os velhinhos (com todo respeito) mais fofos. Olha só:

Rainha Clarisse Renaldi: já falei aqui o quanto eu AMO “O Diário da Princesa”. Apesar de gostar mais dos livros, tenho que concordar que a avó do filme é muito mais legal. Um dos fatores que fazem com que ela fique no meu primeiro lugar é que quem deu vida à personagem é a Julie Andrews, também conhecida como a Mary Poppins. Além de elegante e poderosa, a Rainha Clarisse realiza o sonho de todas as meninas quando transforma a neta-aberração em princesa (sonho ♥). E sempre que eu a vejo, eu lembro da minha avó, então não tinha como dar a medalha de ouro para outra personagem!

image

Carl Friedricksen: o vovô de “Up – Altas Aventuras” é o típico teimoso e  rabugento que passa a maior parte do tempo preso nas próprias memórias. Mas é justamente isso que faz com que ele seja o velhinho mais próximo da realidade – quem nunca conheceu alguém assim? É bonitinho ver a falta de tato para lidar com o garotinho Russell, mas o mais fofo é perceber o quanto ele se dedicou ao grande amor de sua vida (uma coisa meio “O Diário de uma Paixão”). E é justamente com esse senhorzinho narigudo e baixinho que a gente consegue tirar ensinamentos lindos e sinceros. Impossível não se emocionar!

image (1)

Dona Benta: a dona do Sítio do Pica-Pau Amarelo é retratada como aquela avó que faz de tudo para agradar aos netos, conta histórias, é inteligente, gosta de ler e ajuda a preparar comidas gostosas. Fez tanto sucesso que levou sua turma para a televisão e já ganhou adaptações em séries e até desenhos animados. Mais do que isso, tornou-se a vovó mais querida do Brasil e emprestou seu nome para livros de receitas e virou marca de receita. Merecidíssimo!

image (2)

Alfredo: ok, ele não é avó, mas demonstra um carinho enorme pelo protagonista Totó. Incrível mesmo é pensar que esse filme tem quase 30 anos e ainda assim mostra uma das amizades mais sinceras e verdadeiras já retratadas no cinema. Um pouco reclamão, ele também é dono de um coração enorme e gosta de levar a vida com alegria. Além de transformar um menino simples em um cineasta de sucesso, ele também mudou a nossa vida – e nos levou às lágrimas em vários momentos, principalmente no final. Sabe o que é mais legal? Que existem vários Alfredos por aí. É só procurar!

image (3)

Avó da Mulan: enquanto pensava em personagens para montar essa lista, eu comecei a lembrar dos filmes que vi na minha infância e me dei conta que a Disney já criou uma senhorinha ousada e bem maluquinha. A avó da Mulan aparece apenas no começo e no final da animação, mas é dona dos comentários mais engraçados. No final, quando a heroína pergunta se o jovem capitão gostaria de jantar na casa dela, ouve-se uma voz ao fundo questionando se o bonitão não gostaria de ficar lá para sempre. Ela é bem fofinha e faz de tudo, tudo mesmo, para ver a neta feliz. Tem atitude mais de vó do que essa?

image (4)

Próximos livros que serão adaptados para o cinema

Alguém aí já reparou na quantidade de livros que viram filmes? Só em 2014, vários foram adaptados, como “A Menina que Roubava Livros”, “Divergente” e “A Culpa é das  Estrelas”. No entanto, engana-se quem pensa que levar as obras para o cinema é uma inciativa nova. Os primeiros filmes originados de livro surgiram (acredite!) nos primeiros anos do século XX. E olha só que coisa boa: a proposta é investir ainda mais nesse tipo de produção. Veja a seguir o que vem por aí:

“Como Eu Era Antes de Você”

como eu

Sem dúvida, esse é o livro mais lindo que eu já li na vida. E não foi só comigo, viu? A história escrita por Jojo Moyes encantou tanta gente que a MGM logo se encarregou de comprar os direitos da obra. O enredo gira em torno de Louisa, uma jovem sem muitas ambições que perde o emprego e passa a trabalhar como cuidadora de Will, um tetraplégico milionário. Sem ter nada em comum, os dois não se dão bem no começo, mas, aos poucos, percebem que estão profundamente ligados. Precisa de mais um motivo para morrer de ansiedade? Então aí vai: os roteiristas serão Scott Neustadter e Michael H. Weber (sim, os mesmos “500 Dias com Ela” e “A Culpa é das Estrelas”). Ainda não tem previsão de lançamento, mas já consigo imaginar muitas lágrimas por aí.

 “O Melhor de Mim” e “Uma Longa Jornada”

Sem título

Já virou tradição ver um livro do Nicholas Spark adaptado para o cinema. Os próximos da lista são “O Melhor de Mim”, que estreia em outubro nos Estados Unidos, e “Uma Longa Jornada”, ainda em fase de produção. Apesar de achar todos os livros dele iguais, eu gostei muito do primeiro, principalmente do final. Um dos fatores positivos foi a escolha do James Marsden, que combinou muito com o protagonista. O trailer já está disponível e você pode ver clicando aqui. Já “Uma Longa Jornada” tem ritmo um pouco mais lento e fala sobre duas histórias de amor paralelamente. O que se sabe é que Scott Eastwood, filho de Clint Eastwood, viverá o caubói-suspiro Luke e que a previsão de estreia é em abril de 2015. Só nos resta aguardar!

“A Maldição do Tigre”

AMaldicaodoTigre_capa

Confesso que eu ainda não li a série escrita por Colleen Houck, mas conheço muita gente que adorou! No início deste ano, a própria autora confirmou que a Paramount Pictures comprou os direitos da obra e, em breve, vai começar a produção dos filmes. Depois de perder os pais, a jovem Kelsey Hayes é contratada por um circo e fica encantada com a principal atração do espaço, um lindo tigre branco com olhos azuis. O que ela não sabe é que o animal é na verdade um príncipe indiano amaldiçoado a viver naquele corpo. A primeira parte da saga deve sair ainda no primeiro semestre de 2015 e promete ser um sucesso.

“Garota Exemplar”

gone-girl

Mais um que está na minha lista de não lidos, mas que me deu vontade, especialmente depois de ver o trailer na semana passada. Ao contrário dos outros, que são romances, esse tem uma proposta que mistura thriller com policial. A história desenvolvida por Gillian Flynn começa com o desaparecimento de Amy na manhã em que faria aniversário de casamento. A partir daí, o marido se torna o suspeito número um e ele precisa descobrir o que de fato aconteceu para provar sua inocência. Pelo que vi, parece ser bom! A direção é de David Fincher (que esteve por trás de sucessos como “A Rede Social”) e o protagonista vai ser vivido por ninguém mais, ninguém menos que Ben Affleck. Parte boa: deve estrear em outubro. Oba!

“50 Tons de Cinza”

untitled

Como jornalista, sou obrigada a dizer que esse livro é um dos mais mal escritos da história. Com todo o alvoroço da época em cima dessa trilogia, resolvi ler e bom… apesar dos personagens serem fracos, o enredo bobo e a proposta nada inovadora, o primeiro volume até passa, mas os outros são péssimos, de verdade. Só que nessa altura do campeonato, a E. L. James já está podre de rica e, sim, verá sua obra ir para as telonas. Já vi algumas fotos e sinceramente não sei se gostei muito dos protagonistas. Mas é bem provável que eu assista só por curiosidade. Para quem ficou na curiosidade, o filme estreia no início de 2015.

Os cinco figurinos mais marcantes do cinema

Eba, chegou o final de semana!  Mesmo em época de Copa do Mundo, vale a pena aproveitar o tempo livre para ver um filme. Se já está pensando em pensando em pegar o carro e enfrentar o auê para achar uma vaga no estacionamento do shopping, pode começar a se acalmar! Isso mesmo! A ideia é escolher um clássico (sim, aquele que você já viu um milhão de vezes) e assistir novamente, mas prestando atenção no figurino. Afinal, as peças usadas podem dizer muito sobre os longas. Quer ver só?

Grease

image (2)

Tem estilo mais fofo e bacana do que o dos anos 1960? Calças cigarrette, saias rodadas e de cintura alta, jaquetas colegiais, calças de couro… Pois é, dá para perceber a importância dessa década, já que nós usamos muitas das peças até hoje. E o figurino do filme, assinado por Albert Wolsky, é responsável por facilitar a compreensão do enredo. Isso porque a história se passa em uma escola, onde existe a turma de roqueiros e rebeldes que abusam do preto e das roupas coladas, e das mocinhas, que preferem cores delicadas em tons pastel. Essa diferença também é notável no casal principal, já que a protagonista é toda certinha, enquanto o galã segue uma linha mais ousada. Vamos combinar que essa é uma dupla mais queridas da telona, não é?

Titanic

image (3)

Ok, o filme pode não ser grande coisa, mas fez muito sucesso, vai? E, por mais que a Rose tenha sido egoísta por não dividir a maldita da porta com o Jack, ela tinha um closet invejável. É praticamente impossível escolher qual vestido é mais bonito – até aquele mais simples que ela usa na hora do naufrágio é bonito. Mas o mais famoso é o da cena do jantar de gala. Criação da figurinista Deborah L. Scott, a peça é bordô com camadas de chiffon bordado. É justamente nesse momento do filme que nós percebemos um dado histórico muito importante: a diferença entre as classes sociais. Enquanto a riqueza usava tecidos finos e ocupava a primeira classe do navio, os mais humildes tinham poucas peças de roupa e ficavam na parte mais zoneada (que, por sinal, é a mais legal!)

Cisne Negro

image (5)

Eu, particularmente, gosto muito desses filmes sombrios que mexem com o psicológico. Mas entendo que muita gente pode não entendido a pegada desse longa. Seja qual for a sua opinião, o importante é a transformação da protagonista (aliás, Natalie querida, você arrasou na atuação) e isso fica muito claro na última parte do filme. No início, Nina é uma jovem bailarina infantilizada pela mãe que sofre ao ganhar o papel principal do próximo baile da companhia em que trabalha. O problema é que, para se tornar o verdadeiro cisne negro, ela precisa ter mais poder, maturidade e sensualidade. Durante a apresentação, podemos perceber claramente a superação. Ela deixa a fantasia branca e delicada para aparecer com uma roupa preta linda e chique feita por Amy Westcott e que ficou ainda mais ousada com aquela maquiagem um pouco tenebrosa. O filme já tem três anos, mas ainda tem gente que escolhe essa produção para festas a fantasia. Superaprovado!

Noivo neurótico, noiva nervosa

image (4)

Você certamente já leu por aí que o estilo boyfriend está em alta. Se a ideia lhe agrada, mas você não tem em quem se inspirar, vale muito a pena conferir o guarda-roupa de Annie Hall, interpretada por Diane Keaton. Na época em que o filme foi feito, no final dos anos 1970, as mulheres não sabiam muito bem como mesclar peças masculinas com femininas. Até que vem a figurinista Ruth Morley para provar que nós podemos ficar lindas com coletes, calças mais largas e blazers sem cintura marcada. Tanto é que a própria Diane é adepta desse estilo até hoje. O longa é bem legal e fala dos dilemas de um relacionamento, que continuam os mesmos. Caiu tanto nas graças do público que venceu o Oscar de melhor filme em 1978.

O Mágico de Oz

image (1)

Quem nunca se apaixonou pelo vestido azul e branco da Dorothy e os famosos sapatinhos vermelhos? Pois é, o figurinista Adrian Greenburg  foi responsável por criar essa produção clássica que foi leiloada recentemente. Mas, além da mocinha, nós também somos surpreendidas pelo visual rosa bolo de Glinda, a bruxa boa. Sem falar nos queridos homem de lata, leão e espantalho – todos possuem roupas ricas em detalhes. A proposta era justamente essa. O filme, lançado em 1939, foi um dos primeiros a serem produzidos em cores e elas só aparecem quando embarcamos nesse mundo de fantasia (antes disso, Dorothy é mostrada em preto e branco na fazenda em que vive). Por isso, a ideia é impactar e abusar de tons quentes e alegres – vide a famosa estrada de tijolinhos amarelos. E aí, ficou com vontade rever? Eu também!